Ministra alemã de Educação terá de devolver diploma por acusação de plágio

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Ao negar ter cometido infração para concluir seu doutorado na Universidade de Dusseldorf, Annette Schavan afirma que recorrerá da decisão e diz que não pretende renunciar

BBC

A Universidade de Dusseldorf, na Alemanha, anunciou que a ministra da Educação do país, Annette Schavan, terá de devolver seu título de doutorado após ser acusada de plágio. Schavan contesta as acusações feitas pela universidade e disse que apelará da decisão. Ela também disse que não pretende renunciar.

2011: Acusado de plágio, ministro alemão da Defesa renuncia

AP
Chanceler alemã, Angela Merkel (E), conversa com a ministra da Educação Annette Schavan no Parlamento em Berlim (13/12/2012)

A decisão da universidade foi tomada após a votação de um colegiado da Faculdade de Filosofia, que concluiu haver plágio. Foram 12 votos a favor, dois contra e uma abstenção. Quando as acusações vieram a publico, há alguns meses, a ministra da Educação negou ter usado citações sem crédito deliberadamente.

O comitê instaurado pela universidade, no entanto, concluiu que Schavan usou "um número substancial de citações sem crédito de outros textos".

Segundo plágio

Não é a primeira vez que um ministro do governo da chanceler (primeira-ministra) Angela Merkel é acusado de plágio. Em 2011, o então ministro da Defesa Karl-Theodor zu Guttenberg renunciou ao cargo após a Universidade de Bayreuth concluir que ele havia cometido plágio em partes de sua tese de doutorado.

No caso da ministra da Educação, as denúncias vieram à tona após revelações de um blog. Schavan, de 57 anos, foi surpreendida pela decisão da Universidade de Dusseldorf durante uma viagem de trabalho à África do Sul.

A ministra é considerada uma amiga próxima de Merkel. O caso pode trazer complicações à campanha eleitoral do partido de Merkel, a União Democrata Cristã (CDU, na sigla em alemão). Merkel tentará ser reconduzida ao poder nas eleições parlamentares marcadas para entre setembro e outubro deste ano.

Leia tudo sobre: alemãministério da educaçãoplágiodusseldorf

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas