Pesquisa da ONU em seis países da Ásia indica que maioria dos homens que praticou delito achava ter 'direito a sexo'

BBC

Cerca de 25% dos homens entrevistados em uma pesquisa sobre violência contra mulher em países da Ásia admitiram ter cometido estupro ao menos uma vez.

O levantamento, conduzido pelas Nações Unidas em seis países do continente, sugere que o estupro é comum dentro dos relacionamentos. No entanto, um em cada dez homens admitiu ter estuprado uma mulher com quem não estava se relacionando.

Nova Délhi: Tribunal condena quatro indianos por estupro coletivo em ônibus

Ativistas indianas seguram cartazes durante protesto contra estupro coletivo de uma fotojornalista em Mumbai
AP
Ativistas indianas seguram cartazes durante protesto contra estupro coletivo de uma fotojornalista em Mumbai

Índia: Adolescente é condenado a 3 anos de prisão por estupro coletivo

A pesquisa, que teve trechos publicados na revista científica Lancet, ouviu 10 mil homens em Papua Nova Guiné, Indonésia, China, Camboja, Sri Lanka e Bangladesh.

Este é o primeiro estudo a fazer uma radiografia da violência contra mulher em vários países e a tentar entender as razões por trás dos abusos. Entre os homens que admitiram ter cometido estupro, menos da metade disse ter repetido o feito mais de uma vez.

Nova Délhi: Estupro coletivo expõe descaso com mulheres

Dia 23: Fotojornalista indiana é vítima de estupro coletivo em Mumbai

O estudo mostrou que a prevalência dos abusos variou de acordo com o país. Na Papua Nova Guiné, 62% dos homens entrevistados confessaram já ter forçado uma mulher a fazer sexo. Em áreas rurais da Indonésia, este índice foi de 48%.

Os casos de estupro parecem ser menos comuns em áreas urbanas de Bangladesh (9,5%) e no Sri Lanka, onde 14,5% dos homens admitiram ter praticado estupro.

Violência: Acusado por estupro coletivo que chocou Índia é encontrado morto

Os autores afirmam que os resultados não representam a totalidade da região da Ásia e do Pacífico, mas que fornecem dados importantes sobre a ocorrência de estupro na região.

Direito a sexo

Cerca de 75% dos homens que cometeram estupro disseram que se achavam no "direito de fazê-lo". "Esses homens achavam que tinham direito a fazer sexo com a mulher independentemente de seu consentimento", afirmou Emma Fulu, autora do estudo

Março: Acusado por estupro coletivo que chocou Índia é encontrado morto

Outro crime: Turista suíça é vítima de estupro coletivo na Índia

Segundo a pesquisadora, a segunda maior motivação para os abusos era "diversão" ou porque os homens estavam "entediados". Alguns homens também justificaram ter estuprado uma mulher para puni-la ou porque estavam com raiva. "Surpreendentemente, a razão menos comum foi o álcool", acrescentou Fulu.

Abusos na infância

Homens que haviam sofrido abusos sexuais durante a infância têm maior tendência de cometer estupros, indica a pesquisa da ONU. "Esses dados criam indignação global principalmente por causa de casos recentes, incluindo o estupro coletivo brutal de uma estudante na Índia ", afirmou a médica Michele Decker, da Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health, em Baltimore, nos Estados Unidos.

Para ela, o desafio agora "é transformar evidências em ações para criar um futuro mais seguro para a próxima geração de mulheres e meninas".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.