Profissionais dão 'tratamento holístico' para residentes deficientes. 'Não há necessariamente um ato sexual. Às vezes, só um abraço para quem precisa de compaixão', diz ONG

BBC

A contratação de prostitutas para oferecer o que foi chamado de "tratamento holístico" em uma casa de repouso de Essex causou polêmica no Reino Unido.

Revelações: Prostitutas mais velhas de Amsterdã contam segredos em livro

O uso dos serviços de profissionais do sexo tem sido adotado há vários anos pela casa de repouso de Chaseley, em um distrito de Essex. A maior parte dos residentes é formada por ex-funcionários públicos deficientes.

A polêmica veio à tona após declarações de um porta-voz do Conselho de Eastbourne (equivalente a uma espécie de câmara distrital), que descreveu a prática como inapropriada em entrevista ao jornal The Times.

O porta-voz, que não foi identificado, disse que a contratação de prostitutas para prestar serviços de ordem sexual coloca "os residentes sob risco de exploração e abuso".

Penalidade: Cidade belga multa prostitutas por roupa curta

Procurado pela BBC Brasil, o conselho disse que está investigando o caso e não fará mais declarações sobre o assunto até a conclusão da análise. A casa de repouso também não quis comentar o caso.

Abraço

Em entrevista à BBC Brasil, a porta-voz da ONG Outsiders, que defende a contratação de profissionais do sexo para prestar serviços a deficientes, disse que a casa de repouso procurou a organização em 2006, interessada na época em adotar a prática.

Restrição: Província argentina fecha bordéis e dá passagens de volta a prostitutas

Tuppy Owens afirma que a ex-diretora da casa de repouso Elena Barrow mostrou-se satisfeita com a experiência e relatou resultados positivos meses após a adoção da prática. Borrow está afastada da instituição por motivos de saúde.

Owens defende a iniciativa da casa de repouso, diz que a medida não é ilegal e critica o que chama de "discussão sem sentido" em torno do caso.

NY: Cafetões driblam polícia com 'bordéis-móveis' e entrega em domicílio

"Não há necessariamente um ato sexual. Muitas vezes, há apenas um abraço para quem precisa de compaixão", afima Owens. "O objetivo é mostrar que essas pessoas tem um corpo que pode ser sexual. E esse trabalho aumenta a confiança delas pessoas, além de oferecer algum tipo de alívio sexual."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.