Ossada de professora desaparecida em 1985 é achada em parede falsa

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Restos mortais de professora americana estavam na casa onde ela vivia com o marido dela, morto em dezembro

BBC

Os restos mortais de uma professora americana desaparecida em 1985 foram encontrados em uma parede de fundo falso na casa onde ela morava com o marido, informaram fontes da polícia.

EUA: Desaparecidas por ao menos uma década são encontradas

Katie Beers: Após 20 anos, ex-refém relata que sequestro salvou sua vida

O esqueleto de JoAnn Nichols, que morreu aos 55 anos, foi encontrado em posição fetal, amarrado com uma corda e envolvido em um saco plástico na cidade de Poughkeepsie, a 100 km de Nova York.

Um exame pós-morte concluiu que a morte foi causada por um golpe na cabeça. O caso está sendo investigado como homicídio.

Seu marido, James Nichols, morreu de causas naturais em dezembro, aos 82 anos.

Bilhete

Autoridades locais haviam expedido uma ordem para que a casa de Nichols fosse esvaziada depois que nenhum parente entrou com pedido para herdar a propriedade.

Nos EUA: Família oferece US$ 30 mil por restos mortais de avó roubados

Na sexta-feira, um pedreiro encontrou os restos mortais da professora, que foi identificada pela arcada dentária.

Na época do desaparecimento da mulher, Nichols teria dito aos investigadores que viu JoAnn pela última vez antes de sair para o trabalho, em dezembro de 1985.

TV iG: Polícia encontra ossada que pode ser de Eliza Samúdio

Ele disse também que havia encontrado um bilhete quando voltou para casa. Na ocasião, um dos detetives teria dito ao Poughkeepsie Journal que a nota sugeria "um certo grau de depressão, mas que não considerava o caso como suicídio".

Uma das linhas da investigação na época era a de que JoAnn teria desaparecido porque estava deprimida desde que a filha, de 25 anos, morrera afogada três anos antes.

Nichols ainda teria dito ao jornal que sua mulher teria ligado para ele na véspera do Natal para dizer que estava bem, mas desligou quando ele perguntou onde estava.

O investigador Paul Lecomte disse na terça-feira que "há várias perguntas sem respostas a respeito do marido".

Leia tudo sobre: professoracrimemorteeua

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas