Quando os estupros vão chocar a África do Sul?

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Exame de consciência feito atualmente na Índia não se repete no país africano apesar de ter o dobro de denúncias de violência sexual contra mulheres

BBC

O jovem de 22 anos estava sentado dentro de um bar improvisado no bairro de Soweto, poucos dias antes do Ano Novo, quando a polícia apareceu atrás dele. Segundo testemunhas, o jovem tinha acabado de atacar e estuprar uma menina de 17 anos em sua mesa de bar, mas aparentemente considerou o incidente tão trivial que sequer tentou fugir.

Leia também: Estupro coletivo em ônibus causa comoção na Índia

África do Sul: Camisinha contra estupro é distribuída na Copa

AP
Mulheres na África do Sul sofrem com violência em sociedade paternalista

Os demais frequentadores do bar, exceto pela vítima, nem se deram ao trabalho de chamar a polícia. Num momento em que a Índia está reexaminando sua sociedade por conta do estupro coletivo seguido de morte de uma jovem, a África do Sul parece continuar anestesiada - incapaz de reagir coletivamente diante de estatísticas quase inacreditáveis e, aparentemente, muito piores do que as indianas.

Na África do Sul, quase 60 mil estupros são denunciados anualmente à polícia, o que é mais do dobro das denúncias na Índia (cuja população é 24 vezes maior que a sul-africana). E especialistas acreditam que o número real de estupros seja ao menos dez vezes maior, ou 600 mil ataques ao ano.

Reação: Após estupro coletivo brutal, mulheres esperam mudança social na Índia

Indignação isolada

Não é que a questão seja ignorada - longe disso. Nesta semana, jornais sul-africanos estão reportando histórias assustadoras do que é descrito como uma nova tendência: o estupro de avós idosas, principalmente em comunidades rurais. Duas senhoras, de 82 e 73 anos, foram atacadas em 2 de janeiro.

Leia também: Estupro leva Índia a exame de consciência em busca de respostas

Saiba mais: 'Ela era corajosa e cheia de vida', diz pai de indiana morta em estupro

Mas, apesar da indignação expressada pelos colunistas de jornais e por ouvintes das rádios locais, não foi criado na sociedade um sentimento unido de reação. Recentemente, comentaristas e ativistas olharam para os desdobramentos na Índia quase com inveja, questionando-se o que pode ter provocado o atual sentimento de indignação coletiva e o debate sobre quem ou o que culpar - a história, as drogas, a pobreza.

"Ninguém vai me convencer de que o estupro de um bebê de três meses ou de uma vovó de 87 anos é causado pela pobreza, nem a queima de uma biblioteca ou o vandalismo de uma escola", disse recentemente pelo Twitter a sindicalista sul-africana Zwelenzima Vavi. 

"Talvez o estupro esteja na nossa cultura como parte da cultura patriarcal", disse à BBC a empresária e ativista Andy Kawa, que foi vítima de um estupro coletivo. "É algo cotidiano. Acontece nos lares. Mas (é cercado de) silêncio por causa do medo; porque o estuprador, na maioria das vezes, detém o poder", afirmou.

Mpumelelo Mkhabela, editor de um jornal de Soweto, diz que "o governo está fazendo o que pode, mas também precisamos que os cidadãos entrem na briga e assumam a campanha, em vez de ficarem apenas momentaneamente indignados".

Mobilização: Protesto em favor de indiana vítima de estupro termina em violência

Índia: Estupro coletivo de indiana expõe descaso de Nova Délhi com mulheres

Sociedade violenta

Talvez a única certeza seja a de que a África do Sul é, há décadas, uma sociedade violenta, e as pessoas se acostumaram com isso. Em muitas comunidades, jovens mulheres dizem que praticamente esperam ser abusadas, enquanto jovens homens crescem com um perigoso sentimento de posse sobre elas.

Nesta semana, houve poucas reações públicas, exceto quando veio à tona a história de uma mulher de 21 anos foi vítima de um estupro coletivo na última terça-feira, durante sua viagem para se matricular em uma universidade nos arredores de Pretória. Ela foi arrastada para uma mata por quatro homens ainda não identificados e sobreviveu ao ataque.

No dia seguinte, a BBC foi à entrada da universidade conversar com outros estudantes. A maioria dos consultados não tinha ouvido nada a respeito do estupro, e nenhum pareceu surpreso. Estavam mais preocupados em guardar seu lugar na fila da universidade. "Não estamos protegidas, não nos sentimos seguras", disse uma estudante.

Um passante acrescentou: "Há muitos estupradores por aqui". Então, a jovem pensou por um momento, olhou para seus amigos e disse baixinho: "Não sei o que está errado com os homens. Algo precisa ser feito a respeito deles".

Leia tudo sobre: áfrica do sulestuproviolênciamulher

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas