Boeing da Malaysia Airlines caiu no leste da Ucrânia, deixando 298 mortos; caixas pretas são esperança de explicação

BBC

Equipes de resgate afirmaram ter encontrado nesta sexta-feira a segunda caixa-preta da aeronave da Malaysia Airlines que caiu na Ucrânia , deixando 298 mortos. Na quinta-feira, separatistas pró-russos já haviam encontrado a outra caixa-preta e enviado os registros para Moscou, segundo a agência de notícias Interfax.

Hoje: Rebeldes permitirão acesso de investigadores à área de queda de avião

Bagagens pessoais de passageiros são coletadas em local de queda de avião da Malaysia Airlines no leste da Ucrânia
AP
Bagagens pessoais de passageiros são coletadas em local de queda de avião da Malaysia Airlines no leste da Ucrânia

Quinta: Avião da Malásia cai na Ucrânia perto da fronteira russa

A entrega da caixa-preta para outro país foi apontada como possível controvérsia internacional. A Ucrânia, no entanto, integra um tratado que reconhece um órgão russo como agência capacitada para investigação de acidentes aéreos.

O que aconteceu

Quase 300 pessoas morreram na queda da aeronave no leste da Ucrânia, perto da fronteira com a Rússia - uma área sob intensa disputa geopolítica e militar. Após o incidente, ambos os lados no conflito ucraniano apontaram o dedo para o outro, acusando-se mutuamente de abater a aeronave .

Sem mea culpa: Ucrânia e separatistas pró-Rússia negam ter abatido avião da Malásia

Autoridade dos EUA à rede CNN: Avião da Malásia foi abatido sobre a Ucrânia

O voo MH17 saiu de Amsterdã, na Holanda, às 12h15 do horário local (7h15 em Brasília), com destino a Kuala Lumpur, capital da Malásia. De acordo com a Malaysia Airlines, o avião perdeu contato quatro horas mais tarde, a 50 km da fronteira entre a Rússia e a Ucrânia.

Segundo o controle de tráfego aéreo, o avião havia acabado de entrar no espaço aéreo russo. O jato carregava 283 passageiros e 15 tripulantes.

Cenário: Destroços de avião da Malásia e corpos são encontrados no leste da Ucrânia

O pouso da aeronave estava previsto para as 6h10 de sexta-feira no horário de Kuala Lumpur (19h10 da quinta-feira no horário de Brasília). O avião era um Boeing 777-200ER - o mesmo modelo do voo da Malaysia Airlines voo MH370 , que desapareceu fazendo o trecho Kuala Lumpur-Pequim em março.

As acusações

Após o incidente, tanto o governo ucraniano quanto os rebeldes pró-russos, que estão envolvidos em combates na região, trocaram acusações de que o outro lado havia derrubado o avião com um míssil. Os destroços foram encontrados espalhados em um raio de 15 km da vila de Grobovo , que é controlada pelos separatistas.

Saiba mais: Veja casos de voos comerciais abatidos por fogo hostil

Um assessor do ministro do Interior ucraniano, Anton Herashchenko, disse que o avião foi atingido por um míssil disparado a uma altitude de 10 mil metros por um sistema de mísseis aéreos direcionais Buk.

Também conhecido como SA-11 Gadfly (ou mais recente SA-17 Grizzly), o Buk é um sistema de mísseis aéreos direcionais de médio porte e fabricação russa. Os disparos podem atingir alvos a uma altitude de 22 mil metros com mísseis que viajam a até 1.020 metros por segundo.

Golpe: Tragédias aéreas raras dão histórico macabro à Malaysia Airlines

O líder separatista Alexander Borodai disse que os sistemas antiaéreos dos separatistas não têm capacidade de abater aeronaves a essa altitude, e acusou a força aérea ucraniana de abater a aeronave.

"Aparentemente, é um avião de passageiros de fato, verdadeiramente abatido pela força aérea ucraniana", disse Borodai à estatal Rossiya 24 emissora de TV da Rússia.

Onde estão as caixas-pretas?

No dia do acidente, segundo a agência Interfax, uma caixa-preta foi encontrada por separatistas pró-russos e enviada a Moscou. Homens que trabalham no resgate dos destroços disseram ter localizado a segunda caixa-preta do avião nesta sexta-feira.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.