Temas, sistema eleitoral, cenário: Entenda a eleição da Alemanha

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

No domingo, alemães vão às urnas para as eleições gerais; atual chanceler Angela Merkel busca terceiro mandato

BBC

No próximo domingo, os eleitores alemães vão às urnas para escolher a composição do Parlamento, o Bundestag. O partido Cristão Democrata (CDU), da chanceler Angela Merkel, e seus aliados estão lutando para manter a maioria das 620 vagas e pelo direito de liderar o próximo governo.

Pesquisa: Coalizão de Merkel e oposição estão em disputa acirrada

Disputa: Partido de Merkel enfrenta teste nas urnas em Estado alemão

Alemanha: Direitos dos homossexuais vira principal tema na campanha

AP
Chanceler alemã Angela Merkel conversa com o então ministro das Finanças Peer Steinbrueck, hoje seu concorrente nas eleições (11/2008)

Quem são os principais concorrentes?

O CDU, o CSU (braço do CDU na Baviera) e o partido Liberal Democrata (FDP) prometem manter a coalizão encabeçada por Angela Merkel, caso conquistem novamente a maioria.

A maior força de oposição é o Partido Social Democrata (SPD). O candidato ao posto de chanceler da oposição é Peer Steinbrueck, que chegou a ser ministro das Finanças de Merkel durante a coalizão entre o CDU e o SPD, que durou de 2002 a 2005.

A intenção do SPD é chegar ao poder em coalizão com o Partido Verde. Outras três siglas detém assentos no Bundestag. O Partido de Esquerda (Die Linke, em alemão) é bastante popular nos Estados da antiga Alemanha Oriental e se tornou a quarta força da política alemã – atrás do CDU, SPD e FDP e à frente dos Verdes.

Há outros partidos que lutam para entrar no Parlamento. Para isso, é preciso obter pelo menos 5% de todos os votos na eleição. Essas siglas incluem o Partido Pirata e a Alternativa pela Alemanha (AfD), agremiação recém formada que luta contra o euro e pela volta do marco alemão.

Quais são os principais temas?

As pesquisas de opinião indicam que para os eleitores os principais temas são a crise da zona do euro, desemprego e políticas sociais.

Os partidos que compõem a aliança governista têm dado ênfase durante a campanha a seu desempenho durante o difícil período da crise econômica que afeta os países da zona do euro. "Mostramos que somos capazes de governar, e em tempos difíceis," foi o que disse a chanceler durante o único debate pela TV com seu principal opositor, o social-democrata Peer Steinbrueck.

O SPD tem se concentrado em temas sociais e tem defendido o estabelecimento de um salário mínimo. "Nós queremos um governo justo que ao mesmo tempo mantenha nossa sociedade unida," disse Steinbrueck durante o mesmo debate.

Já o FDP quer a redução da dívida pública, enquanto o Partido Verde é a favor de que "todos tenham acesso à energia barata produzida a partir de fontes limpas".

O Partido de Esquerda centrou sua campanha na necessidade de reforma do mercado de trabalho e do sistema de aposentadorias. O partido argumenta que os planos do SPD de promover justiça social não têm credibilidade.

Como funciona o sistema eleitoral alemão?

O sistema eleitoral alemão está baseado em representação proporcional. Cada eleitor possui dois votos – o primeiro para um candidato de seu distrito eleitoral e o segundo para um partido político.

As primeiras 299 vagas são distribuídas para candidatos distritais, que precisam apenas de uma maioria simples entre os votos válidos para ganhar uma vaga.

As demais 299 vagas são distribuídas aos partidos de acordo com o segundo voto. Há uma cláusula de barreira: um partido precisa de, no mínimo, 5% dos votos para poder ter algum político seu no Parlamento.

Os candidatos que vencem no primeiro voto possuem vaga garantida no Parlamento, independentemente da distribuição do segundo voto. Isso geralmente faz com que o número de vagas no Parlamento seja um pouco superior aos 598 oficiais.

Desde 1957, nenhum partido conseguiu atingir uma maioria absoluta, e a Alemanha sempre precisou ser governada por coalizões.

Qual é o resultado mais provável?

Pesquisas recentes indicam que o CDU/CSU terão 40% dos votos e os oposicionistas do SPD terão 25%. Já o FDP está perto da marca de 5%, o que coloca em xeque a atual coalizão que sustenta Angela Merkel.

Outra possibilidade é a volta de uma grande coalizão com a oposição, unindo CDU e SPD. Steinbrueck descarta esta alternativa. O SPD espera poder formar uma coalizão com o Partido Verde, mas as chances parecem remotas, já que ambas as siglas juntas teriam apenas 35% do Parlamento.

Outras possibilidades discutidas na imprensa alemã são a formação de um bloco CDU/CSU/Verdes ou SPD/Verdes/Esquerda.

Leia tudo sobre: eleições na alemanhaalemanhamerkelsteinbrueckeleiçãobundestag

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas