Filha diz que senador boliviano enfrentava depressão grave e 'restrições'

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Opositor de governo Evo Morales, que chegou ao Brasil no sábado sem salvo-conduto, tinha problemas nos rins

BBC

Denise Pinto
Roger Pinto (ao lado da filha) obteve asilo na embaixada brasileira alegando perseguição política

O senador boliviano Roger Pinto Molina sofria de "um quadro grave de depressão" e enfrentava "restrições" durante seu refúgio na Embaixada do Brasil em La Paz, disse nesta segunda-feira sua filha Denise Pinto.

Maio: Sem salvo-conduto, boliviano completa um ano em embaixada brasileira

O senador escapou para o Brasil na sexta-feira, em operação que contou com a participação do encarregado de negócios do Brasil em La Paz, Eduardo Saboia, e do senador brasileiro Ricardo Ferraço (PMDB-ES), presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado.

Sábado: Senador boliviano que vivia em embaixada em La Paz está no Brasil

No domingo, o Itamaraty - que diz não ter tido conhecimento da operação - afirmou que vai abrir inquérito sobre a entrada de Pinto Molina em território nacional e tomar "medidas administrativas e disciplinares cabíveis" quanto à atuação de Saboia.

Domingo: Itamaraty vai investigar entrada de senador boliviano no Brasil

Hoje: Itamaraty ouve diplomata responsável por vinda de boliviano

À BBC Mundo, a filha de Pinto Molina disse que soube da operação na quarta-feira, por intermédio de seu pai, mas que "sabia muito pouco sobre o assunto". Segundo Denise, o senador pediu que ela deixasse La Paz e voltasse para Brasileia (AC), onde vive sua família.

Pinto Molina, por sua vez, foi levado em um carro com placa diplomática, protegido por fuzileiros navais, até território brasileiro, segundo informou Saboia à TV Globo. Ao chegar a Corumbá (MS), Saboia pediu a ajuda de Ferraço para levá-lo a Brasília.

Em entrevista à rádio BandNews FM, Ferraço disse que pediu emprestado o avião de um empresário capixaba, após tentar, sem sucesso, contato com "autoridades em Brasília". O senador disse que decidiu ajudar Saboia a transportar o senador boliviano porque "ele estava convivendo no dia a dia com um problema sem solução".

'Restrições'

Denise diz que o pai tinha "problemas nos rins", mas que o diagnóstico não pôde ser confirmado porque ele não podia ser levado a um hospital para exames. Além disso, "ele sofria de um quadro de depressão muito grande".

Aliado: Bolívia diz que entrada de senador no Brasil não afeta relação com Dilma

De acordo com Denise, a última visita do chanceler brasileiro, Antonio Patriota, a La Paz não resultou em avanços, apenas em "restrições". "Era Saboia quem o via todos os dias", disse. E, diante da piora do estado de saúde de Pinto Molina, é possível que a decisão tenha sido tomada sem o conhecimento do Itamaraty, avalia a filha do senador.

Hoje: Bolívia cobra explicações do Brasil sobre caso de senador Molina

A Bolívia qualificou o episódio como "grave" e pediu explicações do caso ao Brasil, mas disse que isso não afetará as relações bilaterais.

Asilo

Pinto Molina esteve asilado na embaixada brasileira por mais de um ano, alegando perseguição política por parte de autoridades bolivianas, por acusar funcionários do governo de Evo Morales de corrupção e conivência com o narcotráfico.

O parlamentar de 53 anos da Província de Pando, na região amazônica da Bolívia, chegara à embaixada em La Paz em 28 de maio de 2012 e, dez dias depois, recebera asilo político do governo de Dilma Rousseff. Ele pedia um salvo-conduto para conseguir deixar a Bolívia, requisição negada pelas autoridades bolivianas.

2012: Bolívia critica asilo político concedido por Brasil a senador opositor

O governo boliviano alega que Pinto está envolvido em pelo menos 14 crimes e se abrigou na embaixada para escapar da Justiça boliviana - que o condenou, em um dos casos, a um ano de prisão por supostos danos de US$ 1,7 milhão aos cofres públicos do país - e tem manipulado as informações para dificultar as relações entre La Paz e Brasília.

Mas Saboia disse à TV Globo que decidiu levar Pinto Molina ao Brasil porque "havia risco iminente à vida e à dignidade do senador".

"Havia uma violação constante, crônica de direitos humanos, porque não havia perspectiva de saída e havia um problema de depressão que estava se agravando", disse Saboia, acrescentando que o senador já falava em suicídio após "passar 452 dias (confinado) em um cubículo" na embaixada.

Leia tudo sobre: roger pintoroger pinto molinabolíviabrasilsaboiaferraçoitamaraty

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas