Dez questões ainda não respondidas sobre o avião desaparecido da Malásia

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Algumas das perguntas são: Por que aeronave fez curva brusca à esquerda? Piloto cometeu suicídio? Houve sequestro do voo?

BBC

A busca pelos supostos restos do voo MH370 da Malaysia Airlines continua no sul do Oceano Índico, mas algumas questões importantes sobre o desaparecimento da aeronave continuam sem resposta.

Premiê da Malásia: Avião caiu no sul do Índico e não há sobreviventes

AP
Representante de parentes dos passageiros chineses a bordo de voo da Malásia fala com jornalistas em hotel em Pequim, China

Investigação: Desaparecimento de avião foi proposital, diz premiê da Malásia

O Boeing 777, que decolou da capital malaia, Kuala Lumpur, em direção a Pequim no dia 8 de março, levava 239 pessoas a bordo, a maioria delas chinesas. Já se sabe que o avião abandonou a sua rota original e que um aparelho que permite a localização da aeronave, o chamado transponder, foi desligado.

Nesta semana, o governo da Malásia também afirmou que novos dados confirmam que o avião caiu em algum ponto do sul do Oceano Índico, onde imagens de satélite identificaram dezenas de objetos que se acredita que sejam destroços do avião.

Hoje: Satélite identifica 122 novos objetos que podem ser do voo da Malásia

Investigação: Área de buscas é uma das mais isoladas do planeta

Porém, alguns detalhes, assim como as razões por trás do que aconteceu, ainda permanecem um mistério. A BBC preparou uma lista de dez perguntas em relação ao caso que intrigam leigos e especialistas. Confira:

1 - Por que o avião fez uma curva brusca para a esquerda?

Registros de radares militares mostram que o voo MH370 virou de forma inesperada para o oeste e então desviou de seu plano de voo. Nesse momento, o transponder - que emite uma resposta com dados como identificação, velocidade, altitude e posição da aeronave - já tinha sido desligado.

CEO da Malaysia Airlines: Empresa não esconde nada sobre voo desaparecido

Viradas bruscas como essas são "extremamente raras" segundo Guy Gratton, do Laboratório de Segurança de Voo da Universidade Brunel, na Grã-Bretanha. Ele afirma que os pilotos fazem esse tipo de manobra apenas se houver algum problema grave no avião, que faça com que eles decidam desviar o voo para um destino diferente para pousar a aeronave.

Veja imagens relacionadas ao voo desaparecido da Malásia:

Parente de passageiros chineses do voo desaparecido chora em frente de jornalistas em hotel em Sepang, Malásia (19/3). Foto: APParente de passageiros chineses de voo desaparecido da Malásia usa celular para assistir à coletiva sobre o caso em Pequim (17/3). Foto: APOficial das Forças Armadas do Vietnã olha pela janela durante buscas pelo voo desaparecido da Malaysia Airlines (14/3). Foto: APHomem observa telão mostrando diferentes decolagens no Aeroporto Internacional de Kuala Lumpur, Malásia (13/3). Foto: ReutersParentes dos passageiros a bordo do voo desaparecido da Malaysia Airlines deixam sala de hotel após reunião com oficiais malaios, em Pequim, China (12/3). Foto: APFotos de passageiros do voo da Malaysia Airlines que desapareceu no sábado são mostradas em coletiva em Chennai, Índia (12/3). Foto: APDiretor geral do departamento de aviação civil da Malásia, Azharuddin Abdul Rahman, explica rota do avião em coletiva de imprensa (10/03). Foto: APMembro da tripulação da Marinha indonésia observa águas na fronteira da Indonésia, Malásia e Tailândia durante buscas por avião (10/3). Foto: APParentes dos chineses a bordo do avião desaparecido da Malaysia Airlines aguardam notícias em sala de um hotel de Pequim, China (10/3). Foto: APMancha de óleo encontrada no fim de semana ao sul do Vietnã provou não ser de avião (9/3). Foto: APEquipes de resgate participam das buscas por vestígios do avião desaparecido com 239 pessoas a bordo (9/3). Foto: APEquipes de resgate participam das buscas por vestígios do avião desaparecido com 239 pessoas a bordo (9/3). Foto: APEquipes de resgate participam das buscas por vestígios do avião desaparecido com 239 pessoas a bordo (9/3). Foto: APEquipes de resgate participam das buscas por vestígios do avião desaparecido com 239 pessoas a bordo (9/3). Foto: APParentes de passageiros do voo da Malaysia Airlines desaparecido aguardam por informação das buscas (9/3). Foto: APParentes de passageiros do voo da Malaysia Airlines desaparecido aguardam por informação das buscas (9/3). Foto: APParentes de passageiros do voo da Malaysia Airlines desaparecido aguardam por informação das buscas (9/3). Foto: APParentes de passageiros do voo da Malaysia Airlines se desesperam à espera de informação das buscas (9/3). Foto: APJornais trazem informações do desaparecimento do avião na Malásia (9/3). Foto: APMovimentação no aeroporto de Pequim no domingo (9/3). Foto: APParente de passageiros do voo da Malaysia Airlines desaparecido aguarda informação das buscas (9/3). Foto: APParentes de passageiros do voo da Malaysia Airlines desaparecido aguardam por informação das buscas (9/3). Foto: APParentes se desesperam com falta de informações sobre voo desaparecido (9/3). Foto: APParentes de passageiros do voo da Malaysia Airlines desaparecido aguardam por informação das buscas (9/3). Foto: APParentes de passageiros do voo da Malaysia Airlines desaparecido aguardam por informação das buscas (9/3). Foto: APParentes de passageiros do voo da Malaysia Airlines desaparecido aguardam por informação das buscas (9/3). Foto: APFamiliares de passageiros se desesperam com o sumiço do voo da Malaysia Airlines (8/3). Foto: ReutersFamiliares de passageiro no aeroporto de Pequim, na China (8/3). Foto: ReutersFicha do avião de passageiros da Malásia que desapareceu com 239 pessoas a bordo (8/3). Foto: DivulgaçãoAvião como o desaparecido na Ásia (8/3). Foto: APO primeiro-ministro da Malásia, Najib Razak, chega ao centro de recepção para a família e amigos dos passageiros a bordo da aeronave (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APMapa mostra a última posição informada do voo MH370 (8/3). Foto: APO ministro dos Transportes da Malásia, Hishammuddin Hussein, à direita, fala durante coletiva (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam por informações do vôo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim. Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APParentes de passageiros buscam informações do voo MH370 da Malaysia Airlines que voava para Pequim (8/3). Foto: APNotificação no Aeroporto Internacional de Pequim avisando de atraso do voo MH370, da Malaysia Airlines (8/3). Foto: APExecutivo da Malaysia Airlines dá informações sobre as buscas para os jornalistas (8/3). Foto: APPlaca de pouso no Aeroporto Internacional de Pequim, na China, aponta atraso na chegada de avião de passageiros de companhia da Malásia (8/3). Foto: AP

Esse motivo pode ser um incêndio, outra aeronave na área ou uma descompressão repentina, segundo David Barry, especialista em monitoramento de dados de voos na Universidade Cranfield.

Hipótese: Suicídio do piloto é uma possibilidade para desaparecimento de voo malaio

Má intenção - do piloto ou de algum invasor na cabine - é outra possibilidade. Mas, a não ser que a caixa preta do avião seja encontrada, o que realmente aconteceu na cabine dos pilotos naquele momento vai continuar sendo motivo de especulação.

2 - É possível especular que o piloto queria cometer suicídio?

Se o piloto tiver buscado se suicidar, essa não terá sido a primeira vez na história da aviação. Acredita-se que as quedas dos aviões da Egypt Air (voo 990) em 1999 e da Silk Air (voo 185) em 1997 foram causadas deliberadamente por um piloto, apesar de essas justificativas serem contestadas.

A Rede de Segurança em Aviação - uma organização privada e independente especializada em segurança de voo - afirma que houve oito casos de quedas de aviões ligadas a suicídios de pilotos desde 1976.

Galeria de fotos: Saiba quais são os desastres aéreos mais misteriosos do mundo

Até o momento, não foram divulgadas provas que justifiquem que foi isso que aconteceu no voo MH370, embora já tenham sido realizadas buscas nas casas do capitão e do copiloto do voo MH370, Zaharie Ahmad Shah e Fariq Abdul Hamid.

Especula-se que Shah pudesse estar abalado depois de se separar da esposa, mas até o momento não há fontes confiáveis para verificar qual era o estado mental do piloto no momento do voo.

AP
Mãe de passageiro que estava em voo da Malásia mostra fotos de família de seu filho em sua residência em Medan, Sumatra, Indonésia, ao lado da mulher dele (25/3)

David Barry afirma que o aparente desligamento do transponder pode ser um sinal de que ele tentou se matar, mas que "a teoria do suicídio do piloto é uma entre todas as outras". "Simplesmente não há qualquer coisa que prove ou não prove isso", acrescentou Gratton.

3 - O cenário de um sequestro é possível?

Desde os ataques do 11 de Setembro de 2001, aeronaves como esta têm portas reforçadas nas cabines dos pilotos a fim de evitar que invasores assumam o controle.

David Learmount, editor no setor de segurança da revista especializada Fligh International, afirmou que essas portas são "a prova de balas" e "não poderiam ser arrombadas com um machado".

Sylvia Wrigley, que pilota aeronaves menores e autora do livro Why Planes Crash (“Por que aviões caem”, em tradução livre) afirma que é improvável que alguém tenha invadido a cabine do piloto. "Mesmo se quebrassem a porta, eles não conseguiriam entrar antes de uma chamada de socorro, a não ser que os pilotos estivessem incapacitados", afirmou.

Mas, de qualquer forma, não importa o quanto a porta é segura, existem momentos em que a porta é aberta - quando um membro da tripulação vai ao banheiro ou precisa checar algo na cabine. Em ambos os casos, seria possível correr para a cabine nessas ocasiões.

Leia também: Conheça dez teorias sobre o paradeiro do voo desaparecido na Ásia

Algumas companhias aéreas, incluindo a El Al de Israel, têm portas duplas para evitar justamente essa situação. Gratton afirma que há um procedimento que requer que um membro da tripulação guarde a porta quando ela estiver aberta.

Mas, mesmo se os sequestradores correrem para a cabine de controle, seria fácil para qualquer tripulante enviar um sinal de socorro.

A segurança das portas da cabine oferece proteção contra a entrada de invasores, mas também evita que algo possa ser feito se algo ocorrer lá dentro. Por exemplo: no mês passado, um copiloto da Ethiopian Airlines esperou que um piloto fosse ao banheiro para assumir o controle do avião, sequestrando-o, voando para a Suíça.

Também existe a possibilidade de que um piloto convide um passageiro a visitar a cabine de controle. Foram descobertas fotos do copiloto do MH370 junto com turistas adolescentes em uma cabine de uma aeronave em um voo anterior. A Boeing afirma que não seria apropriado fazer comentários sobre uma investigação ainda em andamento.

4 – Teria ocorrido algum acidente dentro do avião?

Wrigley acredita que é possível que uma sequência de eventos possa ter levado o avião para tão longe de sua rota por acidente. "Algo pode ter dado errado em estágios. Um incêndio pode ter tomado parte do avião ou levado à falha de alguns sistemas, mas deixado o avião intacto. Então pode ter havido descompressão - não uma descompressão explosiva, mas uma gradual", disse.

AP
Irmã de passageiro de avião desaparecido da Malásia chora ao assistir programa sobre o voo MH370 em sua casa em Medan, Sumatra do Norte, Indonésia (25/3)

Wrigley cita o voo 522, da Helios Airways, que colidiu com uma montanha da Grécia em 2005 depois de perder a pressão e a falta de oxigênio ter incapacitado a tripulação. Naquela ocasião, o avião voou usando o piloto automático.

"Se o avião da Helios não tivesse atingido a montanha, teria continuado até o combustível acabar. Não estou dizendo que é um cenário provável, mas não é impossível", disse.

Inmarsat: Empresa que achou pista sobre voo usou tecnologia de ponta inédita

Pilotos destacaram que uma das primeiras medidas em muitos treinamentos de emergência é enviar uma mensagem ou alguma outra forma de sinal ao controle de tráfego aéreo.

Para um cenário puramente acidental fazer sentido, qualquer evento que tenha acontecido deve ter simultaneamente derrubado todas as formas de comunicação com terra.

5 - Por que não houve nenhuma medida quando o sinal do transponder foi desligado?

O transponder do MH370 foi desligado enquanto a aeronave saía da área de controle de voo da Malásia para o espaço aéreo do Vietnã, sobre o Mar do Sul da China. Se um avião desaparecesse na Europa, Barry e Gratton afirmam que alguém do controle de tráfego aéreo teria notado e dado o alerta rapidamente.

"Pelo menos eu esperaria que os controladores de voo tentassem entrar em contato com uma aeronave próxima para tentar estabelecer o contato direto. Frequentemente os pilotos usam um sistema de comunicação para evitar colisão durante voo chamado de TCAS que detecta transponders de outras aeronaves para garantir que eles não estejam próximos demais uns dos outros", disse Gratton.

Leia: Como é possível um Boeing 777 simplesmente desaparecer?

No entanto, de acordo com o ex-piloto da British Airways Steve Buzdygan, existe um intervalo, ou "ponto morto", de cerca de dez minutos na transmissão VHF antes de o avião cruzar para o espaço aéreo vietnamita. Learmount afirma que também é possível que ninguém em terra tenham notado o desaparecimento.

"O controle de voo da Malásia provavelmente entregou o avião para os vietnamitas e esqueceu o assunto. Pode ter ocorrido um atraso de cinco minutos antes de alguém notar que o avião sumiu, um intervalo em que ninguém apertou nenhum botão", disse.

E, segundo ele, mesmo que o controle de tráfego tivesse notado que o avião estava desaparecido, eles podem não ter divulgado a informação.

AP
Militares da Força Aérea da Austrália participam de buscas por avião desaparecido da Malásia (20/3)

6 - Por que satélites militares não estão tendo papel central nas buscas?

Satélites militares e de governos não tiveram muita importância nas buscas até agora. Isso levou a especulações conspiratórias de que o destino do avião era conhecido desde o começo.

As buscas no mar, a cerca de 2,5 mil quilômetros ao sudoeste da cidade de Perth, na Austrália, estão sendo feito com base em imagens de satélites comerciais.

Dan Schnurr, chefe de tecnologia da empresa Geospatial Insight, afirmou que existem 20 satélites conhecidos que têm uma resolução capaz de obter essas imagens. Destes, provavelmente cerca de dez capturam imagens diariamente.

As imagens são transmitidas dos satélites em um tempo muito próximo do real, dentro de duas ou três horas depois de sua captura. O atraso para detectar imagens que valham algo se deve à análise do grande volume de imagens captadas.

Laurence Gonzales, autor do livro Flight 232: A Story of Disaster and Survival, afirma que alguns países têm sistemas mais sofisticados do que gostam de admitir.

Mas Gratton afirma que satélites militares que procuram por mísseis balísticos provavelmente não estariam preparados para capturar imagens de aeronaves ou destroços.

7 - O avião planou sobre o mar ou mergulhou depois de acabar com o combustível?

Determinar os últimos momentos do MH370 parece depender de como o avião estava sendo conduzido naquele momento - pelo piloto ou não.

"Se estivesse sob controle (do piloto), o avião teria planado. O Airbus que foi parar (em janeiro de 2009) no Rio Hudson, em Nova York, perdeu os dois motores, que é um resultado idêntico a ficar sem combustível, e o piloto conseguiu pousar na água", disse Gratton.

Barry concorda que pode ter ocorrido uma descida mais suave. "Aeronaves desse tamanho vão voar normalmente ou planar durante 50 milhas (cerca de 80 quilômetros) antes de atingir o mar caso acabe o combustível."

Mas, se o avião estava sem controle, a descida pode ter sido brusca.

8 - Os passageiros teriam percebido que algo estava errado?

Joe Pappalardo, editor da revista especializada Popular Mechanics, afirma que, na maioria dos casos em que o avião voa fora do curso durante horas, os passageiros podem não notar.

Por volta da 1h, muitos dos passageiros estariam dormindo. E, pela manhã, os mais espertos teriam notado que o sol estava na posição errada.

As autoridades da Malásia disseram que o avião subiu para os 45 mil pés antes de cair 23 mil pés, depois da mudança de rota. Se esse for o caso, os passageiros teriam sentido a perda de altitude, segundo Pappalardo.

Uma teoria é que a aparente subida do avião pode ter tido o objetivo de induzir à hipóxia, a falta de oxigênio, que poderia ter deixado todos inconscientes antes de morrer.

AP
Parentes de passageiros chineses do voo desaparecido da Malásia choram durante protesto em frente de embaixada do país em Pequim (25/3)

"Na versão história de horror, os passageiros podem ter percebido que algo estava errado enquanto o avião subia, e um evento de descompressão pode ter levado à liberação das máscaras de oxigênio e uma consciência de que o oxigênio era limitado. Um cenário melhor é que eles não sabiam de nada até o impacto", disse Wrigley.

9 - Por que os passageiros não usaram os telefones celulares?

Uma questão frequente é por que, se estava óbvio que algo estava errado, os passageiros não usaram seus celulares e ligaram para familiares dando o alerta. Isso parece estranho principalmente em vista do exemplo o voo United 93, no qual os passageiros conversaram com familiares em terra depois que o avião foi sequestrado no 11 de Setembro de 2001.

Foi declarado que é extremamente improvável que os celulares captassem sinal em um avião a uma altitude tão alta. Barry afirma que as chances de um celular funcionar no avião nesse caso são "virtualmente impossíveis".

"Pode ser difícil conseguir um sinal em uma estrada remota, imagine a 11 quilômetros de altitude, longe de antenas, viajando a 8 mil quilômetros por hora", disse.

10 - Por que os aviões não podem ser ajustados para enviar todos os dados em tempo real para um satélite?

Em uma era na qual as pessoas estão acostumadas a descobrir a localização de um smartphone roubado com o uso da tecnologia, é desconcertante que, ao desligar alguns sistemas, uma aeronave tão grande possa simplesmente desaparecer por tanto tempo.

Barry afirma que a tecnologia para os aviões enviarem dados em tempo real já existe. O problema é que os aviões voam com a tecnologia que existia na época em que seus modelos foram lançados – em muitos casos, anos ou décadas atrás.

"Estamos pesquisando dispositivos que vão permitir que aeronaves transmitam informações pelo satélite quando algo diferente, como fogo ou descompressão, acontece, mas é difícil encaixar coisas em um avião do passado. O 777 entrou em serviço no início dos anos 90... a tecnologia é daquela época", disse.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas