Vitória de Cartes marca retorno de colorados no Paraguai

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Criado em 1887 pelo ex-presidente e herói da Guerra do Paraguai Bernardino Caballero, o Partido Colorado governou o Paraguai de forma ininterrupta de 1947 a 2008

BBC

Houve uma época em que, para ganhar as eleições no Paraguai, os candidatos precisavam preencher um pré-requisito essencial: ser filiado ao Partido Colorado. "Se essa garrafa d'água fosse o candidato colorado, seria eleita", chegou a declarar, em 2003, o então candidato do partido e futuro presidente paraguaio, Nicanor Duarte, em entrevista a um jornal brasileiro.

Domingo: Candidato da oposição, Horacio Cartes vence eleições no Paraguai

JORGE ADORNO/REUTERS/Newscom
Horacio Cartes foi eleito presidente do Paraguai no domingo (21)

Perfil: Saiba quem é Horacio Cartes, milionário eleito novo presidente do Paraguai

Quando o candidato de centro-esquerda Fernando Lugo venceu as eleições presidenciais, em abril de 2008, sua vitória foi celebrada pela oposição paraguaia como o fim dos 61 anos dessa hegemonia colorada. Anos depois, porém, o impeachment de Lugo seguido da recente eleição de Horácio Cartes à presidência mostram que os colorados continuam no centro da política do país.

Criado em 1887 pelo ex-presidente e herói da Guerra do Paraguai Bernardino Caballero, o Partido Colorado governou o Paraguai de forma ininterrupta de 1947 a 2008, período que inclui a ditadura de Alfredo Stroessner (1954 a 1989), responsável pelo desaparecimento de milhares de dissidentes. Em algumas eleições, esse foi o único partido autorizado a concorrer. Em outras, seu pesado maquinário eleitoral se encarregou de assegurar a vitória.

Estratégias

Para garantir seu domínio sobre a sociedade e a política do país, o Partido Colorado lançava mão de farta distribuição de cargos públicos e benesses para a população rural, além do cerceamento de opositores e dissidentes. "Um colorado vota em um colorado, mesmo que seja o Pato Donald", declarou em 1998 Luis María Argaña, importante líder político do partido que se tornaria vice-presidente.

Na época, o general Lino Oviedo, candidato do partido à presidência, fora impedido pela Justiça de participar das eleições por ter promovido um golpe anos antes. Raúl Cubas, o novo candidato, teve apenas 20 dias para fazer campanha - e ainda assim levou a presidência.

A verdade, porém, é que, desde 1993, com a eleição do primeiro presidente civil depois da ditadura - Juan Carlos Wasmosy -, os colorados haviam começado a perder eleitores. Em 2003, por exemplo, Duarte venceu com apenas 37% dos votos e o partido conseguiu só 37 das 80 cadeiras da Câmara dos Deputados e 16 dos 45 assentos do Senado.

Foi nesse contexto que a vitória de Lugo foi interpretada como a consolidação do "declínio colorado". Mas a vitória de Cartes com 45,91% dos votos, frente aos 36,84% conquistados pelo adversário Efraín Alegre, do Partido Liberal Radical Autêntico (PLRA), de centro-direita, parece ser uma prova de que o partido ainda tem fôlego para se reerguer.

Leia tudo sobre: paraguaieleição no paraguaicartespartido colorado

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas