'Somos todos vítimas', diz piloto de balão que caiu na Capadócia

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo o português Rodrigo Neves, acidente em que três brasileiras morreram foi causado pela 'distração' de balonista que voava por cima

BBC

Arquivo pessoal
Neves diz não ter recebido comunicação de piloto que sobrevoava seu balão na Capadócia, onde colisão matou três turistas brasileiras

O piloto do balão que caiu na Capadócia na semana passada, matando três brasileiras e deixando outros 22 feridos, diz acreditar que ele e os passageiros foram "vítimas de uma infeliz tragédia", ocasionada por "distração" do balonista que voava por cima.

Itamaraty: Brasil ainda aguarda liberação da Turquia para repatriar corpos de brasileiras

Antonio Salgado: Embaixador vai à Capadócia para repatriação dos corpos de brasileiras

Em entrevista por e-mail à BBC Brasil, o português Rodrigo Neves, que ainda tem dificuldades para falar por causa dos ferimentos que sofreu na boca, afirmou que o acidente foi o primeiro "em 16 anos de experiência profissional". Ele teve alta do hospital na sexta-feira de 24 de maio.

"Tenho claro que esse acidente não tinha de ter acontecido e era totalmente evitável. Aconteceu por total distração do piloto que voava por cima", afirmou. "Mas o pior já passou e agora toca a todos ser fortes e nos recuperar das feridas do acidente. Entre passageiros e piloto somos todos vítimas desse infeliz acidente e temos de nos manter unidos e confiantes na nossa recuperação física e psicológica."

Há uma semana, um balão com turistas brasileiros, espanhóis e argentinos caiu na região da Capadócia, na Turquia, ponto de encontro internacional de balonismo. Três brasileiras morreram no acidente.

Segundo Neves, o balão voava a uma altitude de cerca de 500 metros do solo quando foi atingido no topo pela cesta de outro balão "sem qualquer pré-aviso". A colisão teria provocado um rasgo de 15 metros no tecido, de acordo com o piloto.

"Como consequência, nosso balão perdeu parte do ar quente que o sustentava e começou a descer sem parar. Acabamos por bater no chão na vertical a uns 50 km/h", relembra. Neves diz que "tudo aconteceu em poucos segundos".

Leia também: Brasileiros feridos na Capadócia recebem visita de funcionários da embaixada

Ao perceber que o balão despencava, ele afirma ter ligado os dois queimadores "para compensar a perda de ar quente e tentar travar a descida". Logo em seguida deu instruções a todos os passageiros. A recomendação, segundo o piloto, era ficar com os joelhos flexionados e segurar nas cordas com as duas mãos.

"Dei instruções a todos os passageiros para se preparar para o inevitável embate no solo e tentar se proteger ao máximo de possíveis ferimentos. Todos participaram e obeceram às instruções."

A versão de Neves contrasta com a da brasileira Vera Monteiro, que estava no balão. Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, ela afirmou que, quando questionou o piloto sobre o que tinha acontecido momentos após a colisão, Neves teria dito que "não tinha acontecido nada".

Monteiro, entretanto, confirmou ao jornal as recomendações dadas por ele. "Depois ele (Neves) mandou a gente abaixar e segurar nas argolas (na parte interna do cesto)".

'Distração'

Neves diz que houve "distração" do piloto que voava por cima e provocou a colisão, uma vez que, segundo ele, o balão que voa por cima tem o dever de avisar por rádio ou manter-se a uma distância segura do que voa por baixo.

"Os balões que estão por baixo de outros não têm qualquer visibilidade para cima, pois seu próprio balão tapa sua visão vertical. Por isso o balão de cima tem de reagir e informar o balão de baixo do possível perigo", afirmou.

"Quero acreditar que o piloto do balão de cima estava distraído e nem sequer percebeu que se aproximava de um balão que voava por baixo dele. Por isso não fui chamado pelo rádio nem o balão voando sobre mim fez qualquer tentativa para evitar a colisão", acrescentou.

Na semana passada, em entrevista à BBC Brasil, o dono da empresa Anatolian Balloons, que operava o balão pilotado por Neves, já havia recorrido ao mesmo argumento e isentado o piloto de culpa.

Balões só possuem dirigibilidade vertical; sua direção é definida pelos ventos. Por essa razão, regras internacionais preveem que a preferência é de quem voa por baixo, uma vez que o piloto não consegue enxergar o que está sobre ele.

Neves afirma que já se encontrou com todos os passageiros do balão que ainda estão internados para "dar-lhes todo o apoio necessário". "A empresa (Anatolian Ballons) também está ajudando financeiramente a trazer familiares dos passageiros acidentados dos seus países aqui para a Turquia."

Leia tudo sobre: turquiacapadóciabalõesbrasileiros no exterior

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas