Tribunal europeu mantém proibição de uso de véu na França

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Lei de 2010 havia sido questionada por francesa de 24 anos sob o argumento de que proibição violava sua liberdade de religião

BBC

O Tribunal Europeu de Direitos Humanos confirmou a proibição pela França do uso do véu muçulmano que cobre quase inteiramente o rosto - o niqab.

2010: França aprova a proibição ao uso do véu integral nas ruas

Getty Images
A lei francesa contra véu islâmico foi criada em 2010 pelo ex-presidente conservador Nicolas Sarkozy

Endosso: Conselho Constitucional apoia proibição de véu islâmico na França

A lei de 2010 foi questionada por uma mulher francesa de 24 anos, que argumentou que a proibição de usar o véu em público violou sua liberdade de religião e de expressão. A decisão dos juízes de Estrasburgo é final - não há apelação contra ela.

A lei, criada pelo ex-presidente conservador Nicolas Sarkozy, diz que ninguém pode usar em espaço público uma roupa que esconda o rosto. Quem fizer isso pode receber uma multa de 150 euros (cerca de R$ 450) e ter de se submeter a aulas de cidadania.

Investigação: Sarkozy é detido para interrogatório sobre suposto tráfico de influências

A França tem cerca de 5 milhões de muçulmanos - a maior comunidade na Europa Ocidental -, mas acredita-se que aproximadamente 2 mil mulheres usam os véus que cobrem o rosto, deixando apenas uma pequena fenda para os olhos.

O tribunal decidiu que a proibição "não foi expressamente baseada na conotação religiosa do vestuário em questão, mas apenas no fato de ele esconder o rosto".

A decisão do tribunal também "levou em conta o argumento do Estado [francês] de que o rosto tem um papel significativo na interação social".

Vigência: Mulheres são presas no dia em que lei contra véu entra em vigor na França

2011: Justiça francesa condena muçulmanas por uso de véu em público

"O tribunal também foi capaz de entender o ponto de vista de que indivíduos podem não querer ver, em lugares públicos, práticas ou atitudes que questionem a possibilidade de relações interpessoais abertas, o que, em virtude de um consenso estabelecido, forma um elemento indispensável da vida em comunidade dentro da sociedade em questão", afirma a decisão.

Alguns acessórios que cobrem o rosto, incluindo capacetes de moto ou máscaras relacionadas a questões de saúde, não são afetados pela proibição francesa.

A mulher, identificada apenas pelas iniciais S.A.S., levou o seu caso ao Tribunal Europeu em 2011. Ela disse que não estava sob pressão da família para usar o niqab, mas optou por fazê-lo por uma questão de liberdade religiosa, como uma muçulmana devota.

Precedente

A França foi o primeiro país europeu em tempos modernos a proibir o uso público do véu que cobre praticamente todo o rosto. A Bélgica adotou uma proibição semelhante em 2011, assim como algumas cidades da Itália e da Espanha, incluindo Barcelona.

O governo francês alega que a proibição tem grande apoio da sociedade. As autoridades consideram o niqab não apenas como uma afronta aos valores seculares franceses, mas também como um potencial risco de segurança, já que escondem a identidade das pessoas.

No passado, o Tribunal Europeu já havia apoiado a visão do Estado francês – a corte também decidiu a favor da proibição do governo sobre o uso de véu nas escolas. Mas, em 2010, os juízes decidiram contra a Turquia, determinando que vestes religiosas não eram em si uma ameaça à ordem pública.

Leia tudo sobre: françavéuvéu islâmicoislamismo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas