Imagens mostram dois jovens pendurados pelos pés e golpeados até a morte em uma estação de ônibus após suspeita de que roubaram riquixá e sequestraram duas crianças

BBC

Uma série de vídeos postados na internet mostrando um linchamento de dois jovens vem provocando indignação no Egito. As imagens mostram dois jovens pendurados pelos pés e golpeados até a morte em uma estação de ônibus na cidade de Al-Gharbiyah.

Fevereiro: Vídeo de manifestante agredido e nu causa fúria no Egito

Vídeo:  Polícia do Egito pede desculpas por espancamento

Os dois foram acusados de tentar roubar um riquixá e de sequestrar duas crianças. Mas sem investigação ou julgamento, pouco se sabe sobre o que realmente aconteceu. O pai do jovem Abdul Rahman, 21 anos, diz que foi incapaz de conter a fúria da multidão.

Ele afirma que os linchadores tentaram até mesmo atear fogo à ambulância que levava os corpos e que a polícia não fez nada para impedir o ataque. Muitos moradores justificam o ataque dizendo que vivem no caos e que o linchamento é a única maneira de punir criminosos.

Assista ao vídeo:

Falta de controle

Mohamad Abdel-Qadar Abdallah, governador da província, conta que, antes da revolução contra Hosni Mubarak , as forças de segurança eram usadas como instrumentos de repressão, mas que desde então os egípcios não têm mais medo da polícia e acham que podem lidar com os criminosos do jeito que quiserem.

Tensão: Justiça do Egito confirma pena de morte para 21 torcedores e causa mais protestos

Instabilidade:  Corte do Egito suspende eleição parlamentar prevista para abril

O que ninguém nega é que o linchamento é mais uma demonstração da deterioração da ordem pública e da falta de controle das autoridades. O ministro da Justiça do Egito, Ahmad Mekki, condenou o linchamento, mas há temores de que esse tipo de ataque possa aumentar se prevalecer a posição de vários partidos islâmicos.

Esses partidos defendem a formação de grupos de vigilantes civis para apoiar o trabalho das forças de segurança por acreditar que elas são incapazes de garantir a segurança nas ruas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.