Hospitais na Síria atenderam 3,6 mil pessoas com sintomas neurotóxicos, diz MSF

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

Declarações reforçam suspeitas de que governo usou armas químicas contra civis. Pelo menos 335 morreram

BBC

O organização Médicos Sem Fronteiras informou que três hospitais que apoia na Síria atenderam cerca de 3,6 mil pacientes com "sintomas neurotóxicos" na quarta-feira (21), dia do suposto ataque químico em um subúrbio do leste da capital, Damasco. Deste total, 355 pessoas morreram, acrescentou a MSF.

Resposta: Obama fica sob pressão para agir após suposto ataque na Síria

Galeria de fotos: Veja imagens do suposto ataque químico na Síria

As declarações reforçam as suspeitas do uso de armas químicas no ataque.

AP
Corpos de crianças mortas em suposto ataque químico jazem na região de Ghouta, Síria

De acordo com a ONG, funcionários de três hospitais em Damasco descreveram um grande número de pacientes com sintomas como convulsões, salivação extrema, pupilas contraídas e problemas de visão.

Muitos pacientes foram tratados com atropina, um medicamento administrado em pacientes com "sintomas neurotóxicos", acrescentou a ONG.

A MSF afirma que não pode confirmar "cientificamente" a causa dos sintomas, mas sugere fortemente o uso de um "agente neurotóxico".

As informações dos Médicos Sem Fronteiras são divulgadas horas depois da chegada a Damasco da chefe de Desarmamento da ONU, Angela Kane, para pressionar o governo a ceder acesso imediato aos inspetores da ONU, no país desde domingo passado, à área do ataque.

Pressão

Neste sábado (24), a França se uniu à Grã-Bretanha ao acusar o governo do presidente Bashar Al-Assad pelo ataque com armas químicas na quarta-feira. Na sexta-feira, o presidente americano, Barack Obama, disse, em entrevista à CNN, que está avaliando suas opções e descreveu as alegações do ataque químico na Síria como motivo de "grande preocupação".

Pouco depois das declarações de Obama, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Chuck Hagel, disse que seu departamento tem a responsabilidade de fornecer ao presidente "opções para todos os tipos de contingência".

"Isto requer posicionar nossas forças e recursos para ser capaz de agir em diferentes situações, qualquer que o presidente escolha", acrescentou Hagel.

Autoridades de defesa dos Estados Unidos ainda disseram na sexta-feira que comandantes navais haviam decidido manter temporariamente o navio de guerra USS Mahan no leste do Mar Mediterrâneo, apesar de sua missão na região ter chegado ao fim e a embarcação ter recebido ordens para voltar para casa. As autoridades ressaltaram que não receberam ordens para se preparar para uma ação militar.

Leia tudo sobre: OBAMAsíriaassadmundo árabearmas químicasprimavera árabeeuamsfmédicos sem fronteiras

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas