Países da América Latina lideram índice de homicídios no mundo, diz ONU

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Embora não esteja no topo da lista, Brasil tem isoladamente o maior número de casos: foram 50.108 assassinatos em 2012

BBC

A América Latina se manteve como a região que concentra os países com o maior índice de mortes violentas por homicídio e armas de fogo do mundo, segundo relatório da Organização das Nações Unidas divulgado nesta quinta-feira.

2012: Mais de 3 mil mulheres têm morte violenta em Honduras nos últimos dez anos

Nivaldo Lima/Futura Press
Viatura policial é vista no Bairro do Limão, São Paulo, onde dois homens e uma mulher foram baleados na noite de quarta-feira (9)

Janeiro: Venezuela desperta para violência epidêmica após assassinato de ex-miss

Embora não esteja no topo da lista, que compara o índice de homicídios em relação ao conjunto da população, o Brasil concentra isoladamente o maior número de casos. Em 2012, 50.108 pessoas foram vítimas de homicídio no país, ou uma taxa de 25,2 mortos para cada 100 mil habitantes.

O estudo, elaborado pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime e baseado em dados oficiais disponíveis até 2012, aponta que houve 157 mil homicídios nas Américas, ou 36% do total mundial, com países latino-americanos na liderança da lista.

No mundo, a taxa média de homicídios é de 6,2 para cada 100 mil pessoas, mas o sul da África e a América Central têm taxas quatro vezes maiores.

Honduras foi o país com a maior taxa de homicídios do mundo, com um índice de 90,4 mortes para cada 100 mil habitantes. O país centro-americano é seguido pela Venezuela, com taxa de homicídios de 53,7.

No outro lado da lista, os principados de Mônaco e Liechtenstein tiveram taxa zero de homicídio. Já Cingapura teve uma taxa de 0,2 morto por 100 mil habitantes e o Japão, 0,3.

No caso brasileiro, o estudo apontou que, embora a taxa de homicídios brasileira tenha mudado pouco nos últimos 30 anos, houve menos mortes no Rio de Janeiro e em São Paulo. A situação piorou, no entanto, nas regiões norte e nordeste.

Na América Latina, o Chile foi o país com o menor número de homicídios, com um total de 550 mortes, equivalente a uma taxa de 3,1 para cada 100 mil pessoas. No entanto, esse número não coloca o país entre a lista de nações com menor ocorrência de homicídios do mundo, já que fica atrás de quase todos os países da Oceania e muitos da Europa e da Ásia.

Em novembro, a Organização Mundial de Saúde, também da ONU, mostrou que a taxa de homicídios na América Latina cresceu 11% entre 2000 e 2010. Diferentemente de outros continentes onde os níveis estão em baixa, a taxa de homicídios cresce na América Latina.

Segundo o estudo da ONU, os dados reunidos em 2012 apontam que na África 135 mil pessoas morreram nesse ano no continente. Na Ásia foram, 122 mil; na Europa, 22 mil; e na Oceania, 1.100 homicídios, chegando a um total de 437 mil.

Jovens são maioria

Segundo o relatório, a maior parte das vítimas de homicídios são menores de 30 anos. A maioria dos casos ocorrem em áreas urbanas. O levantamento chama atenção para fatores de risco como o uso de drogas e álcool e a disponibilidade de armas.

Apesar de homens serem as maiores vítimas de homicídios, em contextos familiares as mulheres são as que mais morrem. O estudo ressalta a necessidade de politicas públicas de prevenção, assim como pede um maior esforço para investigar crimes, processar e punir os culpados.

O relatório define homicídio como a ação de matar alguém intencionalmente. As estatísticas não incluem mortes causadas por guerras, suicídios, homicídios não intencionais nem mortes “justificáveis”, como aquelas previstas na polêmica lei americana de autodefesa.

Homicídios na América Latina*

1. Honduras 90,4

2. Venezuela 53,7

3. El Salvador 41,2

4. Guatemala 39,9

5. Colômbia 30,8

6. Porto Rico 26,5

7. Brasil 25,2

9. México 21,5

15. Paraguai 9,7

18. Uruguai 7,9

19. Argentina (2010) 5,5

21. Chile 3,1

* Taxa de mortes por 100 mil habitantes

Leia tudo sobre: américa latinahomicídiosonu

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas