Economia decadente e problemas na área da segurança estimularam protestos em todo o Egito no domingo

BBC

Manifestantes no Egito atacaram a sede do partido Irmandade Muçulmana , no Cairo, nos maiores protestos desde a revolução que levou à queda do ex-presidente Hosni Mubarak , em 2011.

Cairo: Manifestantes invadem sede da Irmandade Muçulmana

Leia mais: Protestos da oposição reúnem milhares no Egito

Eles culpam o governo pela economia decadente e problemas na área de segurança e pedem a renúncia do presidente Mohammed Morsi, eleito há um ano.

Mais: EUA recomendam evitar viagens ao Egito após morte de americano

Segundo o correspondente da BBC no Cairo, Aleem Maqbool, os milhares de egípcios que tomaram as ruas de várias cidades no domingo se sentem traídos por um presidente que, segundo eles, está governando de acordo com os interesses exclusivos de seu partido.

Assista ao vídeo:

O porta-voz da presidência, Omar Amer, disse que o presidente está aberto ao diálogo e pronto a ouvir as reivindicações dos que pedem sua saída.

Morsi disse já ter convidado grupos da oposição para negociar, mas alega que até agora eles não cooperaram. Partidários do governo dizem que, apesar dos problemas que o país enfrenta, o presidente deve completar seu mandato para garantir a estabilidade política do país.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.