Coreia do Norte classifica novas sanções impostas pelos EUA como política hostil

Por BBC | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Casa Branca impôs medida após responsabilizar norte-coreanos por ataque de hackers a Sony Pictures; estúdio lançaria comédia sobre plano para matar Kim Jong-un

BBC

A Coreia do Norte classificou de "política hostil" as novas sanções impostas pelos Estados Unidos em resposta a um grande ataque cibernético contra a Sony Pictures.

Os EUA impuseram sanções a três organizações norte-coreanas e a dez indivíduos após o FBI culpar Pyongyang pelo cyber-ataque.
Leia mais: Coreia do Norte acusa Obama de agir como 'macaco em floresta tropical'

Após polêmica, o filme A Entrevista foi exibido no dia de Natal
BBC
Após polêmica, o filme A Entrevista foi exibido no dia de Natal

A Coreia do Norte elogiou o ataque à Sony, mas negou qualquer envolvimento.

O ataque ocorreu quando a Sony estava prestes a lançar o longa A Entrevista, uma comédia sobre um plano para assassinar o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un.

Inicialmente, a Sony cancelou o lançamento do filme por razões de segurança. Depois, decidiu exibi-lo online e em um número limitado de cinemas.

"Repugnância"
As sanções americanas impostas na sexta-feira foram provavelmente as primeiras em que os EUA agiram para punir um país por ataques online a uma empresa americana.

As anunciar as medidas, a Casa Branca disse que a ação foi em resposta aos hackers que agiram contra a Sony, mas que os alvos das sanções não estavam diretamente envolvidos no ataque.

Entenda: Por que a história do filme 'A Entrevista' revoltou a Coreia do Norte?

Em resposta, neste domingo a agência de notícias estatal da Coreia do Norte, a KCNA, citou um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores dizendo: "A ação persistente e unilateral tomada pela Casa Branca para impor 'sanções' contra a RPDC (Coreia do Norte) patentemente prova que ela ainda não está longe da repugnância inveterada e hostilidade em relação a Coreia do Norte."

Sanções americanas já estavam sendo aplicadas sobre o programa nuclear da Coreia do Norte. Analistas dizem que as novas medidas tem o objetivo de isolar ainda mais a indústria de defesa do país.

Polêmica
A comédia A Entrevista tornou-se a campeã de downloads da Sony quatro dias após seu lançamento na internet, no dia 24 de dezembro.

No dia 27, o filme já havia sido baixado mais de 2 milhões de vezes, arrecadando o equivalente a um terço do seu orçamento de US$ 44 milhões.

Um grupo autodenominado Guardiães da Paz assumiu a responsabilidade pelo ataque, que levou ao vazamento de emails e informações confidenciais da empresa.

Entre as informações vazadas estavam roteiros de filmes ainda não lançados e salários pagos a atores.

A Sony decidiu suspender o lançamento citando ameaças "não específicas" de ataques contra cinemas.

O FBI disse que suas investigações haviam apontado para um envolvimento da Coreia do Norte.

O país negou qualquer responsabilidade pelo ataque, mas descreveu o ocorrido como um "ato virtuoso".

A polêmica acabou resultando em um "bate-boca" entre o líder da Coreia do Norte e o presidente dos EUA, Barack Obama.

Na semana passada, a Coreia do Norte culpou os EUA por uma queda na internet do país, mas autoridades americanas não comentaram a possibilidade de envolvimento.

Leia tudo sobre: coreia do nortea entrevistasonyeuasanções

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas