A premiação não será em dinheiro, pois o objetivo é que a pessoa ganhe reconhecimento público

BBC

Imagem do programa mostra os cinco candidatos a servidor público mais honesto do Nepal
Integrity Idol/BBC
Imagem do programa mostra os cinco candidatos a servidor público mais honesto do Nepal

Foram mais de 300 candidatos vindos de todo o Nepal - de policiais a garis. Cinco chegaram à grande final. Mas, nesta competição, eles não precisam cantar ou dançar. Para empolgar o público, o que conta é a honestidade.

LEIA MAIS:  Brasil sobe três posições em ranking mundial sobre percepção da corrupção

No país, que ficou em 126º entre 175 países no ranking de percepção da corrupção da Transparência Internacional, o reality show musical American Idol - conhecido como Ídolos na versão brasileira - virou Integrity Idol, ou Ídolo da Integridade.

Exibido na rede de TV Today’s Youth Asia - emissora voltada para o público jovem - e na rádio, o reality mostrou minidocumentários sobre a vida de cinco funcionários públicos considerados exemplares por jurados. Ganhará o reality o servidor público mais honesto do país.

"A sociedade, em países em desenvolvimento, tem uma imagem negativa do governo e dos servidores públicos. Acham que ambos são corruptos. É claro que há sistemas corruptos, mas nem todo mundo é corrupto. Há pessoas que podem servir de modelos e inspirar outras", diz Narayan Adhikari, do Accountability Lab, ONG que promove o reality show.

Ele diz que foi procurado por organizações do Paquistão e do Afeganistão que querem fazer programas semelhantes nos países. "É uma forma de incentivar a prestação de contas em países com histórico de corrupção, como o Nepal ou o Brasil. É um exemplo importante principalmente para a próximo geração, uma forma de construir confiança."

Finalistas

A premiação não será em dinheiro, pois o objetivo é que a pessoa ganhe reconhecimento público. As votações foram feitas por telefone, Facebook, Twitter, e-mail e até cartas. Por mensagens SMS foram 3,8 mil votos - no total, mais de 10 mil.

Entre os finalistas está Bhuvan Kumari Dangol, a primeira mulher a virar diretora em uma escola de medicina no país. Quando assumiu o cargo, de acordo com a organização do concurso, ela interrompeu um ciclo de corrupção e parou de aceitar pagamentos por vagas na universidade, prática que era comum anteriormente.

Gyan Mani Nepal é um secretário regional de Educação que conseguiu reduzir o índice de faltas de professores e elevou os níveis de aprovação de 14% para 60%. Ele visitou cada uma das escolas e compartilhou seu próprio telefone celular para que alunos e pais pudessem avisar quando professores faltam, chegam atrasados ou saem antes.

Lila Bhattarai trabalha principalmente com mulheres que deixaram escola
BBC
Lila Bhattarai trabalha principalmente com mulheres que deixaram escola

Lila Bhattarai é uma assistente social que ajudou garotas que haviam abandonado a escola a retomar seus estudos, assim como adultos analfabetos a ir para a escola. Mulheres também foram incentivadas a poupar para conseguir pagar os estudos de suas filhas. Para isso, ela passa grande parte de seu tempo viajando pelas partes mais remotas do país.

Pawan Kumar Mandal é um supervisor de saúde que, há mais de 14 anos, trabalha em vilarejos isolados fornecendo cuidados de saúde básicos, como soro para reidratação. Com isso, conseguiu evitar a morte de muitas pessoas.

Prem Bahadur Khadka, diretor de uma escola de ensino médio, usou dinheiro de seu próprio bolso para oferecer bolsas de estudo para que seus alunos chegassem à universidade, além de ter levantado fundos organizando diversos eventos. Seu objetivo é aumentar as chances de estudantes da comunidade em que trabalha, em uma área pobre e marginalizada.

O campeão será anunciado no início do ano que vem. A decisão será feita com base na votação popular e na opinião dos jurados, que irão considerar o impacto das ações dos competidores e a integridade de suas ações.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.