Governo britânico pede que imigrantes 'vão para casa' em campanha

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Campanha provocou críticas feitas por membros do próprio governo, que consideram mensagem ofensiva

BBC

BBC
Campanha que pede que imigrantes voltem para casa causou controvérsia entre membros do governo

O governo britânico deu início a uma campanha pedindo que imigrantes irregulares "vão para casa ou enfrentem a prisão", segundo o porta-voz oficial do primeiro-ministro David Cameron.

Em março: Ministra inglesa faz campanha em favor de visto para brasileiros

Carros com os anúncios circularam em bairros de Londres na semana passada, após críticas feitas por membros do governo ao projeto.

O porta-voz de Cameron afirmou que o premiê discorda do ministro para Negócios, Inovação e Treinamento, Vince Cable, que chamou a campanha de "estúpida e ofensiva".

Em 2012: Censo mostra Reino Unido menos 'branco' e mais diverso

De acordo com o funcionário, o Ministério do Interior britânico está "pensando no que pode levar adiante" do projeto piloto realizado na capital.

A primeira fase do piloto terminou no último domingo, com carros circulando nos bairros londrinos de Barnet, Hounslow, Barking, Dagenham, Ealing, Brent e Redbridge com os pôsteres dizendo "vá para casa" ─ que também tinham um número de telefone para o qual os imigrantes deveriam ligar para resolver detalhes da partida.

Panfletos, cartazes e anúncios em jornais locais também foram veiculados na cidade.

Mais: Após investir para estudar em Londres, brasileira teme deportação

Nos EUA: País impedirá deportação de jovens imigrantes ilegais

O projeto piloto custou menos de 10 mil libras (R$ 34,5 mil), o que seria mais barato do que deportar uma pessoa, de acordo com o Ministério do Interior. O custo da deportação seria de cerca de 15 mil libras.

'Ato de desespero'

O uso de carros com os anúncios da campanha foi amplamente criticado por setores do governo e assembleias locais ─ o líder da assembleia de Brent, Muhammed Butt, disse que o plano foi "um ato de desespero" e que a campanha contribuiria para "fazer as pessoas se esconderem".

No domingo passado, o ministro Vince Cable disse à BBC que a campanha "era estúpida e ofensiva". "Acho improvável que continue", afirmou.

Saiba mais: Veja o especial do iG sobre a imigração nos EUA

Leia também: Brasileiros relatam lado amargo do 'sonho' americano

Ele questionou se os imigrantes irregulares teriam uma "compreensão de inglês sofisticada o suficiente" para entender os cartazes à distância. "Aparentemente, (a campanha) foi pensada para criar um medo na população britânica de que tenhamos um problema sério com a imigração ilegal", afirmou.

"Temos um problema, mas não é tão grande. É preciso lidar com ele de maneira calculada, lidando com as causas."

O Ministério do Interior, no entanto, diz que o projeto é uma alternativa a procedimentos criminais e que os bairros de Londres foram escolhidos por terem índices acima da média ─ ou abaixo da média ─ de retornos voluntários de imigrantes.

O governo afirmou que os retornos voluntários são a maneira mais eficaz e barata de remover os imigrantes irregulares sem gastar o dinheiro do contribuinte.

O porta-voz do primeiro-ministro David Cameron disse também que o governo esperará por informações finais a respeito do resultado do piloto para decidir se vai estender a campanha a todo o país.

Leia tudo sobre: reino unidoimigraçãocameroncampanhalondres

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas