Neozelandesa sonâmbula 'enviou torpedos enquanto dirigia'

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Polícia do país pediu que Justiça proibisse mulher de dirigir; ela teria guiado o carro dormindo por 300 km

BBC

PA
Mulher teria enviado mensagens enquanto dormia

A polícia da Nova Zelândia pediu à Justiça do país que proíba uma mulher de dirigir após receber informações de que ela teria dirigido por centenas de quilômetros enquanto estava dormindo.

Leia também: Artista sonâmbulo só consegue desenhar enquanto dorme

A mulher sonâmbula teria também enviado mensagens de texto por celular enquanto dirigia. Amigos da mulher alertaram a polícia, dizendo que ela sofre de um distúrbio do sono pouco comum.

Ela foi encontrada caída sobre a direção do carro em uma casa em que tinha vivido anteriormente, e disse que não lembrava como havia chegado lá. Segundo a polícia, a maioria das mensagens enviadas por ela era incoerente.

Um especialista em sono ouvido pela BBC afirmou que, apesar de a história parecer pouco factível, a situação não é impossível. Neil Stanley, ex-presidente da Sociedade Britânica do Sono, afirma que casos de direção durante o sono já foram registrados, mas o envio de mensagens de texto durante o sono é mais incomum.

"Se ela podia dirigir durante o sono, é possível que ela também pudesse enviar mensagens dormindo", afirmou. "Mas se isso realmente aconteceu seria um caso extremo que chegaria ao limite do possível."

Ligação de emergência

A polícia local disse ter recebido uma ligação de emergência pouco após a meia-noite na quarta-feira de uma amiga da mulher que estava preocupada, porque havia saído de carro após ter tomado medicação para dormir.

Segundo ela, a mulher teria feito a mesma coisa há dez meses. De acordo com a polícia, carros de patrulha receberam ordens para procurar seu carro e a localizaram por meio de seu telefone celular.

Eles afirmaram que os dados mostraram que ela estava enviando mensagens enquanto dirigia de sua casa, na cidade de Hamilton, à cidade de praia Mount Maunganui, a uma distância de 300 quilômetros.

"Nós pedimos à Justiça uma ação urgente para proibi-la de dirigir e obrigá-la a buscar aconselhamento médico sobre sua capacidade de manter a carteira de motorista", afirmou o sargento Dave Litton.

"Apesar de ela ter sido encontrada em segurança, o que é um alívio para todas as pessoas envolvidas, o potencial para uma tragédia era grande", disse.

Leia tudo sobre: nova zelândiasonâmbulasonodormir

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas