Estupro e assassinato brutal de jovem chocam Equador

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Cinco foram presos após morte de Karina del Pozo, de 20 anos, em caso que teve ampla repercussão nas mídias sociais

BBC

Arquivo pessoal
Estupro e assassinato de Karina Del Pozo choca Equador

O brutal estupro e assassinato de uma jovem de 20 anos chocou o Equador e chamou a atenção sobre o problema da violência contra a mulher no país. O corpo de Karina del Pozo foi encontrado com sinais de golpes na cabeça e de estrangulamento após uma busca de vários dias realizada por seus familiares.

NYT: Estupro coletivo de indiana expõe descaso de Nova Délhi com mulheres

Nova Délhi: Estupro coletivo em ônibus causa comoção na Índia

Cinco jovens que participaram de um evento social com Karina na noite do crime estão presos. Segundo depoimentos prestados às autoridades e vazados para a imprensa, acredita-se que três deles tivessem ligação direta com o crime.

Leia mais: Turista suíça é vítima de estupro coletivo na Índia

Análise: Estupro leva Índia a exame de consciência em busca de respostas

O jornal equatoriano El Universal diz que um dos acusados, identificado como Geovanny P., teria dito a seus amigos ''querem ver como se mata uma prostituta?'' e, em seguida, começado a golpear a cabeça da jovem.

O caso teve ampla repercussão, entre outros motivos, por sua ampla difusão pelas redes sociais do país. A família de Karina del Pozo, morta em Quito no dia 20 de fevereiro, tem organizado várias passeatas desde sua morte como forma de protesto e conscientização para o problema da violência contra a mulher no país.

Nos EUA: 'Estupro é estupro. É crime', diz Obama

José Luis del Pozo, primo de Karina, acredita que a divulgação do caso pelas redes sociais e pelos meios de comunicação do país foram importantes para chamar a atenção sobre o problema.

''Acreditamos que este caso padrão servirá para que venham à tona outros casos que estão arquivados'', disse, em entrevista à BBC.

Muitos familiares de outras mulheres assassinadas no país aderiram às manifestações; outras estão sendo planejadas para os próximos dias.

Leia tudo sobre: equadorestuproviolênciamulherdireito da mulher

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas