'Empate' em eleições na Itália causa apreensão na Europa

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Divisão de poder do Parlamento entre centro-esquerda e centro-direita derruba mercados e mergulha Europa e zona do euro em nova onda de incertezas

BBC

As eleições parlamentares na Itália terminaram em um 'empate' entre a centro-esquerda e a centro-direita, derrubando mercados e mergulhando a Europa e a zona do euro em uma nova onda de incertezas.

Resultado: Apuração final confirma impasse após eleições parlamentares na Itália

Reuters
Pôsteres do PDL, de Berlusconi, são vistos em Roma

Saiba mais: Entenda as eleições na Itália

O bloco de centro-esquerda liderado por Pier Luigi Bersani ganhou a Câmara dos Deputados, mas não obteve maioria no Senado. A frente de centro-direita liderada pelo ex-premiê Silvio Berlusconi obteve mais votos no Senado do que qualquer outra agremiação política. O controle de ambas as Casas é necessário para governar o país.

O resultado da eleição, que ocorre em meio a uma das piores recessões enfrentadas pela Itália e em meio a um rigoroso pacote de medidas de austeridade fiscal, foi tão apertada que a margem de vitória anunciada pelo Ministério do Interior foi menor do que 1% para ambas as Casas do Parlamento.

Lideranças europeias, que acompanhavam atentamente a votação que poderia definir os rumos da terceira maior economia da zona do euro, reagiram com preocupação. França e Alemanha pediram que a Itália mantenha o curso de reformas e austeridade.

O ministro das Relações Exteriores da Espanha, José Manuel García-Margallo, disse estar "extremamente preocupado" com as consequências financeiras do pacote de medidas de austeridade fiscal para o país mediterrâneo. "Trata-se de um pulo no abismo que não é bom nem para a Itália ou para a Europa", afirmou, segundo a agência de notícias Reuters.

Cenário: Berlusconi e ascensão de comediante tornam imprevisível eleição na Itália

AP
Fotógrafos registram momento em que líder do Partido Democrata, Pier Luigi Bersani, deposita voto em Piacenza, Itália (24/02)

Ao redor do mundo, os principais índices do mercado financeiro apontavam queda tão logo os resultados das eleições ficavam mais claros.

Comédia

O desempenho mais surpreendente da eleição foi de uma chapa antiausteridade liderada pelo comediante Beppe Grillo, o Movimento 5 Estrelas, que obteve 25,54% dos votos, consagrando-se como a terceira força da Câmara dos Deputados.

Correspondentes afirmaram se tratar de um êxito extraordinário para esse humorista genovês, cujos comícios ao redor do país durante o período eleitoral, despejando insultos contra uma desacreditada classe política, refletiram-se em um excelente desempenho nas duas Casas.

"Começamos uma guerra de gerações", disse Grillo. "Eles são todos perdedores; eles vêm governando este país nos últimos 25 a 30 anos e nos levaram à catástrofe."

Enquanto isso, o bloco coordenado pelo atual premiê, Mario Monti, obteve uma longínqua quarta colocação, com 10% dos votos. "Todos sabem que hoje o país terá de enfrentar uma situação muito delicada", disse o líder de centro-esquerda Bersani enquanto os últimos votos eram apurados.

Manobra: Berlusconi envia pelo correio promessa de restituir impostos

Reuters
Líder do Movimento 5 Estrelas, o comediante Beppe Grillo, dá entrevista depois de votar em Gênova, Itália (25/02)

Já o ex-premiê Berlusconi admitiu a derrota para seus opositores na Câmara. Ele disse, entretanto, que será preciso refletir sobre o futuro da Itália a partir de agora, mas descartou a convocação de novas eleições.

Berlusconi acrescentou que não tentará costurar um acordo com o bloco centrista de Monti, e justificou sua decisão ao dizer que o mau resultado do partido do atual primeiro-ministro italiano revela o descontentamento da população com suas medidas de austeridade fiscal.

Com a apuração de todos os votos, o Ministério do Interior informou que o bloco de centro-esquerda de Bersani obteve 29,54% dos votos na Câmara dos Deputados, pouco acima dos 29,18% alcançados pela coalizão de Berlusconi. Com o resultado, o bloco vencedor deverá ter 340 cadeiras na Casa, o que lhe garante maioria.

Os votos de eleitores fora da Itália ainda não foram apurados. Bersani, do bloco de centro-esquerda, também obteve o maior número de votos para o Senado, mas não conseguiu obter as 158 cadeiras necessárias para assegurar maioria absoluta.

Além disso, à medida que assentos adicionais sejam distribuídos com base nos votos regionais, o bloco de centro-direita de Berlusconi deve obter um maior número de cadeiras no Senado.

Em novembro de 2011, Berlusconi, atualmente com 76 anos, deixou o cargo de primeiro-ministro após acusações de mau gerenciamento da economia em meio à dificuldade de a Itália conter sua crise da dívida.

Berlusconi foi sucedido por Monti, que liderou um gabinete de tecnocratas que supervisionaram a implementação de cortes de gastos públicos, medidas impopulares que acabaram impondo sua derrota nas urnas. "Alguns supuseram que conseguiríamos um resultado um pouco melhor, mas estamos satisfeitos com que alcançamos", disse.

Leia tudo sobre: itáliaeleição na itáliaberlusconibersanigrillomonti

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas