Guru indiano é preso acusado de abusar sexualmente de garota de 16 anos

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Asarum Bapu apresentou pedido de liberdade sob fiança, que será julgado pelo tribunal nesta terça-feira

Reuters
Asarum Bapu apresentou pedido de liberdade sob fiança e se diz inocente da acusação de estupro de menor

A Justiça da Índia mandou prender o líder espiritual Asarum Bapu por 14 dias, acusando-o de abuso sexual contra uma garota de 16 anos. O guru indiano negou as acusações e apresentou pedido de liberdade sob fiança, que será julgado pela corte nesta terça-feira (3).

NYT: Casos de violência sexual afugentam turistas mulheres da Índia

No começo do ano, Bapu foi criticado após dizer que a jovem indiana morta após ser vítima de estupro coletivo em Nova Délhi - um caso que chocou o país e o mundo - ainda estaria viva se tivesse chamado seus abusadores de irmãos e implorado por misericórdia.

Mumbai: Fotojornalista indiana é vítima de estupro coletivo

Polícia: Turista dos EUA é vítima de estupro coletivo no norte da Índia

Os comentários causaram indignação entre vários indianos. O guru, de 72 anos de idade, cujo principal templo religioso fica na cidade de Ahmedabad, no Estado de Guzarate, tem milhões de seguidores na Índia e é muito popular por seus discursos sobre a religião hindu e práticas religiosas.

Prisão

Bapu foi preso em outro de seus templos religiosos, no centro da cidade de Indore, no último sábado à noite. Ele foi levado de avião para a cidade de Jodhpur, no oeste do estado de Rajastão, onde o o abuso sexual teria acontecido.

Após abusos: Índia aprova lei mais rígida para abusos contra mulheres

Índia: Turista salta de sacada para escapar de 'avanços' de dono de hotel

Sob pressão: Índia diz ter prendido cinco após estupro de turista suíça

Sua prisão causou protestos em diversas cidades. Seguidores acreditam que a acusação contra Bapu teria motivação política. Mas houve protestos também contra Bapu, exigindo que ele seja tratado da mesma forma que qualquer suspeito de estupro.

A família da suposta vítima afirmou ter sido seguidora religiosa de Asarum Bapu por 12 anos.

Outro crime: Turista suíça é vítima de estupro coletivo na Índia

Violência: Acusado por estupro coletivo que chocou Índia é encontrado morto

Em sua queixa na polícia, a família alegou que o guru pediu, na semana passada, para que a adolescente permanecesse no templo depois das orações. Segundo os familiares, ele teria assim aproveitado a ausência da mãe, que estava do lado de fora, para abusar da garota.

Leia tudo sobre: índiaasarum bapuestuproabuso sexualgurureligião

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas