Caixas pretas, acusações e outras questões sobre a queda do avião na Ucrânia

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Boeing da Malaysia Airlines caiu no leste da Ucrânia, deixando 298 mortos; caixas pretas são esperança de explicação

BBC

Equipes de resgate afirmaram ter encontrado nesta sexta-feira a segunda caixa-preta da aeronave da Malaysia Airlines que caiu na Ucrânia, deixando 298 mortos. Na quinta-feira, separatistas pró-russos já haviam encontrado a outra caixa-preta e enviado os registros para Moscou, segundo a agência de notícias Interfax.

Hoje: Rebeldes permitirão acesso de investigadores à área de queda de avião

AP
Bagagens pessoais de passageiros são coletadas em local de queda de avião da Malaysia Airlines no leste da Ucrânia

Quinta: Avião da Malásia cai na Ucrânia perto da fronteira russa

A entrega da caixa-preta para outro país foi apontada como possível controvérsia internacional. A Ucrânia, no entanto, integra um tratado que reconhece um órgão russo como agência capacitada para investigação de acidentes aéreos.

O que aconteceu

Quase 300 pessoas morreram na queda da aeronave no leste da Ucrânia, perto da fronteira com a Rússia - uma área sob intensa disputa geopolítica e militar. Após o incidente, ambos os lados no conflito ucraniano apontaram o dedo para o outro, acusando-se mutuamente de abater a aeronave.

Sem mea culpa: Ucrânia e separatistas pró-Rússia negam ter abatido avião da Malásia

Autoridade dos EUA à rede CNN: Avião da Malásia foi abatido sobre a Ucrânia

O voo MH17 saiu de Amsterdã, na Holanda, às 12h15 do horário local (7h15 em Brasília), com destino a Kuala Lumpur, capital da Malásia. De acordo com a Malaysia Airlines, o avião perdeu contato quatro horas mais tarde, a 50 km da fronteira entre a Rússia e a Ucrânia.

Segundo o controle de tráfego aéreo, o avião havia acabado de entrar no espaço aéreo russo. O jato carregava 283 passageiros e 15 tripulantes.

Cenário: Destroços de avião da Malásia e corpos são encontrados no leste da Ucrânia

Atirador protege área onde caiu Boeing 777 da Malaysian Airlines (24/7). Foto: ReutersGuardas de honra levam caixão de uma das vítimas do voo malaio abatido na Ucrânia no aeroporto de Kharkiv (23/7). Foto: ReutersRebeldes fazem guarda enquanto monitores da Osce checam destroços do voo abatido na Ucrânia (22/7). Foto: ReutersEquipes resgatam corpos em meio aos escombros de avião que caiu na Ucrânia (21/7). Foto: APPeter Van Vilet, líder da equipe holandesa de investigações forenses, sai de vagão após inspecionar trem refrigerado na Ucrânia (21/7). Foto: APLíder separatista Aleksander Borodai, ao centro, entrega caixas-pretas do voo MH17a Mohamed Sakri (D.), da Malásia (21/7). Foto: Maxim Zmeyev/Reuters/NewscomBoa parte das cidades da Holanda tiveram o sábado (19) marcado por homenagens aos 193 cidadãos mortos em queda de avião na Ucrânia (19/7). Foto: AP PhotoReprodução de vídeo divulgada por Kiev nesta sexta (18/7) supostamente mostra caminhão carregando lançador de míssil Buk usado para abater avião malaio. Foto: ReproduçãoA malaia Siti Dina chora após ver o nome da filha na lista de passageiros a bordo do voo MH17 da Malaysia Airlines em aeroporto de Sepang, Malásia (18/07). Foto: ReutersHomem (azul) cuja família estava a bordo do voo MH17 consola outro que tinha acabado de chegar com a esposa para confirmar mortes (18/07). Foto: ReutersMulher reage a notícias sobre a queda de avião da Malaysia Airlines no leste da Ucrânia no aeroporto internacional de Kuala Lumpur em Sepang, Malásia (18/07). Foto: APParentes de passageiros a bordo do voo malaio que caiu na Ucrânia chegam a ao aeroporto internacional de Kuala Lumpur, Malásia (18/07). Foto: ReutersReação de uma mulher em frente a embaixada holandesa em Moscou, Rússia (18/07). Foto: Reuters'Nós sentimos muito, muito, muito. É uma vergonha terrível', diz mensagem deixada em frente a embaixada da Holanda em Moscou, Rússia (18/07). Foto: ReutersGaroto deixa flores em frente a embaixada da Holanda em Moscou, Rússia (18/07). Foto: ReutersMembros do Ministério de Emergência ucraniano procuram corpos perto do local onde avião malaio caiu na Ucrânia (18/07). Foto: ReutersTapete cobre corpo de passageiro do voo malaio que caiu em vila perto de Donetsk, Ucrânia (18/07). Foto: ReutersFlores sobre pertences pessoais de passageiros do voo malaio abatido perto de Donetsk, Ucrânia (18/07). Foto: ReutersPertences pessoais de passageiros do voo malaio abatido perto de Donetsk, Ucrânia (18/07). Foto: ReutersMulher afirma que parente estava no avião da Malaysia Airlines e se emociona(17/07). Foto: ReutersDestroços de avião da Malásia e corpos são encontrados no leste da Ucrânia (17/07). Foto: ReutersDestroços de avião da Malásia e corpos são encontrados no leste da Ucrânia (17/07). Foto: ReutersSegundo uma autoridade da Ucrânia, a aeronave teria sido abatida por um míssil lançado por militantes pró-Rússia (17/07). Foto: Reprodução TwitterSegundo uma autoridade da Ucrânia, a aeronave teria sido abatida por um míssil lançado por militantes pró-Rússia (17/07). Foto: Reprodução TwitterSegundo uma autoridade da Ucrânia, a aeronave teria sido abatida por um míssil lançado por militantes pró-Rússia (17/07). Foto: ReproduçãoBoeing com 295 passageiros voava de Amsterdã para Kuala Lumpur (17/07). Foto: ReutersAvião da Malásia cai na Ucrânia perto da fronteira russa (17/07). Foto: Reprodução TwitterBoeing com 295 passageiros voava de Amsterdã para Kuala Lumpur (17/07). Foto: ReutersVídeo feito após queda do avião da Malásia que caiu na Ucrânia (17/07) . Foto: Reprodução TwitterAvião da Malásia cai na Ucrânia perto da fronteira russa (17/07). Foto: ReproduçãoAvião da Malásia cai na Ucrânia perto da fronteira russa (17/07). Foto: Reprodução/TwitterAvião da Malásia cai na Ucrânia perto da fronteira russa
. Foto: ReutersAvião da Malásia cai na Ucrânia perto da fronteira russa
. Foto: Reprodução/TwitterAvião da Malásia cai na Ucrânia perto da fronteira russa
. Foto: ReutersVisão geral mostra o local onde um Boeing 777 da Malaysia Airlines caiu em Grabovo, na região de Donetsk, Ucrânia. Foto: Reuters

O pouso da aeronave estava previsto para as 6h10 de sexta-feira no horário de Kuala Lumpur (19h10 da quinta-feira no horário de Brasília). O avião era um Boeing 777-200ER - o mesmo modelo do voo da Malaysia Airlines voo MH370, que desapareceu fazendo o trecho Kuala Lumpur-Pequim em março.

As acusações

Após o incidente, tanto o governo ucraniano quanto os rebeldes pró-russos, que estão envolvidos em combates na região, trocaram acusações de que o outro lado havia derrubado o avião com um míssil. Os destroços foram encontrados espalhados em um raio de 15 km da vila de Grobovo, que é controlada pelos separatistas.

Saiba mais: Veja casos de voos comerciais abatidos por fogo hostil

Um assessor do ministro do Interior ucraniano, Anton Herashchenko, disse que o avião foi atingido por um míssil disparado a uma altitude de 10 mil metros por um sistema de mísseis aéreos direcionais Buk.

Também conhecido como SA-11 Gadfly (ou mais recente SA-17 Grizzly), o Buk é um sistema de mísseis aéreos direcionais de médio porte e fabricação russa. Os disparos podem atingir alvos a uma altitude de 22 mil metros com mísseis que viajam a até 1.020 metros por segundo.

Golpe: Tragédias aéreas raras dão histórico macabro à Malaysia Airlines

O líder separatista Alexander Borodai disse que os sistemas antiaéreos dos separatistas não têm capacidade de abater aeronaves a essa altitude, e acusou a força aérea ucraniana de abater a aeronave.

"Aparentemente, é um avião de passageiros de fato, verdadeiramente abatido pela força aérea ucraniana", disse Borodai à estatal Rossiya 24 emissora de TV da Rússia.

Onde estão as caixas-pretas?

No dia do acidente, segundo a agência Interfax, uma caixa-preta foi encontrada por separatistas pró-russos e enviada a Moscou. Homens que trabalham no resgate dos destroços disseram ter localizado a segunda caixa-preta do avião nesta sexta-feira.

Leia tudo sobre: voo mh17rússiaucrâniamalásia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas