Colômbia dá voto de confiança a presidente e processo de paz

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Concluir acordo com as Farc é principal desafio de presidente Santos, que renova mandato com mais de 50% dos votos

BBC

A reeleição de Juan Manuel Santos na Colômbia representa um voto de confiança no processo de paz que ele iniciou com os guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), em novembro de 2012.

Domingo: Juan Manuel Santos supera rival e é reeleito presidente da Colômbia

AP
Presidente reeleito da Colômbia, Juan Manuel Santos (D no telão), celebra sua vitória com a palavra paz escrita na palma da mão em Bogotá (15/6)

Com 99,97% das urnas apuradas, o presidente conquistou 50,94% dos votos, enquanto o seu adversário, Óscar Iván Zuluago, obteve 45,01%.

Zuluaga havia recebido o maior número de votos no primeiro turno, mas Santos acabou vitorioso com uma campanha movida pelo discurso de paz com as Farc e por alianças partidárias de última hora.

O aumento do número de eleitores no segundo turno também ajudou. Cinco em cada dez colombianos aptos a votar (47,98%) compareceram às zonas eleitorais, enquanto no primeiro turno o índice de abstenção ultrapassou 60%.

"Colombianos de diferentes vertentes, incluindo muitos que não simpatizavam com meu governo, mobilizaram-se por uma causa, a causa da paz", disse Santos na noite de domingo, em seu discurso da vitória.

Relatório: Conflito armado matou 220 mil em 54 anos na Colômbia

"Mobilizaram-se sabendo que a história tem seus momentos e que este é o momento da paz, de terminar esse conflito longo e cruel", acrescentou.

Desafio claro

Eleito com uma plataforma que teve as negociações de paz como seu eixo central, Santos agora será obrigado a ser bem-sucedido nos diálogos com as Farc, em Havana, e avançar o mais rapidamente possível nas conversas com a ELN, segunda maior guerrilha do país.

Dia 10: Colômbia e Exército de Libertação Nacional anunciam processo de paz

Partidários de Santos mostram as mãos escritas com a palavra paz durante comemorações do resultado das eleições (15/6). Foto: ReutersMenino balança a bandeira da Colômbia durante comemorações da vitória de Santos (15/6). Foto: ReutersMenina colombiana deposita voto do pai em Bogotá (15/6). Foto: ReutersO candidato Óscar Iván Zuluaga voto no segundo turno das eleições presidenciais da Colômbia (15/6). Foto: APO candidato a reeleição, Juan Manuel Santos, acena antes de votar (15/6). Foto: ReutersImagem mostra zona eleitoral em Bogotá (15/6). Foto: APZuluaga beija a esposa Martha Ligia Martinez (15/6) . Foto: ReutersO ex-presidente Álvaro Uribe apoia a candidatura de Zaluaga (15/6). Foto: Reuters

Mas, ao mesmo tempo, também terá de garantir que qualquer acordo seja aceito pela maioria da população.

E encontrar um equilíbrio entre as aspirações dos guerrilheiros e as demandas dos cidadãos, que têm de aprovar qualquer eventual acordo em um referendo, também será um grande desafio para o presidente reeleito.

"É preciso lembrar que, de acordo com pesquisas, 73% da população dizem não concordar com a participação das Farc na política e 83% acham que os guerrilheiros devem ser presos", disse à BBC Mundo Jorge Restrepo, diretor do Centro de Recursos para Análise de Conflitos (Cerac).

"De modo que o principal desafio de Santos será alcançar o processo de paz e, sobretudo, levá-lo com sucesso às urnas", acrescentou.

Segundo Restrepo, em sua campanha, Zuluaga tentou interpretar esse sentimento da maioria dos colombianos. Inicialmente, ele chegou a dizer que acabaria com a negociação, mas posteriormente baixou o tom e disse que o processo continuaria se as Farc abandonassem todas as ações hostis.

Para seus críticos, no entanto, esse posicionamento na prática levaria ao fim do diálogo.

Um Parlamento diferente

A presença no Parlamento de uma significativa bancada de oposição de direita, encabeçada pelo ex-presidente Álvaro Uribe, também marcará uma importante diferença em relação ao primeiro mandado de Santos. E, muito provavelmente, terá consequências para além do processo de paz.

"Mesmo que Santos tenha maioria, não será tão grande como a que teve no período anterior", disse à BBC Mundo Marcela Prieto, diretora do Instituto de Ciências Políticas, centro de estudos baseado em Bogotá.

Mas, para a analista, a existência de uma maior oposição no Parlamento não é necessariamente algo ruim para a democracia do país.

"Não é normal ter 85% da coalizão governamental no Congresso. É necessário ter um debate legislativo. Meu único temor é que o 'uribismo' fique atravessado como uma vaca morta contra tudo que apresente o governo, simplesmente por ser oposição", disse à BBC Mundo.

A situação da economia também é uma preocupação manifestada pelos analistas. Para Restrepo, este será outro grande desafio da segunda gestão de Santos. "Já estamos vendo sinais fortes de que os preços dos produtos básicos estão caindo e isso pode afetar a capacidade exportadora da Colômbia."

E Restrepo não descarta que nesse setor o presidente mova-se um pouco mais à esquerda. Mas não significativamente.

"Creio que não teremos um governo progressista em matéria de iniciativa parlamentar, diante do peso que o Centro Democrático (oposição) terá no Congresso. Mas no que tange o Executivo, sim, porque basicamente quem acompanhou o presidente na reeleição foram os partidos de centro-esquerda", explicou o analista.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas