Chinesas solteiras 'alugam' namorados para apresentar à família

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Pressionadas, jovens buscam serviços na internet que oferecem companheiros falsos; serviço por dia custa cerca de R$ 100

BBC

Nesta época do ano, milhares de chinesas solteiras se preparam para voltar para a casa dos pais para comemorar o Ano Novo Chinês e em muitos casos é grande a pressão para que levem junto um "companheiro".

As famílias chinesas esperam que as jovens que estão se aproximando da faixa dos 30 anos se casem o quanto antes e a frustração e ansiedade das que nem sequer têm um namorado para levar nas comemorações é grande.

Leia também: Dezesseis milhões de chinesas têm marido gay, diz estudo

Getty Images
Por US$ 50 por dia é possível contratar um jovem que finge ser namorado de uma chinesa solteira


Saiba mais: Chinês oferece R$ 132 milhões para homem que seduzir filha lésbica

Mas para essas chinesas a internet já oferece uma solução inusitada: os "namorados de aluguel" oferecidos em centenas de anúncios de classificados e websites. No site de compras online Taobao, por exemplo, por US$ 50 (R$ 99) por dia é possível contratar um jovem que finge ser namorado de uma chinesa solteira durante suas férias.

Alguns anúncios oferecem uma ampla gama de possibilidades relacionadas a esse "serviço". Por US$ 5 (R$ 9,9) por hora, o "namorado de aluguel" pode acompanhar uma moça em um jantar e por US$ 8 (R$ 15,8) pode lhe dar um beijo na bochecha.

Se o namorado falso tiver de passar a noite com a família de sua cliente para o Ano Novo Chinês, cobra US$ 80 (US$158) por noite para dormir em uma cama própria e US$ 95 (R$188,8) para dormir no sofá. Sexo não é uma opção.

Exemplo

Li Le, um vendedor de produtos agrícolas de Tianjin, é um dos jovens que oferecem seus serviços como namorado de aluguel. Este é o primeiro ano em que ele está tentando trabalhar como "namorado falso" no Ano Novo Chinês em vez de viajar para casa para ver sua própria família, na província de Hebei, no centro da China.

Saiba mais: Apesar de sinalizar abertura, China mantém forte cerco à imprensa

Reflexos: Política do filho único criou chineses mais desconfiados e avessos a riscos

Li diz que não entrou no ramo por dinheiro. "Eu poderia encontrar alguém que compartilha meus interesses, o que faria nós dois felizes", afirma.

Até agora, trinta mulheres entraram em contato com o vendedor, mas ele diz que ainda não encontrou ninguém que confiasse nele suficientemente para convidá-lo para a casa de sua família no Ano Novo Chinês.

Li tem esperanças de que "alguém especial" responderá a seu anúncio. "O melhor resultado para mim seria encontrar alguém para casar."

O vendedor tem de onde tirar inspiração. Uma série de grande sucesso da TV chinesa tem como enredo principal justamente um homem solteiro que se apaixona pela "namorada de aluguel" que contrata para apresentar para a família.

Clientes homens

Alguns homens solteiros também contratam "namoradas" - por exemplo, no caso de gays que não querem que os pais saibam sobre sua orientação sexual.

Medida: China vai acabar com campos de trabalho forçado, dizem autoridades

Mas Zhou Xiaopeng, consultora de relacionamentos, explica que em geral são as mulheres que mais se sentem pressionadas para encontrar um marido. Para ela, essa pressão social para que os jovens chineses casem e constituam uma família a qualquer custo tende a arrefecer com o tempo.

"Quando as pessoas nascidas nos anos 1980 ou 1990 tiverem filhos em idade de se casar, não vão querer que eles sofram a mesma pressão", afirma. "Mas essa mudança deve levar 20 ou 30 anos."

Se Zhou estiver certa, os acompanhantes de aluguel chineses ainda têm algumas décadas para aproveitar esse nicho de mercado.

Leia tudo sobre: chinanamoroaluguelinternetrelacionamentofamíliacasamentotradição

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas