Reino Unido vai proibir pornografia que simula estupro

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Premiê britânico David Cameron vai anunciar em discurso as medidas que restringirão acesso a pornografia online

BBC

Todos os lares do Reino Unido terão o acesso a sites de pornografia bloqueados por seu provedor de internet, a menos que escolham acessá-los, segundo anúncio que o primeiro-ministro, David Cameron, fará em breve.

Além disso, Cameron tornará ilegal a posse de pornografia online mostrando imitações de estupro, colocando Inglaterra e País de Gales em linha com a Escócia, onde já havia legislação neste sentido.

Leia mais: Há menos pornografia do que se pensa no mundo da internet

AP
O premiê britânico David Cameron faz pronunciamento em frente ao nº 10 da Downing Street (foto de arquivo)

Anna Arrowsmith: Cineasta gera polêmica ao dizer que pornografia faz bem

O ministro adiantou as medidas em uma entrevista à BBC neste domingo. Em discurso, o primeiro-ministro afirmará que o acesso à pornografia online está "corroendo a infância".

As medidas serão aplicadas para clientes existentes e novos dos provedores - e caberá a estes aplicar as barreiras. Filtros serão ativados automaticamente para todos os novos clientes, embora eles possam optar por desligá-los.

Milhões de usuários de computadores serão contatados pelos seus provedores de internet e informarão se querem ativar filtros para evitar que seus filhos acessem material inadequado.

'Corrosão da infância'

"Eu quero falar do impacto da internet sobre a inocência de nossas crianças e sobre como a pornografia online está corroendo a infância", disse. "Eu não estou fazendo este discurso por moralismo ou alarmismo, mas porque sinto, profundamente, como político e como pai, que o tempo para a ação chegou. Isto é, simplesmente, proteger os nossos filhos e sua inocência. "

Leia mais: Em prisão americana, batalha solitária contra filmes eróticos

Los Angeles: Indústria pornô reage à lei que obriga camisinha em filmes

Cameron anunciará que a posse de pornografia online retratando estupro será considerada ilegal. Ele também pedirá que páginas de alerta apareçam quando as pessoas tentarem procurar conteúdo ilegal.

A legislação em vigor apenas proíbe a publicação - em papel - de representações pornográficas de estupro, e não a posse.

'Estupro pornô'

A iniciativa foi bem recebida por grupos e acadêmicos que fazem campanha pela proibição do "estupro pornô" de mulheres.

Holly Dustin, diretora da ONG End Violence Against Women Coalition, disse que o grupo estava "encantado". "A coligação do governo se comprometeu a evitar o abuso de mulheres e meninas. E, para isso, é fundamental enfrentar uma cultura que glorifica o abuso", disse ela.

"O próximo passo é trabalhar com especialistas para garantir a elaboração cuidadosa da lei e um financiamento adequado para garantir a lei seja cumprida integralmente."

Leia tudo sobre: reino unidoestupropornografiainternet

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas