Polícia parou Bin Laden por alta velocidade, diz relatório do Paquistão

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Documento de comissão aponta 'incompetência e negligência' de autoridades para identificar líder terrorista

BBC

O ex-líder da Al-Qaeda Osama Bin Laden, morto por forças especiais norte-americanas no noroeste do Paquistão em maio de 2011, chegou a ser parado pela polícia "em 2002 ou 2003" por dirigir acima do limite de velocidade.

No Paquistão: Mulheres que ajudaram a encontrar Bin Laden vivem sob ameaça

AFP
Em Jalalabad, Bin Laden sorri em foto de 1988. O terrorista se escondia em cavernas localizadas no Afeganistão

'No Easy Day': Livro de ex-militar contradiz versão oficial sobre morte

A informação está em um relatório do governo paquistanês, vazado para a rede de TV Al-Jazeera, que sugere que incompetência e negligência permitiram que Bin Laden vivesse no Paquistão despercebido por quase uma década.

O documento também revela detalhes sobre o paradeiro do líder da al-Qaeda e de seu dia a dia depois que fugiu do Afeganistão, em 2001.

O Paquistão havia descartado suspeitas dos EUA de que Bin Laden vivia no país. Por isso, a descoberta de seu paradeiro, em uma casa em Abbottabad, e seu posterior assassinato em uma operação dos Seals Marinha dos EUA, acabaram causando um grande mal-estar nas relações EUA-Paquistão.

O relatório é resultado das investigações da Comissão Abbottabad, criada pelo Parlamento paquistanês para verificar se houve incompetência ou conivência com a Al-Qaeda no episódio.

A comissão também tinha a tarefa de investigar possíveis falhas dos serviços de inteligência paquistaneses, que não detectaram a atividade da CIA em seu território na preparação para o ataque "que culminou com a humilhação evitável do povo do Paquistão".

Relembre: Por trás da caça dos Estados Unidos a Osama bin Laden

O relatório de 336 páginas, resultado de entrevistas com mais de 200 testemunhas, incluindo altos funcionários civis e militares, bem como com as três viúvas de Bin Laden, ouvidas antes da deportação para a Arábia Saudita, foi entregue ao governo há mais de seis meses, como informa o correspondente da BBC no país, Richard Galpin, mas foi mantido em segredo.

A versão que vazou para a Al-Jazeera foi criticada pelo próprio chefe da comissão, Javed Iqbal, que disse à TV paquistanesa Dunya que essa versão foi produzida "com base em suposições" e nem sequer inclui as mais de 100 recomendações que a Comissão fez nas suas conclusões.

Caolho: Líder da Al-Qaeda diz que Bin Laden era cego de um olho

O relatório classifica o assassinato de Bin Laden por forças norte-americanas de "ato criminoso" ordenado pelo presidente dos EUA, Barack Obama.

'Humilhação'

Na versão vazada para a Al-Jazeera, está documentada a vida diária de Bin Laden depois de fugir da invasão norte-americana ao Afeganistão, em 2001. O relatório detalha o estilo de vida frugal dele e de sua família, com "segurança mínima" em casa.

'A Hora Mais Escura': Um guia para entender o filme sobre a caça a Bin Laden

Bin Laden teria chegado ao Paquistão na primavera ou no verão de 2002, mantendo-se em partes do Waziristão do Sul, Bajaur, Peshawar, Swat e Haripur, antes de se estabelecer em Abbottabad, em 2005.

A esposa de um dos assessores de Bin Laden, identificada como Maryam, diz no documento que a polícia em Swat chegou a parar o veículo do líder da Al-Qaeda por excesso de velocidade em 2002 ou 2003, mas não teria conseguido reconhecer o líder.

Referindo-se a Bin Laden e sua comitiva, o relatório diz: "Eles mantiveram um perfil discreto e levavam uma vida extremamente frugal. Eles nunca se expuseram ao público."

Seal: Membro de grupo de elite que matou Bin Laden dá 1º entrevista

De acordo com o testemunho das viúvas, Bin Laden usava um chapéu de caubói quando caminhava pelo pátio da casa, para evitar ser identificado.

O relatório diz ser "inacreditável" que os serviços de inteligência, a vizinhança, as autoridades locais e a polícia não notaram "o tamanho (da casa), o arame farpado e a falta de carros e visitantes durante um período de quase seis anos".

Negligência

Os documentos vazados criticam ferozmente governo e militares do Paquistão, identificando "negligência e incompetência em quase todos os níveis".

Embora a comissão afirme não ter encontrado nada para apoiar as alegações de cumplicidade, o relatório não descarta "a possibilidade de um certo grau de conivência dentro ou fora do governo".

Saiba mais: Veja o especial do iG sobre o 11 de Setembro

O relatório também expressou duras críticas ao ataque de forças especiais da Marinha americana em Abbottabad, descrevendo-o como um "ato de guerra americano" e "a maior humilhação" do Paquistão desde a separação de Bangladesh - até então parte oriental do Paquistão - em 1971.

De acordo com o documento, jatos do Paquistão foram acionados para abater os helicópteros norte-americanos usados na operação, mas tarde demais.

Leia tudo sobre: paquistãobin ladenmorte de bin ladenal qaeda

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas