Mãe de bebê com Down diz que quer reaver gêmea saudável

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Mãe de aluguel tailandesa reagiu a alegações veiculadas de que pai adotivo australiano cumpriu pena por pedofilia

BBC

A mãe de aluguel tailandesa no centro da polêmica sobre um bebê com síndrome de Down indicou nesta terça-feira que quer reaver a gêmea saudável do garoto, que foi levada para adoção na Austrália.

Leia também: Não sabíamos de gêmeo com Down, diz casal acusado de abandonar bebê na Tailândia

Reuters
Mãe de aluguel diz que vai criar bebê Gammy como filho

Pattaramon Chanbua, 21, disse que ficou "chocada" com as informações veiculadas na imprensa australiana de que o pai adotivo cumpriu sentença por abusar sexualmente de uma criança.

A jovem acusa o casal de levar a menina e abandonar o seu irmão, Gammy, de sete meses de idade, porque ele tem síndrome de Down e sofre de uma malformação cardíaca congênita que requer tratamento urgente.

Na terça-feira, o Canal 9 de TV da Austrália veiculou uma reportagem segundo a qual o pai – cuja identidade permanece anônima – foi condenado e preso em 1998 por abusar de uma menor de 13 anos de idade, circunstância da qual sua mulher atual teria conhecimento.

"Estou chocada e preocupada (com a notícia)", reagiu Chanbua, em uma entrevista coletiva no hospital Samitivej em Sriracha, na costa da Tailândia, nesta quarta-feira. "Agora mesmo, estou muito preocupada."

Mais: Casal australiano abandona bebê com Down com mãe de aluguel tailandesa

Questionada sobre uma possível ação para reaver a filha de volta, a mãe disse: "Isso cabe à Justiça decidir".

A agência Fairfax Media informou que a mãe havia expressado o desejo de trazer a menina de volta após tomar conhecimento das revelações divulgadas pela emissora australiana.

"Estou muito preocupada pela minha filha. Preciso de ajuda de quem puder trazer minha filha de volta o mais rápido possível", disse a mãe, segundo a agência. "Esta notícia me dá náuseas. Quero cuidar dos meus gêmeos. Não vou entregar nenhum dos dois a qualquer família que queira um bebê."

"Quero (minha filha) porque ela é minha bebê. Ela saiu do meu ventre."

Casal diz que não sabia

Na terça-feira, o casal afirmou que não sabia da existência de Gammy. Chanbua diz, no entanto, que o pai visitou os gêmeos no hospital.

Segundo ela, o homem, que tem cerca de 50 anos, "foi ao hospital para cuidar da menina, mas nunca olhou Gammy nos olhos ou o segurou no colo" - apesar de os dois bebês ficarem lado a lado.

Chanbua alega que o casal pediu que ela fizesse um aborto quando soube da condição de Gammy, aos quatro meses de gravidez, mas ela se recusou porque isso feria suas crenças budistas.

O caso ganhou as manchetes internacionais e causou alvoroço particularmente na Austrália, onde tanto o primeiro-ministro, Tony Abbott, quanto o ministro da Imigração, Scott Morrison, entraram na história.

Durante a entrevista, Chanbua disse que aceita a oferta do governo australiano de conceder cidadania australiana a Gammy, o que lhe permitiria se beneficiar de cuidado médico gratuito no país.

Mas com quase R$ 500 mil já arrecadados em uma campanha online para ajudar o garoto, a jovem disse que prefere tratar seu filho na Tailândia.

Leia tudo sobre: australiacasalsindrome de downtailandia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas