Encapuzados: a face violenta dos protestos no Chile

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Governo quer endurecer leis contra desordem e vandalismo para coibir ação de grupos que agridem policiais e a jornalistas durante as manifestações no país

BBC

Eles aparecem em quase todas as manifestações na capital chilena, Santiago, e jogam pedras, coquetéis molotov, e até mesmo ácido, na polícia. Eles grafitam as paredes da cidade e atacam jornalistas que tentam filmar ou fotografar suas ações.

Eles são "os encapuzados", grupos de jovens que se tornaram figuras constantes nos protestos que têm agitado a sociedade chilena nos últimos dois anos.

Desde 2011: Estudantes protestam no Chile por melhores condições na educação

AP
Manifestantes correm de jatos de água no prédio do congresso onde presidente Sebastián Piñera fez pronunciamento no Chile (21/5)

Leia também: "Hoje no Chile nada é mais importante que educação", diz professor

Nesse período, estudantes realizaram dezenas de protestos em todo o país. Ambientalistas, ativistas dos direitos dos homossexuais, mineiros, e membros de comunidades indígenas do Chile também foram às ruas para expressar suas queixas.

A grande maioria dos manifestantes se comportam de forma pacífica, mas muitas vezes os protestos terminam em violência. Pequenos grupos de jovens encapuzados enfrentam os policiais, que respondem com gás lacrimogêneo, cassetetes e canhões de água. Milhares de  foram presos e centenas foram feridos.

A mídia tende a se concentrar mais na cobertura dos confrontos do que nas marchas pacíficas que os precedem. Como resultado, as questões em jogo - o meio ambiente, a igualdade de gênero, os direitos indígenas e, sobretudo, a educação - muitas vezes são esquecidas, e o debate acaba se concentrando em táticas policiais e a lei e ordem.

Saiba mais: Polícia expulsa estudantes que ocupavam prefeitura de Santiago

Os líderes do movimento estudantil estão bem conscientes disso. As pesquisas de opinião mostram que, apesar de muitos chilenos apoiarem as demandas dos manifestantes para a reforma da educação, eles desaprovam a violência e o vandalismo que acompanham as marchas.

"O importante para nós é continuar falando sobre a educação", diz Andres Fielbaum, presidente da união dos estudantes da Universidade do Chile. "Temos que lembrar que aqueles que causam a violência são menos de 1% dos participantes das marchas".

Apesar de isso ser verdade, o "menos de 1%" tem um impacto desproporcional na mídia, e mancha a reputação de todo o movimento.

'Luta direta contra o sistema'

Quem são os encapuzados e o que eles querem?

Gabriel Salazar, um historiador de esquerda e professor universitário que tem acompanhado os protestos dos últimos dois anos, identifica dois subgrupos dentro de suas fileiras. "A grande maioria vem de bairros pobres de Santiago e está na faculdade, muitos deles em escolas técnicas", diz ele.

Leia mais: Líder estudantil chilena diz que ideias valem mais que sua beleza

AP
Manifestante corre após polícia disparar bombas de gás lacrimogêneo em Valparaíso, Chile (21/5)

"Eles vêm de comunidades com uma longa tradição de protestos, desde a época da ditadura de Pinochet. Protesto violento é quase uma rotina para eles."

Mas Gabriel também identifica um segundo grupo, menor, que vem de uma classe social mais alta, e recentemente se converteu a táticas mais violentas. Ele diz que eles são anarquistas envolvidos em uma "luta direta contra o sistema".

Bandeiras com as cores anarquistas preto e vermelho são visíveis em muitas das marchas. "O anarquismo tem crescido em muitas universidades chilenas, incluindo esta", diz Alberto Mayol, sociólogo da Universidade do Chile, se referindo à faculdade em que leciona, uma das mais prestigiadas do Chile.

Chile: Estudantes se jogam em rio durante confrontos com a polícia

Alberto vê uma linha de descendência direta entre os manifestantes anti-Pinochet dos anos 1980 para os ativistas estudantis de hoje. "O que estamos vendo agora é o fim do fim da era pós-ditadura", diz ele.

A violência não é restrita às manifestações estudantis. A passeata do Dia do Trabalho terminou em violentos confrontos no centro de Santiago: 141 foram presos e 42 policiais feridos.

A polícia não é o único alvo. Bancos, farmácias e redes de fast food têm sido atacados. Os encapuzados também não veem com bons olhos a mídia, considerada "burguesa".

No Dia do Trabalho, eles atacaram a van do canal de televisão chileno Canal 13, ferindo um motorista e um cinegrafista. Durante uma manifestação estudantil no dia 8 de maio, eles agrediram um jornalista da CNN.

NYT: Estudantes chilenos pressionam por reforma com beijaços e danças

Os objetivos dessa violência são difíceis de avaliar. Alguns parecem estar lutando pela revolução, enquanto outros parecem estar lutando apenas por diversão. Sociólogos dizem que muitos são jovens revoltados, marginalizados pela modelo econômico capitalista do Chile, que trouxe prosperidade, mas deixou alguns de seus cidadãos vulneráveis aos caprichos do mercado livre.

Repressão Legal

Então, o que pode ser feito para acabar com a violência? O governo diz que é necessária uma nova legislação. Um projeto de lei foi enviado ao Parlamento para endurecer penas a delitos de desordem pública.

Se o projeto for aprovado, qualquer um considerado culpado de protesto violento terá sua sentença aumentada se tiver também coberto o rosto impedindo sua identificação pela polícia.

Agosto de 2011: Protestos estudantis no Chile deixaram mais de 550 detidos, diz governo

O projeto de lei é polêmico e tem sido criticado por grupos de defesa de direitos humanos, incluindo a Anistia Internacional. Manifestantes pacíficos dizem que muitas vezes são obrigadas a cobrir o rosto para se proteger do gás lacrimogêneo da polícia.

"O Estado não pode controlar o que as pessoas vestem ou usam durante as manifestações", diz Ana Piquer, diretora-executiva da Anistia Internacional no Chile. "Isso é liberdade de expressão."

Os alunos acusam a polícia de usar gás lacrimogêneo e canhões de água indiscriminadamente. Nos últimos confrontos, a polícia disparou paintballs contra manifestantes para tentar identificá-los. Várias pessoas foram atingidas no rosto e pelo menos um homem perdeu a visão em um olho como resultado.

No início desse mês, um juiz acusou a polícia de usar "métodos semelhantes aos de uma ditadura" durante os protestos - palavras carregadas dada a história do Chile.

O político da oposição Gabriel Silber traçou um paralelo entre as táticas empregadas pela polícia e as utilizadas durante a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990).

AP
Manifestante atira pedra contra carro da polícia durante protesto em Valparaíso, Chile (21/5)

A cara da cidade mudou

Apesar disso, há alguns sinais de que a cooperação entre a polícia e o movimento estudantil esteja melhorando. Depois da manifestação de 8 de maio, o chefe do governo regional de Santiago, Juan Antonio Peribonio, elogiou os esforços de estudantes para policiar sua própria marcha.

Mas os violentos confrontos ainda assombram muitos moradores de Santiago. A cara da cidade mudou desde 2011. Há mais pichações e muitas ruas já não têm mais placas. Elas foram arrancadas pelos manifestantes e atiradas contra a polícia.

Leia tudo sobre: chileprotestos no chileencapuzadosestudantesmanifestaçãopiñera

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas