Comissária de polícia britânica renuncia após publicações racistas no Twitter

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Primeira comissária para a juventude, Paris Brown, 17 anos, foi alvo de críticas por mensagens publicadas por ela na rede de microblogs quando tinha 14 anos

Reprodução
Paris Brown, 17 anos, renunciou ao cargo no Reino Unido

BBC

A primeira comissária de polícia para a juventude no Reino Unido Paris Brown, 17 anos, renunciou ao cargo após a polêmica causada por comentários supostamente racistas e homofóbicos feitos em sua conta de Twitter quando ela tinha entre 14 e 16 anos.

Leia também: Pequena cidade no Kentucky adota lei anti-homofobia

Polêmica: Soldado israelense publica foto com criança palestina sob mira de arma

Em um desses comentários, Paris teria dito que, quando está bêbada, é alegre e inclusiva ou, mais frequentemente, antissocial e racista. Em um outro tuíte, usando palavrões, ela diz que todos no elenco de um programa de TV britânico parecem ser gays.

Paris negou ser racista ou homofóbica e pediu desculpas a quem possa ter ofendido ao anunciar que deixaria o cargo nesta semana. A jovem no centro da polêmica foi descrita por alguns como vítima de um processo falho de seleção da polícia do condado de Kent e também de uma atenção indevida da mídia para uma adolescente que faz parte de uma geração que vive boa parte da vida online.

África do Sul: Documentário mostra acampamento que 'ensina racismo'

Leia também: Líder de extrema-direita é julgado por racismo na Holanda

Paris é alvo agora de uma investigação que tentará determinar se cometeu crime de racismo ou homofobia com os comentários online. O caso, que ganhou destaque na imprensa britânica, chama atenção para questões de privacidade na internet, principalmente, quando dizem respeito a menores de idade.

A União Europeia (UE), por exemplo, discute uma proposta de lei conhecida como "direito ao esquecimento". Segundo a proposta, indivíduos poderiam solicitar a empresas de redes sociais como o Twitter para que seus todos os seus dados fossem retirados dos servidores.

Estas empresas teriam de acatar tais pedidos, a não ser que alegassem haver razões "legítimas" para não fazê-lo. Uma porta-voz da Comissão de Justiça Europeia, Viviane Reding, disse à BBC que a proposta, divulgada no ano passado, foi criada pensando nos jovens.

Paris Brown encerrou sua página no Twitter após o escândalo, mas os posts polêmicos, que incluem ainda referência a uso de drogas e sexo, continuam disponíveis em outras plataformas.

'Exagero'

O caso teve grande repercussão pois a jovem foi a primeira a ocupar o recém-criado cargo - no condado de Kent - para funcionar como uma espécie de ponte entre a polícia local e os jovens.

Em um comunicado oficial antes da renúncia, Paris Brown negou ser racista, homofóbica, pró-violência ou de fazer apologia das drogas. Ela diz que seus tuítes foram "estúpidos e imorais".

"Se sou culpada de alguma coisa, é de ter me exibido e de exagerar coisas no Twitter, e estou com muita vergonha de mim mesmo, mas não posso imaginar que fui a única adolescente a ter feito isso", comentou.

Ao fazer comentários públicos sobre o caso, na segunda-feira, Paris Brown chegou a chorar diante das câmeras.

Em defesa da jovem, a comissária de polícia afirmou que ''jovens cometem erros". "Os tuítes foram "uma desgraça, ela (Paris) está envergonhada e eu estou envergonhada por ela", disse Ann Barnes. "A única desculpa que darei é que ela escreveu os comentários em sites de redes sociais quando tinha entre 14 e 16 anos e jovens cometem erros".

Leia tudo sobre: reino unidotwitterpolíciaracismohomofobia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas