Extrema-direita polariza campanha com xenofobia na Alemanha

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Em regiões com problemas de desemprego, partido NPD encontra terreno fértil para responsabilizar imigrantes

BBC

Na Alemanha, assim como em outros países europeus atingidos pela crise econômica, o tema imigração tem sido um dos principais itens da campanha para as eleições gerais marcadas para 22 de setembro.

Pesquisa: Coalizão de Merkel e oposição estão em disputa acirrada

Disputa: Partido de Merkel enfrenta teste nas urnas em Estado alemão

Partidos de extrema-direita aproveitam o momento de crise e tentam sensibilizar os eleitores com uma agenda recheada de elementos xenófobos. Com menos oportunidades de emprego e com a população submetida aos rigores dos planos de ajuste econômico do governo, o imigrante é mostrado como vilão aos eleitores.

BBC
Extrema-direita polariza campanha com xenofobia na Alemanha

Ironicamente, o radicalismo da campanha da direita tem servido também para aumentar a visibilidade dos partidos antinazistas que aproveitam para atacar a presença dos extremistas nas ruas.

Temas, sistema eleitoral, cenário: Entenda a eleição da Alemanha

O embate tem se manifestado abertamente, como no comício do NPD, Partido Nacional Democrata, de extrema-direita, realizado recentemente em Hellersdorf, um subúrbio de Berlim, acompanhado pela reportagem da BBC Brasil.

Comício

Em entrevista à BBC Brasil, Ronny Zasowk, representante do NPD, disse que o partido tenta concentrar a campanha em áreas onde a discussão sobre asilados políticos é mais acalorada.

Alemanha: Direitos dos homossexuais vira principal tema na campanha

Em Hellersdorf, o NDP inflama o discurso xenófobo, usando como exemplo de "desperdício" a existência de um dos inúmeros albergues para asilados políticos mantidos pelo governo existentes no país. Nele, vivem mais de 200 estrangeiros recebidos pela Alemanha como asilados. A maioria vem de países em conflito, como Síria e Afeganistão.

Durante o comício, um militante gritava palavras de ordem contra imigrantes, enquanto que, do outro lado da rua, manifestantes autointitulados antinazistas aumentavam ao máximo o volume de um equipamento de som montado em um caminhão, para abafar o discurso adversário.

Ao microfone, Zasowk gritava que o NPD não descansará até que o último albergue destinado a asilados políticos seja fechado. Ao lado, uma faixa com dizeres que tentam passar a ideia de um futuro no qual o cenário político alemão será "dominado" por imigrantes: "Hoje somos tolerantes, amanhã (seremos) estrangeiros no próprio país".

Além dos ataques aos estrangeiros, o NPD também defende que a fronteira da Alemanha volte a ser o que era em 1937, antes da Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Na manifestação em Hellersdorf, o grupo extremista estava em minoria. Eles somavam cerca de 150 militantes, enquanto do outro lado de uma forte barreira policial 700 pessoas protestavam contra a presença do NPD. Entre eles representantes dos partidos de esquerda, como os sociais-democratas, os verdes e membros do Die Linke (na tradução livre, A Esquerda).

Provocação

O NPD foi fundado em 1964 e atualmente conta com cerca de 5,4 mil membros. Apesar de pequeno, o movimento preocupa o governo. Berlim possui o maior índice de desemprego da Alemanha, 11,8%, bem acima da média alemã (6,8%) e o NPD sabe que este é um terreno fértil para a propagação de ideias de intolerância.

Uma reportagem do site de notícias Spiegel contou a história de uma mãe de família, residente no bairro de Hellersdorf, que aderiu ao movimento da extrema-direita. Ela diz não ter nada contra os asilados políticos, mas reclama que tenta há meses uma vaga na creche para a sua filha, sem sucesso.

Florian Hartleb, especialista em grupos de extrema-direita da Universidade de Bonn, acredita que o NDP faz uma campanha desesperada diante de graves problemas financeiros e de um processo de proibição do partido, que está em andamento.

"O NPD age como se fosse a última chance de conseguir representação no parlamento, por isso, eles fazem o que sempre fizeram, provocações e uma campanha que é xenófoba, antidemocrática e extremista", analisou.

BBC
Propaganda do NDP incita rejeição a imigrantes; este cartaz deseja 'Boa viagem de volta à casa' aos estrangeiros

Os cartazes usados pelo NPD confirmam esta provocação. "Boa viagem para casa", diz um deles com uma imagem de um africano, uma mulher de véu e um árabe em cima de um tapete. Outros cartazes dizem: "Maria ao invés de Sharia (opondo o cristianismo ao código moral e religioso do islã)", "Combater a criminalidade, aumentando a segurança das fronteiras" ou "Dinheiro para as vovós ao invés de para os ciganos".

Em 2001, o NPD já havia chocado a opinião pública ao lançar uma campanha com uma foto do presidente do partido em cima de uma moto e o slogan "Gas geben". Em alemão, a expressão significa acelerar, mas neste caso também é um jogo de palavras com "dar um gás", uma referência ao extermínio em massa de judeus em câmaras de gás nos campos de concentração.

Ações "antinazi"

A reação contra a campanha xenófoba do NPD acontece nacionalmente. Grupos antinazistas montaram um blog para organizar o movimento contrário. Na página, é divulgada com antecedência a agenda de eventos do NDP para que possam ser organizadas manifestações contrárias ao partido de extrema-direita.

Nas últimas eleições parlamentares, o NPD conseguiu somente 1,5% dos votos, longe dos 5% necessários a uma vaga no parlamento. Mas o partido de extrema-direita tem atualmente assento em duas câmaras estaduais, nos estados da Saxônia (8 deputados) e de Meckemburgo-Pomerânia Ocidental (5 deputados).

Mas o professor Hartleb diz que o partido de extrema-direita se encontra isolado no espectro político alemão. "Representantes do NPD não são nem cumprimentados no parlamento", contou.

Tal isolamento pode ser sentido em um processo em andamento que pede a extinção do NPD por considerá-lo uma ameaça à Constituição alemã. A câmara dos Estados alemã, com representação dos dezesseis governos estaduais do país, já concordou em extinguir o NPD. Os representantes dos mais variados partidos foram unânimes na decisão. O pedido de extinção deve ser agora analisado pelo parlamento.

Julgamento NSU

A motivação do processo veio em grande parte do julgamento na Baviera de Beate Zschäpe, integrante do grupo neonazista NSU. Existem indícios de que a célula de extrema-direita tinha ligações com o NPD. A organização é acusada de atos terroristas e do assassinato de dez pessoas, em sua maioria de origem turca, entre 2000 e 2007.

O julgamento só deve terminar em 2014. Caso fique comprovada a ligação entre o partido de extrema-direita e a célula terrorista, o processo para a proibição do NPD deve ganhar força.

Além disso, relatórios do serviço de segurança alemão afirmam que o NPD promove o racismo, a xenofobia e o antissemitismo, o que é inconstitucional no país germânico.

"Existem muitos bons motivos para banir o NPD, como seu radicalismo e suas posições anticonstitucionais e antidemocráticas, mas de um ponto de vista político-estratégico, não é o melhor caminho", defende Hartleb. No entanto, ele reconhece que a proibição do NPD teria um impacto positivo na reputação da Alemanha frente à opinião pública internacional.

Na história alemã, a proibição de partidos só ocorreu duas vezes: quando os nazistas baniram o Partido Comunista na década de 30 e quando o Partido Nacional-Socialista, de Adolf Hitler, foi extinto após a Segunda Guerra Mundial.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas