Morsi enfrenta novo julgamento no Egito

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

Ele foi o 1º presidente democraticamente eleito do país e, em seguida, deposto em julho do ano passado após protestos

BBC

O presidente deposto do Egito Mohammed Morsi enfrenta novo julgamento neste domingo acusado pelos crimes de espionagem e de conspiração para cometer atos terroristas. De acordo com os promotores, ele e outros 35 homens colaboraram com grupos palestinos e libaneses para realizar ataques no país.

Janeiro: Morsi diz ser presidente legítimo do Egito

Líder do golpe de Estado: Egito promove chefe do Exército

Primeiro presidente democraticamente eleito do Egito, Morsi foi deposto pelos militares em julho do ano passado após uma série de protestos que levou milhares de egípcios às ruas.

AP
Apoiadores de Morsi protestam a favor do presidente deposto nas ruas do Egito


Desde então, a nova administração egípcia, que conta com o apoio das Forças Armadas, vem reprimindo a Irmandade Muçulmana, partido do qual Morsi faz parte, além de outros ativistas considerados hostis ao governo.

Como resultado, a Irmandade Muçulmana foi declarada uma organização terrorista e as autoridades vêm punindo qualquer demonstração pública de apoio ao partido.

Outras figuras de renome do grupo também tem enfrentando uma série de acusações, incluindo seu líder, Mohammed Badie , e seu vice, o ex-candidato à presidência do Egito Khairat al-Shater.

Conselho militar do Egito apoia candidatura presidencial de chefe do Exército

Pelo menos 1 mil pessoas morreram em confronto entre forças de segurança do governo e correligionários de Morsi desde sua deposição. Outras centenas também foram presas.

Tom desafiador

Morsi foi levado da prisão de Burj al-Arab para a academia de polícia da capital Cairo neste domingo de manhã. O trajeto foi feito de helicóptero.

Em seu último julgamento, Morsi foi acusado de colaborar com os grupos Hamas, da Palestina; Hezbollah, do Líbano e os guardas revolucionários do Irã.

Caso seja considerado culpado, ele pode ser condenado à prisão perpétua.

Morsi também aguarda as sentenças dos julgamentos de outros três casos. No primeiro deles, aberto em novembro, o ex-presidente egípcio é acusado de incitar a morte de manifestantes perto do palácio presidencial em 2012, quando ele ainda governava o país.

Em janeiro, outro julgamento foi iniciado envolvendo sua fuga de uma prisão em 2011, durante a qual policiais foram mortos.

Além disso, Morsi também está sendo acusado de insultar o Judiciário.

Seus correligionários dizem, porém, que ele e outros líderes da Irmandade Muçulmana são vítimas de perseguições políticas.

Em audiências anteriores da qual participou, Morsi adotou um tom desafiador. Ele recusou-se a reconhecer a legitimidade do tribunal e reiterou que ainda era o presidente eleito do país.

Durante uma delas, de dentro de uma gaiola de vidro, ele gritou: "Eu sou o presidente da República. Como eu posso mantido no lixo por tantas semanas?"

Leia tudo sobre: morsiegitomundo árabeprimavera árabe

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas