Vice-presidente dos Estados Unidos virá ao Brasil no final do mês

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Em mais uma aceno do governo americano à América Latina, Biden viajará ao Brasil e a outros países da região na semana de 26 de maio

BBC

Em mais uma aceno do governo americano para a América Latina, o governo dos EUA confirmou nesta quarta-feira que o vice-presidente do país, Joe Biden, viajará ao Brasil e a outros países da América Latina na semana do dia 26 de maio.

Saiba mais: Relembre a viagem de Obama ao Brasil em 2011

AP
O vice-presidente dos EUA, Joe Biden, chega ao Capitólio, em Washington (foto de arquivo)

Ao iG em 2011: ‘Pragmatismo de Dilma é essencial para EUA', diz embaixador dos EUA

Uma nota divulgada pela vice-presidência americana diz que Biden viajará para Brasil, Colômbia e Trinidad e Tobago, onde se encontrará com líderes para "uma ampla discussão de temas bilaterais e regionais."

"No Brasil, ele (Biden) espera ter a oportunidade de se encontrar com a presidente (Dilma) Rousseff e o vice-presidente (Michel) Temer e discutir formas de aprofundar nossa parceria econômica e comercial e ampliar nosso envolvimento em um ampla gama de temas bilaterais, regionas e globais que conectam os dois países."

"Essa viagem será uma chance importante de discutir nossos esforços coletivos para promover crescimento econômico, acesso a fontes energéticas e nossa colaboração contínua para a segurança dos cidadãos", diz a mensagem.

Oportunidades

Durante discurso em uma conferência promovida pelo Departamento de Estado em Washington, Biden informou também que os EUA receberão visitas dos chefes de Estados de Peru e Chile em junho e que outros líderes latino-americanos serão recebidos em Washington até o fim do ano.

"Considerando tudo, teremos o mais longo período de engajamento de alto nível com a América Latina em muito, muito tempo", disse Biden. "Porque há tantas oportunidades e tanto a fazer (conjuntamente)."

O discurso de Biden se insere no contexto de uma tentativa de aproximação da Casa Branca com os países latino-americanos - concomitantemente a uma tentativa de "mudar o discurso" para centrar em áreas de maior cooperação econômica.

No calendário bilateral com o Brasil, existe um forte movimento para possibilitar uma visita da presidente Dilma a Washington até o fim do ano. Além disso, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, busca um espaço na agenda para se encontrar com o chanceler Antonio Patriota em Brasília.

Olhando para o sul

Na semana passada, o presidente Barack Obama visitou o México e a Costa Rica, aproveitando, em sua última escala, um encontro regional para se reunir com diversos líderes centro-americanos. Em ambas as ocasiões, deixou de lado o discurso da guerra contra as drogas para se focalizar em relações econômicas e sociais que unem os países do continente.

"Muito mudou (na América Latina) nos últimos 40 anos", disse Biden. "No México, o presidente Obama se encontrou com o presidente (Enrique) Peña Nieto, que preside um país que tem uma maioria de classe média hoje. Na Costa Rica, encontrou-se com líderes de países onde eleições democráticas já não são a exceção, mas a regra", ressaltou. "Agora é hora de buscarmos, o presidente e eu, um envolvimento mais profundo no hemisfério."

Leia tudo sobre: euabrasilbidenamérica latinadilma rousseff

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas