EUA autorizam mulheres a lutar em frentes de combate

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Ainda não formalmente anunciada, medida acabará com proibição imposta em 1994 a mulheres na linha de frente e em comandos especiais das forças militares em ação do país

BBC

BBC

As americanas poderão, em breve, atuar na linha de frente dos combates das Forças Armadas dos EUA, segundo decisão do secretário de Defesa Leon Panetta. A medida, que ainda não foi formalmente anunciada, acaba com a proibição imposta em 1994 que impedia a presença de mulheres na linha de frente e em comandos especiais das forças militares em ação do país.

Gay: Mulher é primeira general a assumir homossexualidade no Exército americano

AP
Capitã carrega maca com sacos de areia durante treinamento em Fort Campbell, Kentucky (09/05/2012)

Marines: Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA abre escola para treinar mulheres

A decisão poderia abrir mais de 230 mil postos femininos, boa parte deles em unidades de infantaria. Elas terão, no entanto, de esperar um pouco mais para atuar no campo de batalha. Os comandos militares terão até 2016 para apresentar eventuais grupos ou postos específicos que ainda considerem inapropriados para as mulheres.

A expectativa, no entanto, é de que alguns postos já possam ser preenchidos por elas ainda este ano. Já o acesso feminino a comandos especiais como o Navy Seals e o Delta Force deve levar mais tempo.

Acusação: Major americana diz ter sido maltratada por causa de seu sexo

Uma fonte do Departamento de Defesa disse à BBC que "a medida dará início a um processo para a elaboração de um plano para implementar a decisão". As restrições às mulheres começaram a ser relaxadas no ano passado, quando o Pentágono abriu 14,5 mil postos femininos em unidades próximas ao front - vagas que até então eram preenchidas exclusivamente por homens.

Pressão

Em novembro, um grupo de quatro mulheres contestou a proibição na Justiça, em um processo contra o Departamento de Defesa. Uma delas, Zoe Bedell, integrante do Marine Corps, disse que tais regras bloquearam sua ascensão profissional nos meios militares.

Brasil: Exército se prepara para ter mulheres combatentes em até cinco anos

Nas guerras do Iraque e do Afeganistão muitas mulheres atuaram como médicas, enfermeiras ou em outros postos próximos ao front, mas nunca em função de combate. Até 2012, mais de 800 militares americanas foram feridas nas duas guerras e 130 foram mortas. Hoje elas representam 14% do total dos militares do país.

Leia tudo sobre: euaexércitocombateforças armadasmulheres no exército

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas