'Não sabíamos para onde era seguro ir', diz brasileira em Boston

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Gaúcha afirma que nem policiais sabiam como agir após explosões: "Teve um momento em que um policial ficou gritando 'vão para casa, ninguém sabe o que está acontecendo aqui'"

BBC

Por volta de 14 horas desta segunda-feira (15h em Brasília), a gaúcha Mariana Mendoza publicou na rede social Instagram uma foto que mostrava uma grande multidão na rua Boylston, região central de Boston, nos EUA. "Cidade lotada! Todo mundo na rua para ver a maratona", escreveu a estudante, pouco mais de 40 minutos antes de duas explosões atingirem o evento.

Ataque: Explosões na maratona de Boston deixam mortos e feridos nos EUA

AP
Corredor de 78 anos é protegido por polícia após cair durante segunda explosão perto de linha de chegada da Maratona de Boston

Por pouco: Estudante dos EUA escapa de explosões em Boston por cinco minutos

Morando nos EUA há nove meses, Mariana havia reservado a segunda para assistir à tradicional prova de atletismo. A maior parte do tempo ficou em um local a pouco mais de 1,6 quilômetro de distância da linha de chegada, que acabaria sendo o palco das duas explosões.

Perto do final da prova, no entanto, ela e a amiga tentaram se aproximar da parte final do trajeto. "No princípio, a gente estava em um ponto que era a uma milha de distância do final da maratona. Aí, começamos a caminhar ao longo do trajeto, mas, perto da linha de chegada havia muita, muita gente. As calçadas estavam impossíveis de andar", contou a engenheira de computação que cursa um doutorado no MIT (Massachusetts Institute of Technology).

Obama: Responsáveis por explosões em Boston responderão à Justiça

Explosões

Ela e a amiga ainda tentaram chegar ao local dando voltas nos quarteirões próximos, mas acabaram desistindo e sentando-se para almoçar em um restaurante a pouco mais de uma quadra de distância da linha de chegada da maratona. Foi quando ouviram a primeira explosão.

"Conversávamos e ouvimos um estrondo, tremeu tudo e o pessoal do restaurante já ficou em alerta. Todo mundo parou de comer", afirma Mariana. Ela diz que, na hora, pensou que pudesse ter havido um desabamento nas proximidades. "Daí a pouco houve outro estrondo e todo mundo se levantou e saiu correndo do restaurante. A maioria, obviamente, nem pagou a conta. Havia muita gente correndo na rua."

Tensão: Cidades americanas e Londres aumentam segurança após explosões em Boston

Sem entender o que acontecia, Mariana e amiga ficaram paradas em uma rua paralela à rua Boylston, onde ocorria a maratona. Elas viram a chegada dos primeiros carros de polícia, bombeiros e ambulâncias para socorrer os feridos.

Veja imagens dos ataques de Boston:

Memorial improvisado com par de tênis de corrida é visto em campus de Universidade de Boston após identificação de estudante como um dos mortos em ataque de segunda (17/04). Foto: APInvestigador do FBI desce em guindaste com uma bolsa recolhida do alto de um prédio próximo ao local onde houve explosões na Maratona de Boston (17/04). Foto: APInvestigadores vasculham área perto de linha de chegada de Maratona de Boston dois dias depois de explosão de bombas (17/04). Foto: APFotos da cena das explosões da Maratona de Boston tirada por investigadores mostram os restos do explosivo (17/04). Foto: ReutersLizzie Lee, 56, que participava de sua primeira Maratona de Boston, segura vela e flor durante vigília por vítimas de ataque (16/04). Foto: APHomem coloca bilhete com flores em barricada de polícia perto da linha de chegada da Maratona de Boston (16/04). Foto: APInvestigadores numeram vidros destruídos e destroços em local da explosão de primeira bomba na Maratona de Boston (16/04). Foto: APVizinhos sentam do lado de fora de casa de pais de Krystle Campbell, que foi morta no ataque em Boston (16/04). Foto: APCorredor de 78 anos é protegido por polícia após cair durante segunda explosão perto de linha de chegada da Maratona de Boston (15/04). Foto: APHomem caminha com as calças rasgadas após explosões na Maratona de Boston (15/04). Foto: APSegunda bomba explode perto de linha de chegada da Maratona de Boston (15/04). Foto: APCom roupas de proteção, investigadores vasculham área afetada por explosão perto de linha de chegada na Maratona de Boston (15/04). Foto: APPessoas correm após explosões na Maratona de Boston (15/04). Foto: APPolicial leva garoto ferido de cadeira de rodas após explosões durante a maratona de Boston, nos EUA (15/04). Foto: APCriança chora após explosões atingirem maratona de Boston, nos EUA (15/04). Foto: ReutersCorredoras reagem após segunda explosão atingir maratona de Boston, nos EUA (15/04). Foto: APAtleta cai e recebe ajuda após segunda explosão em Boston (15/04). Foto: APNo Salão Oval, presidente dos EUA, Barack Obama, fala ao telefone com diretor do FBI, Robert Mueller, sobre as explosões em Boston (15/04). Foto: Casa Branca/Governo dos EUA/Mulher conforta outra aparentemente ferida após explosões na maratona de Boston, EUA (15/04). Foto: ReutersMédicos auxiliam feridos após explosões atingirem maratona de Boston, nos EUA (15/04). Foto: APMédicos auxiliam feridos na linha de chegada da maratona de Boston após explosões (15/04). Foto: APReprodução da TV WBZ mostra fumaça decorrente das explosões que atingiram maratona de Boston, nos EUA (15/04). Foto: APMédicos ajudam feridos após explosões perto da linha de chegada da maratona de Boston, EUA (15/04). Foto: AP

Cenário: 'Explosões deixaram vários amputados', diz corredor da maratona de Boston

"Na verdade, a gente ainda ficou um tempo lá para saber o que acontecia. Não sabíamos para aonde era seguro ir", diz a engenheira. Segundo ela, nem os policiais pareciam saber o que acontecia. "Até que teve um momento em que um policial, que já estava tenso, ficou gritando 'vão para casa, ninguém sabe o que está acontecendo aqui'."

Com a cidade cheia de bloqueios e o transporte público suspenso, ela e a amiga tiveram de continuar caminhando até Cambridge, cidade ao lado de Boston, onde moram. A caminhada levou cerca de 40 minutos.

No caminho, amigos e parentes que haviam visto a foto publicada no Instagram ligavam e mandavam mensagens para saber se estava tudo bem. Nas ruas, se deparavam com pessoas procurando entes queridos que estavam na maratona e reencontros "emocionantes". "É uma situação que a gente não imaginava que fosse passar aqui", diz.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas