Qual é o impacto da paralisação parcial do governo dos EUA?

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Impasse no Congresso pode custar mais de R$ 600 milhões por dia e é sentido sobretudo em Washington

BBC

O governo dos EUA está parcialmente paralisado. Mais de 800 mil servidores estão parados em casa, parques nacionais estão fechados e serviços importantes como a renovação de passaportes estão atrasados.

EUA: Obama e Congresso seguem em impasse sobre paralisação do governo

AP
Placa alerta motoristas sobre o fechamento do parque nacional Yosemite, na Califórnia em meio à paralisação do governo dos EUA

Setores afetados: Paralisação do governo afeta turistas e até casamentos

O presidente, Barack Obama, disse que "a paralisação terá um forte impacto econômico, de verdade, em gente de verdade".

A empresa de pesquisa IHS estima que a paralisação custe ao país US$ 300 milhões (equivalente a R$ 658 milhões) por dia. Em 1995, a última vez que o governo "paralisou", isso custou US$ 1,5 bilhão (R$ 3,2 bilhões) ao país na época. Em valores corrigidos, seriam hoje US$ 2,1 bilhões (R$ 4,6 bilhões).

Presidente: Obama descarta negociar e diz que 'Wall Street deve se preocupar'

Trabalhadores em casa: Impasse põe 800 mil de licença sem remuneração

O banco Goldman Sachs estima que uma paralisação de três semanas poderia custar 0,9% do PIB americano neste trimestre. E em duas semanas, a oposição republicana deve travar uma nova batalha política com os democratas sobre a revisão do teto de endividamento do país.

Temperatura econômica

O mercado parece ter ignorado a paralisação, com os três principais índices americanos abrindo em alta. "Eles vão chegar a um acordo e a gente vai sair dessa", afirma o corretor Kenny Polcari, da O'Neil Securities, da Bolsa de Valores de Nova York. "Uma paralisação não é necessariamente um comentário sobre o estado da economia dos EUA."

Washington D.C.: O dia em que a capital dos EUA amanheceu parada

Inteligência: Paralisação nos EUA prejudica proteção contra ameaças

Mas um lugar já está sentindo os efeitos imediatos da crise - Washington DC, o distrito federal, pode perder US$ 220 milhões (R$ 482 milhões) por dia, segundo o professor George Fuller, da Universidade George Mason.

Sem trabalhar — e sem receber —, milhares de servidores que vivem na cidade deixarão de gastar no comércio e restaurantes locais. O governo federal é responsável por um terço do PIB da região. "Se for por um dia, é como um dia com neve, se for por três dias é como uma nevasca, mas se é mais que isso, é um grande problema", diz Fuller.

Ásia: Obama cancela viagem a Malásia e Filipinas por paralisação do governo

Em Nova York: Impasse fecha Estátua da Liberdade e frustra turistas nos EUA

Metade dos empresários da região ouvidos em uma pesquisa da consultoria Business Roundtable indicaram que "a falta de acordo sobre o orçamento de 2014 e o (debate em torno do) teto da dívida têm um impacto negativo nos seus planos de contratar mais funcionários para os próximos seis meses”.

Bolsas mundo afora certamente terão em breve razão para diminuir o ritmo dos negócios se isso acontecer.

Sem funcionário

Se a paralisação continuar até sexta-feira, a divulgação dos dados de desemprego nos EUA, uma estatística crucial, pode ser postergada. "Todas as pesquisas e outras operações vão cessar e o site não será atualizado", informou Erica Groshen, chefe do Escritório de Estatísticas do Trabalho.

AP
Turista lê placa anunciando o fechamento da Estátua da Liberdade, em Nova York, por paralisação do governo dos EUA

Razões: Obama culpa 'cruzada ideológica' por paralisação do governo

Partido Republicano: Ao paralisar governo, oposição abraça risco político

E a paralisação prolongada também poderá atrasar uma das mais celebradas noticias do mercado financeiro deste ano - a abertura de capital da rede social Twitter.

O processo ainda precisa ser aprovado pela SEC (órgão americano equivalente à CVM, Comissão de Valores Mobiliários), que, por ora, continua aberta, só não se sabe até quando.

Leia tudo sobre: paralisaçãoeuarepublicanosdemocratasobamawall street

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas