Um em cada quatro homens asiáticos admite ter praticado estupro

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Pesquisa da ONU em seis países da Ásia indica que maioria dos homens que praticou delito achava ter 'direito a sexo'

BBC

Cerca de 25% dos homens entrevistados em uma pesquisa sobre violência contra mulher em países da Ásia admitiram ter cometido estupro ao menos uma vez.

O levantamento, conduzido pelas Nações Unidas em seis países do continente, sugere que o estupro é comum dentro dos relacionamentos. No entanto, um em cada dez homens admitiu ter estuprado uma mulher com quem não estava se relacionando.

Nova Délhi: Tribunal condena quatro indianos por estupro coletivo em ônibus

AP
Ativistas indianas seguram cartazes durante protesto contra estupro coletivo de uma fotojornalista em Mumbai

Índia: Adolescente é condenado a 3 anos de prisão por estupro coletivo

A pesquisa, que teve trechos publicados na revista científica Lancet, ouviu 10 mil homens em Papua Nova Guiné, Indonésia, China, Camboja, Sri Lanka e Bangladesh.

Este é o primeiro estudo a fazer uma radiografia da violência contra mulher em vários países e a tentar entender as razões por trás dos abusos. Entre os homens que admitiram ter cometido estupro, menos da metade disse ter repetido o feito mais de uma vez.

Nova Délhi: Estupro coletivo expõe descaso com mulheres

Dia 23: Fotojornalista indiana é vítima de estupro coletivo em Mumbai

O estudo mostrou que a prevalência dos abusos variou de acordo com o país. Na Papua Nova Guiné, 62% dos homens entrevistados confessaram já ter forçado uma mulher a fazer sexo. Em áreas rurais da Indonésia, este índice foi de 48%.

Os casos de estupro parecem ser menos comuns em áreas urbanas de Bangladesh (9,5%) e no Sri Lanka, onde 14,5% dos homens admitiram ter praticado estupro.

Violência: Acusado por estupro coletivo que chocou Índia é encontrado morto

Os autores afirmam que os resultados não representam a totalidade da região da Ásia e do Pacífico, mas que fornecem dados importantes sobre a ocorrência de estupro na região.

Direito a sexo

Cerca de 75% dos homens que cometeram estupro disseram que se achavam no "direito de fazê-lo". "Esses homens achavam que tinham direito a fazer sexo com a mulher independentemente de seu consentimento", afirmou Emma Fulu, autora do estudo

Março: Acusado por estupro coletivo que chocou Índia é encontrado morto

Outro crime: Turista suíça é vítima de estupro coletivo na Índia

Segundo a pesquisadora, a segunda maior motivação para os abusos era "diversão" ou porque os homens estavam "entediados". Alguns homens também justificaram ter estuprado uma mulher para puni-la ou porque estavam com raiva. "Surpreendentemente, a razão menos comum foi o álcool", acrescentou Fulu.

Abusos na infância

Homens que haviam sofrido abusos sexuais durante a infância têm maior tendência de cometer estupros, indica a pesquisa da ONU. "Esses dados criam indignação global principalmente por causa de casos recentes, incluindo o estupro coletivo brutal de uma estudante na Índia", afirmou a médica Michele Decker, da Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health, em Baltimore, nos Estados Unidos.

Para ela, o desafio agora "é transformar evidências em ações para criar um futuro mais seguro para a próxima geração de mulheres e meninas".

Leia tudo sobre: estuproásiabangladeshpapua nova guinéchinaindonésiacambojasri lanka

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas