Polícia londrina é investigada por roubo de identidade de crianças mortas

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Unidade secreta da organização teria usurpado as identidades de cerca de 80 crianças durante suas operações, diz jornal britânico Guardian

BBC

Getty Images
Fachada do edifício da sede da Scotland Yard em Londres (foto de arquivo)

A polícia londrina está sendo investigada após acusações de que uma unidade secreta da organização teria usurpado a identidade de crianças mortas durante suas operações. Dois ex-membros de um esquadrão especial da polícia londrina disseram ao jornal The Guardian que usaram carteiras de identidade e outros documentos emitidos com o nome de crianças mortas.

NYT: Nos EUA, ladrões de identidade ganham dinheiro com falso imposto de renda

O procedimento teria sido repetido por outros policiais com cerca de 80 identidades de crianças, diz o jornal. A prática era conhecida há pelo menos uma década, mas a polícia londrina informou que "atualmente" ela não é autorizada.

O esquadrão especial em questão é o SDS (Special Demonstration Squad), encarregado de infiltrar grupos britânicos considerados subversivos e violentos e que deixou de existir em 2008. Em comunicado, a polícia metropolitana de Londres disse ter "recebido uma queixa formal (a respeito da prática), que está sendo investigada pelo departamento de conduta profissional".

Risco: Militares americanos enfrentam nova ameaça: roubo de identidade

Segundo a polícia, serão apurados "esquemas (usados no) passado de identidades secretas utilizados por policiais do SDS".

À paisana

Acredita-se que os policiais integrantes da SDS buscassem registros de crianças mortas com datas de nascimento semelhantes às deles próprios e se fizessem passar por elas. O objetivo seria proteger a identidade dos policiais caso suas atividades fossem questionadas.

Documentos também obtidos pelo The Guardian indicam que os dois policiais consultados usaram os documentos falsos entre 1968 e 1994. Também está sob escrutínio a acusação de que um policial do esquadrão teria se infiltrado em grupos ativistas ambientais e tido - à paisana - relações sexuais com duas integrantes.

Ken MacDonald, ex-diretor da Promotoria Pública, pediu nesta segunda-feira que seja instalado um inquérito público para investigar as atividades secretas da polícia do país e garantir que o uso de identidades de mortos não seja mais praticado.

MacDonald disse considerar "completamente impróprio" que policiais tenham usado identidades de crianças e se relacionado com pessoas que investigavam. "São exemplos de áreas em que a polícia perdeu completamente sua bússola moral e fracassou em estabelecer limites", declarou.

Ele disse também não saber como essas unidades policiais operavam nem o quanto a cúpula da polícia londrina sabia de sua atuação. "Precisamos de um inquérito público a respeito para termos a certeza de que esses procedimentos não estão sendo usados atualmente."

O chefe da polícia Alex Marshall criticou o roubo de identidade de crianças, mas disse acreditar que um inquérito público "gastaria muito dinheiro e levaria muitos anos". Marshall afirmou que uma comissão recémcriada vai definir limites para operações secretas da polícia.

Leia tudo sobre: reino unidolondresidentidade

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas