Rússia compra máquinas de escrever para evitar espionagem

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Compra de máquinas de escrever pelo governo da Rússia estaria associada aos casos Edward Snowden e WikiLeaks

BBC

A agência responsável pela segurança das autoridades do Kremlin, a sede do governo russo, está comprando máquinas de escrever - uma ação que estaria associada a preocupações com vazamentos de informações sigilosas após os casos ligados ao WikiLeaks e às denúncias do ex-técnico da CIA Edward Snowden.

Traidor ou herói: Snowden abre debate sobre limites da guerra ao terror

AP
Cartaz em apoio a Edward Snowden é colocado no centro de Hong Kong (17/6)

No aeroporto: Snowden convida grupos humanitários para reunião

Uma encomenda de 486,540 rublos (cerca de R$ 30 mil) em máquinas de escrever elétricas foi colocada pelo Serviço Federal de Proteção (FSO, na sigla em inglês) no website de compras do Estado russo.

A razão da compra não foi divulgada. Mas uma fonte da agência disse ao jornal russo Izvestiya que o objetivo seria o de evitar vazamentos de computadores.

Leia mais: Conheça os aliados que ajudam Snowden a decidir seu futuro

"Depois dos escândalos com a distribuição de documentos secretos pelo WikiLeaks, do que expôs Edward Snowden e de relatórios do primeiro-ministro Dimitri Medvedev serem espionados durante sua visita à reunião do G20 em Londres (em 2009), foi decidido que seria necessário expandir a prática de criar documentos em papel", disse a fonte.

Denúncias pelo vazamento de Snowden:
Monitoramento: EUA mantêm ampla base de dados telefônicos
Prism: EUA coletam dados de nove empresas de internet
Jornal: EUA podem usar dados de inteligência sem mandado
Denúncia: Reino Unido espionou autoridades do G20 em 2009

Padrão próprio

A fonte acrescentou que máquinas de escrever já estavam sendo usadas nos ministérios da Defesa e de Emergência da Rússia para notas e rascunhos secretos e em relatórios preparados para o presidente, Vladimir Putin.

WikiLeaks: Assange promete divulgar 1 milhão de novos documentos em 2013

Ao contrário das impressoras, cada máquina de escrever tem o próprio padrão de digitação, o que torna possível vincular cada documento a uma máquina em particular, diz o jornal.

AP
O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, aparece ao lado do chanceler equatoriano, Ricardo Patiño, na varanda da Embaixada do Equador em Londres

Snowden recentemente vazou milhares de documentos classificados como secretos pela Agência Nacional de Segurança (NSA, sigla em inglês) dos EUA. Acredita-se que ele esteja foragido, vivendo no aeroporto de Moscou.

O WikiLeaks ganhou manchetes mundiais em 2010 com a liberação de centenas de milhares de escutas do Departamento de Estado norte-americano, incluindo arquivos secretos relativos às guerras do Iraque e do Afeganistão.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas