Legenda de extrema direita Jobbik protesta contra realização em Budapeste, no domingo, de Congresso Mundial Jucaico, com argumento de que judeus tentam 'comprar Hungria'

BBC

O partido húngaro de extrema direita Jobbik reuniu centenas em uma manifestação contra a realização, em Budapeste, do Congresso Mundial Judaico (WJC). O congresso está previsto para este domingo.

2012: Ataques antissemitas põem França em alerta contra islamismo radical

Centenas de partidários da legenda de extrema direita Jobbik fazem marcha antissemita em Budapeste, Hungria
Reuters
Centenas de partidários da legenda de extrema direita Jobbik fazem marcha antissemita em Budapeste, Hungria

Renúncia: Omissão com neonazistas derruba chefe da espionagem alemã

Rede social: Twitter bloqueia perfil de grupo neonazista na Alemanha

Segundo o Jobbik, o objetivo do protesto era chamar atenção para o que seus integrantes dizem ser uma "tentativa dos judeus de comprar a Hungria". O Jobbik é o terceiro maior partido no Parlamento húngaro e promete "proteger os valores e interesses" do país. Ele emite declarações antissemitas com alguma frequência.

"Os conquistadores israelitas, esses investidores, devem procurar outro país do mundo, porque a Hungria não está à venda", disse o presidente do partido, Gabor Vona, de acordo com a agência de notícias Reuters.

No ano passado, Gyongyosi provocou indignação ao defender que todos os funcionários do governo de origem judaica deveriam ser identificados porque poderiam representar um "risco para a segurança nacional".

Dor: Filhos e netos de nazistas relatam trauma de lidar com passado sombrio

Alguns dos presentes na manifestação deste sábado usavam o uniforme preto do Guarda Húngara, o banido grupo paramilitar do Jobbik, acusado de atacar comunidades ciganas.

O primeiro-ministro Viktor Orban havia ordenado que a polícia proibisse a manifestação, mas um tribunal de Budapeste anulou a proibição, alegando que ela teria por base "presunções infundadas".

Um esquema de segurança foi montado para evitar episódios de violência durante o protesto. O WJC em geral acontece em Jerusalém, mas os organizadores do evento optaram por realizá-lo na Hungria este ano para chamar atenção para o que dizem ser uma crescente onda de antissemitismo na Europa.

O tema em debate este ano será o "aumento alarmante de partidos políticos neonazistas e incidentes antissemitas em vários países europeus, incluindo a Hungria". Calcula-se que 500 mil de judeus húngaros tenham sido mortos no Holocausto.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.