Brasileiros nas Filipinas se mobilizam para ajudar vítimas de tufão

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Doações de comida, água e roupas foram enviadas através dos órgãos oficiais e jovem se cadastrou como voluntário

BBC

Muitos brasileiros que vivem nas Filipinas estão se mobilizando para levantar doações para os sobreviventes do tufão Haiyan. A tempestade passou pelo país na sexta-feira, afetando mais de 9 milhões de filipinos, entre os quais estima-se que até 10 mil teriam morrido.

Conheça a nova home do Último Segundo

Arquivo pessoal
Jaciara Bastos procurou uma ONG confiável para fazer doações

A freira catarinense Terezinha Kuhnen é a líder do programa da Pastoral da Criança, da igreja católica no país. Ela não sofreu todo o impacto do tufão, pois estava na região da província de Zambales (norte), menos afetada do que a cidade de Tacloban (capital da província de Leyte, no centro do país), que foi praticamente devastada.

Vídeo: Caçador de tempestades faz imagens do olho de supertufão

Filipinas: ONU lança apelo por ajuda a sobreviventes de tufão

Segunda-feira: Filipinos imploram por ajuda após tufão Haiyan

"Eu vi muita destruição. Um morro inteiro veio a baixo e soterrou duas famílias. Só encontraram as pernas da mãe de uma delas. Foi um horror. Eu tive pesadelos terríveis de noite", contou.

Em meio à tragédia, a Pastoral vai se concentrar em ajudar cem famílias na província de Bohol, que fica no centro do país. "Temos cerca de 5 mil euros (aproximadamente R$ 15,4 mil) para uso emergencial e vamos dar prioridades às famílias mais prejudicadas nas áreas onde já trabalhamos, doando àquelas que estão totalmente sem nada", explicou Teresa à BBC Brasil.

Com um orçamento anual de 40 mil euros (cerca de R$ 124 mil) a pastoral atende cerca de 5 mil famílias e 6 mil crianças com projetos de nutrição e educação para o combate da pobreza infantil em quatro províncias das Filipinas.

ONGs confiáveis

Brasileiros que moram nas Filipinas também arrecadaram doações. Jaciara Basso, que reside no país há um ano e meio, contou que um grupo de famílias expatriadas se organizou por meio do Facebook.

Medo do futuro: Sobreviventes de tufão relatam momentos de horror

Estimativa: Tufão Haiyan pode ter matado mais de 10 mil nas Filipinas

Imagens: Vídeo mostra supertufão que arrasou as Filipinas

A preocupação delas foi encontrar uma organização com credibilidade para doar. "Tem muita gente que não repassa a doação, então por isso cuidamos para não deixar ser roubado, desviado, vendido. Damos somente aos órgãos oficiais", disse.

O grupo encaminhou mantimentos e roupas ao NROC (National Resources Operations Centre ou “Centro de Operações de Recursos Naturais” em tradução livre). "Juntamos 70 quilos de arroz, 90 litros de água, muitos enlatados e massa, além de roupas", calculou a carioca Maria Souza, que também contribuiu.

Voluntariado online

O estudante de engenharia mecânica da UnB Vinicius Santos também utilizou as redes sociais para ajudar. "Me registrei como voluntário para a ONG All Hands na página deles no Facebook e espero ser chamado pra ir à região de Tacloban."

Vinícius está nas Filipinas fazendo estágio em uma empresa de tecnologia da informação em Manila e se comoveu com a devastação do tufão. "Nunca vi nada assim. É triste demais", resumiu o universtário.

Ele acha que teve muitas boas oportunidades nas Filipinas e é hora de "fazer o bem" de volta como prova de gratidão. "Felicidade só é verdadeira quando compartilhada", disse.

Segundo o Itamaraty, o Brasil vai doar US$ 150 mil (cerca de R$ 345 mil) para a Unicef, direcionado às crianças afetadas pela tragédia nas Filipinas. O governo também informou à BBC Brasil que está em contato com a OMS (Organização Mundial de Saúde) para enviar remédios ao país.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas