Milhares de indianas teriam tido útero retirado sem necessidade

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo denúncias de ativistas, procedimentos seriam realizados por médicos inescrupulosos interessados apenas em ganhar dinheiro

BBC

Milhares de indianas estão tendo seus úteros removidos em operações que ativistas dizem ser desnecessárias. Segundo as denúncias, tais procedimentos seriam realizados por médicos inescrupulosos interessados apenas em lucrar com eles.

Precaução: Contra estupros, partido hindu distribui facas e pimenta para mulheres na Índia

Uma dessas mulheres seria Sunita, jovem de cerca de 25 anos que vive em uma aldeia no Rajastão, no noroeste da Índia. Ela conta que foi para uma clínica médica privada porque vinha sangrando muito durante seu período menstrual.

"Fui internada no mesmo dia, e a operação foi realizada no final da tarde", disse à BBC. "O médico fez uma ultrassonografia e disse que eu poderia desenvolver câncer. Ele me pressionou para que fizesse a histerectomia (operação de retirada do útero) no mesmo dia."

Sunita diz que estava relutante em ser submetida ao procedimento cirúrgico e queria discutir o assunto com seu marido. Argumentando que a operação seria urgente, porém, o médico a enviou para a mesa de cirurgia em questão de horas. O incidente ocorreu há dois anos, mas desde esse dia Sunita diz que se sente fraca demais para trabalhar ou cuidar dos filhos.

Consequências

Mais da metade das mulheres questionadas pela reportagem da BBC na vizinhança da casa de Sunita disse ter se submetido a uma histerectomia. Segundo autoridades locais, 90% das mulheres da aldeia teriam sido submetidas à operação - muitas na casa dos 20 a 30 anos.

Expectativa: Após estupro coletivo brutal, mulheres esperam mudança social na Índia

Elas teriam sido aconselhadas a passar pelo procedimento ao reportar desde anormalidades em seu período menstrual até dores nas costas e sintomas associados a infecções urinárias. Os médicos da região costumam cobrar em torno de US$ 200 (R$ 397) pela cirurgia de retirada de útero. Muitas vezes, para pagar pelo procedimento, as famílias têm de vender seus animais ou outros bens.

O proprietário e principal médico da clínica em que Sunita e outras mulheres da aldeia fizeram histerectomias nega qualquer irregularidade e diz que, ao contrário de outras clínicas da região, a sua seria "ética".

Mas questionado sobre como poderia ter diagnosticado a presença de células pré-cancerosas em uma ultrassonografia, o médico admitiu que às vezes não faz biópsias antes de remover o útero de algumas pacientes.

Outros Estados

Relatos de muitas localidades do Rajastão e de outros Estados indianos, como Bihar, Chhattisgarh e Andhra Pradesh, sugerem que um número grande de mulheres está tendo seus úteros removidos - muitas antes dos 40 anos.

Entenda: Por que a Índia trata tão mal suas mulheres?

Em geral as mulheres dizem que se submetem à cirurgia ao serem alertadas pelos médicos de que, caso contrário, poderiam desenvolver câncer. Em muitos casos, porém, o diagnóstico é feito com base em uma única ultrassonografia - exame que, segundo médicos independentes, não pode justificar a decisão de se levar adiante uma operação desse tipo.

O ativista Narendra Gupta, da organização Prayas (parceira local da conhecida ONG Oxfam), está convencido de que alguns médicos particulares estão cometendo abusos ao realizar tais histerectomias. "As pessoas dizem que em alguns lugares há distritos inteiros sem útero", Gupta diz.

"Parece que os médicos particulares veem isso (a operação) como uma oportunidade para fazer dinheiro rápido com doenças que poderiam ser tratadas de forma mais simples e menos invasiva."

Segunda opinião

Em Jaipur, capital do Rajastão, a ginecologista Vineeta Gupta diz receber em seu consultório sete ou oito mulheres de aldeias da região que procuram uma segunda opinião após receberem indicação para uma histerectomia.

"Nas áreas rurais, os médicos dão um diagnóstico de câncer muito facilmente", diz. "Isso é errado. Quando as pacientes chegam em meu consultório, tenho de explicar que uma infecção não causa câncer. Digo: vamos curar essa infecção e você vai ficar bem. Algumas se convencem, mas outras não porque alguém lhes disse que, se não tiverem o útero removido, vão ter câncer e morrer."

'Capital do estupro': Estupro coletivo expõe descaso de Nova Délhi com mulheres

Até recentemente, não havia dados sobre o número de histerectomias realizadas na Índia, mas os relatos de médicos e pacientes indicam que as operações são mais comuns. O aumento é impulsionado em parte por uma rápida expansão das clínicas e hospitais privados, especialmente nas áreas rurais, que não são bem atendidas pelo sistema de saúde do governo.

Os ativistas admitem que essas clínicas privadas são necessárias tendo em vista as deficiências do sistema de saúde público indiano. Mas eles ressaltam que o trabalho dos médicos particulares deveria ser melhor regulado e monitorado para evitar abusos.

Seguro saúde

Em 2008, o governo indiano lançou um programa nacional de saúde, o RSBY, que permite a famílias pobres se submeter a tratamentos de até US$ 550 (R$1.092) por ano em clínicas privadas.

As clínicas recebem do governo os recursos para pagar o tratamento. Em alguns Estados, porém, há denúncias de que o esquema funcionaria como um incentivo para as clínicas realizarem procedimentos desnecessários, entre eles histerectomias.

Em Samastipur, no norte do Estado de Bihar, algumas estimativas sugerem que mais de um terço das operações cobertas pelo RSBY seriam de histerectomia.

Preocupado com esses números, Kundan Kumar, juiz em Samastipur, convidou mulheres que se submeteram à cirurgia a participar de uma campanha de saúde em agosto na qual elas foram avaliadas por médicos independentes.

O relatório final dessa segunda avaliação concluiu que, das 2.606 mulheres examinadas, 316 (cerca de 12%) tiveram seus úteros removidos desnecessariamente.

Também foram encontrados casos em que, apesar de ter cobrado a operação, o médico não chegou a realizar a histerectomia, fazendo apenas uma incisão superficial na paciente, mas deixando o útero intacto.

Kumar acusa algumas clínicas privadas de cometer "excessos" para obter "ganhos egoístas" e está preparando processos contra elas. "Em vez de recorrer a outras técnicas para tratar alguns problemas, eles (médicos) preferem a cirurgia porque ela lhes traz mais dinheiro", diz Kumar.

As clínicas investigadas pelo magistrado negam irregularidades e dizem que todas as operações de histerectomia eram necessárias. Uma legislação aprovada pelo governo central para regulamentar as clínicas privadas na Índia só agora está começando a ser implementada pelos Estados do país.

Leia tudo sobre: índiahisterectomiaútero

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas