Sobrevivente relembra revolta em campo de extermínio nazista 70 anos depois

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Campo de concentração em Treblinka, Polônia, onde morreram 87 mil judeus, foi palco de levante em 1943

BBC

BBC
Samuel Willenberg visita Treblinka no aniversário de 70 anos da revolta

Vestindo uma boina militar, condecorações e caminhando com uma bengala, o veterano Samuel Willenberg lidera um grupo de visitantes a Treblinka, na Polônia, onde funcionou um dos mais conhecidos campos de concentração nazista. Em uma parte coberta por floresta hoje, ele para e aponta: "Ali funcionava a plataforma. Todos os trens paravam ali."

Leia mais: Filhos e netos de nazistas relatam trauma de lidar com passado sombrio

Não restou nada em Treblinka que lembre o campo de extermínio onde morreram 87 mil judeus, a maioria em câmaras de gás. Samuel Willenberg é o último dos sobreviventes de uma revolta de prisioneiros judeus que aconteceu há 70 anos.

Ele chegou de trem a Treblinka em outubro de 1942, aos 19 anos, na companhia de outras 6 mil pessoas que foram retiradas do gueto judeu de Opatow.

Mais: Italiano aclamado por ajudar judeus é visto como colaborador do nazismo

Alfred Rosenberg: EUA encontram diário perdido de confidente de Hitler

Na chegada, receberam a ordem para tirar as roupas para um banho coletivo. Na verdade, os banheiros eram câmaras de gás. Enquanto esperava, Samuel Willenberg – que era filho de um pintor – reconheceu um conhecido entre os prisioneiros judeus, que lhe fez uma recomendação.

"Ele disse: 'Diga a eles que você é um pedreiro'. Em poucos segundos, um oficial da SS entrou perguntando 'Onde está o pedreiro?'. Eu me levantei e mostrei a ele o avental sujo com a tinta de meu pai, e isso o convenceu. Ele me mandou para as acomodações dos prisioneiros com um chute no traseiro. Uma cidade inteira, três grupos de 20 vagões, foi para a câmara de gás", contou Willenberg à BBC.

Ele era um dos 750 judeus que trabalharam em Treblinka. Sua função era vasculhar os pertences dos judeus que foram mortos nas câmaras de gás. "Um dia eu estava passeando", diz ele, com a voz embargada. "Naquele dia, eu olhei. Minha irmã menor tinha um casaco que havia ficado pequeno nela. Minha mãe aumentou o tamanho das mangas com um pedaço de veludo verde. Foi assim que eu reconheci (o casaco). Eu ainda consigo vê-lo hoje."

Polônia: Historiadora ajuda órfãos do Holocausto a encontrar identidade

Ele interrompe a história e diz que não consegue mais falar. Mas em seguida ele continua. "Foi assim que eu fiquei sabendo que minhas irmãs acabaram em Treblinka. Eu compreendi que eu não tinha mais irmãs. Eu olhei, mas não chorei. Eu não tinha mais lágrimas, apenas ódio."

Revolta

Um pequeno grupo de prisioneiros planejou uma revolta. Os trens haviam parado de chegar a Treblinka em abril de 1943. O comandante da SS, Heinrich Himmler, visitou o local em março. Pouco depois, vários corpos foram desenterrados, para que fossem empilhados e queimados. Os nazistas tentavam acobertar os seus crimes.As queimas deste tipo continuaram ao longo do verão europeu de 1943. Os trabalhadores sabiam que seriam mortos assim que terminassem a função.

Provadora de comida do Hitler: 'Temíamos que fosse a última refeição'

Saiba mais: Morre o mais velho sobrevivente de campos de concentração

No dia 2 de agosto, com uma cópia de uma chave, eles abriram a casa de armas da SS, distribuíram o arsenal entre si e colocaram fogo no campo.

Em meio ao caos da fumaça, tiros e explosões, Samuel Willenberg começou a correr. Ao seu lado, estava um amigo que era pastor protestante, mas de origem judaica, conhecido como "o sacerdote".

"O sacerdote e eu começamos a correr, tentando fugir. Eu tinha uma metralhadora. O sacerdote corria ao meu lado, até que foi atingido na perna e caiu. Ele pediu que eu o matasse. Eu disse: 'olhe para trás, para o campo de extermínio, onde sua esposa e seu filho foram mortos' e dei um tiro em sua cabeça."

Vítimas: Irmãos se reencontram após 75 anos separados no Reino Unido

Ele conseguiu fugir pulando por cima dos corpos de seus antigos amigos. Menos de 70 prisioneiros conseguiram fugir e sobreviver à guerra. Depois da revolta, os nazistas demoliram o campo, que virou uma fazenda administrada por uma família ucraniana.

Longe do campo, Samuel Willenberg tomou um trem para Varsóvia, onde reencontrou a família. "Eu abri a porta para minha mãe. Você não consegue imaginar o que é voltar do inferno e ver sua mãe e seu pai. Ela me perguntaram onde eu estava. A primeira coisa que me perguntaram, depois, foi: 'Talvez você tenha visto (suas irmãs) Itta e Tamara?' Eu nunca consegui contar para eles, que tinha visto suas roupas."

Willenberg juntou-se ao exército secreto polonês e lutou contra os alemães em agosto de 1944. Depois da guerra, ele casou-se e migrou para Israel. Mas volta constantemente a Treblinka, liderando grupos de jovens visitantes.

Sonho antigo

Este ano, Samuel Willenberg concretizou o sonho antigo de lançar a pedra fundamental de um centro educacional em Treblinka, desenhado por sua filha arquiteta, Orit.

A maioria dos soldados alemães em Treblinka nunca foi condenada pelos crimes cometidos ali. O comandante Franz Stangl recebeu pena perpétua de prisão em outubro de 1970, após um julgamento em Dusseldorf. Ele morreu na prisão no dia seguinte.

Outros dez réus também foram julgados em Dusseldorf. Quatro receberam prisão perpétua, cinco ganharam penas de três a 12 anos e um deles foi absolvido.

Leia tudo sobre: segunda guerrapolônianazismosegunda guerra mundialhitler

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas