Sistema de freio antigo pode ter contribuído para acidente de trem na Espanha

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

A 300 metros de curva do descarrilamento, acaba sistema que teria reduzido automaticamente velocidade de trem

BBC

Apesar de o excesso de velocidade ter sido apontada como possível causa do descarrilamento de um trem em Santiago de Compostela, na Espanha, a ausência de um sistema de frenagem mais moderno pode ter contribuído para o acidente que deixou dezenas de mortos e feridos.

Quarta: Trem descarrila em Santiago de Compostela, na Espanha

Tragédia: Sobe número de mortos em acidente de trem na Espanha

BBC
Entenda o acidente de trem em Santiago de Compostela, na Espanha


Antes de acidente de trem: 'Vou a 190 km/h!', disse maquinista

Gafe: Governo mistura terremoto com acidente de trem em nota oficial

O trem envolvido no acidente circulava em uma rede de alta velocidade que utiliza o ERMTS (Sistema Europeu de Gestão de Tráfico Ferroviário). Tal sistema é formado por uma série de dispositivos posicionados no trilho - chamados eurobalizas - que impedem o condutor de exceder a velocidade máxima permitida.

Caso o limite seja atingido, o próprio trem reduz automaticamente a velocidade e inclusive informa ao condutor para que ele tome as medidas necessárias. Se o condutor não reduzir a velocidade, o sistema automatizado freia o trem imediatamente como medida de segurança.

Saiba mais: Leia todas as notícias sobre o acidente de trem

Excesso de velocidade: Condutor de trem é investigado após acidente

Entretanto, o trecho no qual descarrilhou o trem não contava com esse mecanismo de frenagem europeu. Fontes do sistema ferroviário afirmaram ao jornal espanhol El Mundo que "o problema é que justamente a 300 metros da curva, na saída de um túnel, termina esse sistema ERMTS e começa outro mais antigo, o ASFA (Anúncio de Sinais e Frenagem Automático)".

O sistema ASFA necessita de uma série de sinais luminosos para se comunicar com a cabine do condutor, diferente do ETCS, que mantém uma comunição constante com a cabine.

Vídeo: Sobrevivente relata que vagões de trem rolaram várias vezes

Sim Harris, do Railnews, jornal sobre a indústria ferroviária, disse à rede britânica BBC que estava surpreso com o acidente. "Os trens modernos têm muitos sistemas a bordo para impedir esse tipo de excesso de velocidade”, disse Harris. "É muito difícil para o condutor quebrar as regras dessa maneira por conta dos sistemas de bordo do trem."

AP
Primeiro-ministro da Espanha, Mariano Rajoy (E), caminha perto de vagão descarrilado em local de acidente de trem na Espanha

Alta velocidade

Além do sistema de frenagem, um dos dois condutores a bordo afirmou antes do acidente via rádio à estação ferroviária que estava a 190 km/h, onde o limite de velocidade é de 80 km/h.

Um dos maquinistas está sendo investigado. De acordo com a agência de notícias AFP, o chefe da companhia ferroviária espanhola Renfe disse a uma emissora de rádio que o trem tinha sido aprovado em uma inspeção naquela manhã após uma vistoria não ter apontado problemas técnicos na composição.

Testemunho: Sobreviventes relatam ter ficado 'rodeados de mortos'

Assista: Vídeo mostra momento em que trem descarrila na Espanha

Christian Wolmar, que é especialista em ferrovias, diz que deveria ter havido algum tipo de sistema de alerta em funcionamento. "Não sabemos se o sistema falhou ou se o condutor não prestou atenção a um aviso", disse.

Veja: Vídeo mostra cenário de destruição após acidente de trem na Espanha

Wolmar afirmou também ser possível que o maquinista estivesse confuso, conduzindo o trem com dois sistemas diferentes. "No entanto, o condutor deveria conhecer a rota", disse o especialista, ressaltando que todos os maquinistas recebem treinamento nas vias ferroviárias em que vão assumir o comando de um trem de transporte de passageiros.

Philippa Oldham, diretora da Instituição de Engenheiros Mecânicos (órgão que representa os profissionais da categoria no Reino Unido), disse que os investigadores do acidente estão provavelmente procurando por uma série de fatores que podem ter causado o descarrilamento, incluindo o papel do sistema de sinalização e do controle de velocidade, assim como o papel do condutor.

Eles também devem investigar se rompimentos ou danos causados por vandalismo na pista ou no trem contribuíram para o acidente, disse. "Viajar de trem ainda é uma das maneiras mais seguras, com muito menos mortos e feridos do que outras formas de transporte, tais como o carro."

Categoria

O trem que descarrilou era um Renfe classe S730 ─ que pode viajar tanto pelos trilhos ibéricos, usados na maioria das estradas de ferro da Espanha, quanto pelos trilhos padrão, em que correm os serviços de alta velocidade AVE (Alta Velocidade Espanhola, em sigla em espanhol).

Veja imagens do acidente de trem em Santiago de Compostela:

Policiais fazem guarda enquanto condutor Francisco José Garzón Amo deixa o tribunal após sua libertação em Santiago de Compostela (28/7). Foto: APParte externa do trem é vista no local do acidente em Santiago de Compostela, noroeste da Espanha (26/7). Foto: ReutersParentes de vítimas de acidente de trem em Santiago de Compostela, na Espanha, reagem ao receber notícias (25/7). Foto: APBombeiros e equipes de resgate inspecionam vagão no local de acidente de trem em Santiago de Compostela, Espanha. Foto: APVagões descarrilados são removidos com guindastes dos trilhos em Santiago de Compostela, Espanha (25/7). Foto: APMulher reage em posto de informações para familiares montado após acidente de trem em Santiago de Compostela, Espanha. Foto: APPrimeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, visita local de acidente de trem em Santiago de Compostela, Espanha (25/7). Foto: APCondutor do trem Francisco José Garzón Amo recebe ajuda de dois homens ao ser retirado do local do acidente de trem em Santiago de Compostela, Espanha (24/7). Foto: APEquipes respondem à situação de emergência após descarrilamento de trem em Santiago de Compostela, Espanha (24/7). Foto: APFerida é retira de vagão após acidente de trem em Santiago de Compostela, Espanha (24/7). Foto: APEquipes de emergência atendem vítimas de descarrilamento de trem em Santiago de Compostela, na Espanha (24/7). Foto: APDescarrilamento de trem em Santiago de Compostela é o pior acidente do tipo em 40 anos (24/7). Foto: APEquipes respondem à situação de emergência após descarrilamento de trem em Santiago de Compostela, Espanha (24/7). Foto: APEquipes de emergência comparecem a local onde trem descarrilou em Santiago de Compostela, Espanha (24/7). Foto: APEquipes de emergência atendem vítimas de descarrilamento de trem em Santiago de Compostela, na Espanha (24/7). Foto: APAcidente de trem em Santiago de Compostela, Espanha, deixou mortos e dezenas de feridos (24/7). Foto: Alén Pérez/ TwitterEquipes de resgate trabalham para retirar vítimas de um trem após descarrilamento em Santiago de Compostela, Espanha (24/7). Foto: ReutersTrem descarrila em Santiago de Compostela, na Espanha (24/7). Foto: Alén Pérez/ TwitterO trem, que levava ao menos 240 passageiros, descarrilou na curva mais fechada do trajeto (24/7). Foto: Alén Pérez/TwitterImagem reproduzida de vídeo mostra vagões destruídos após acidente de trem em Santiago de Compostela, Espanha (24/7). Foto: Reprodução

O serviço Alvia, que viajava de Madri para Ferrol, tinha um motor em cada extremidade e oito vagões.

O tipo de trem envolvido no acidente começou a funcionar há relativamente pouco tempo. Além de viajar em ambos os tipos de trilho em uso na Espanha, ele é movido por um motor híbrido que pode usar eletricidade e diesel.

Isso significa que o trem pode ser usado para serviços de alta velocidade que começam em linhas AVE e continuam por dentro de vilas e cidades que não são servidas por essa rede.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas