Em Londres, jornalista de Gaza descreve como é ver pela TV cidade sob ataque

Leia o depoimento de Hamada Abu Qammar, que acompanha de outro país a onda de violência em sua cidade natal

BBC Brasil |

BBC

Acostumado a noticiar de Gaza os acontecimentos como os da última semana, o produtor da BBC na cidade Hamada Abu Qammar se viu do outro lado da notícia com a nova onda de violência na região.

Leia também: Violência continua em Gaza e ônibus explode em Tel Aviv

Em Londres há cerca de um mês para um curso, ele descreve no texto abaixo a sensação de acompanhar à distância o bombardeio de sua cidade natal:

"Assim que você deixa Gaza e se encontra do outro lado da fronteira, você de repente se sente livre e fora da prisão. É assim que eu me sinto a cada vez que saio de Gaza.

Viajei a Londres para um curso três semanas antes de Israel começar a bombardear minha cidade. Deixei minha família lá, e meus amigos. É uma sensação estranha ver o lugar que você conhece nas telas de TV com colunas de fumaça e bolas de fogo no céu.

AP
Fumaça é vista após ataque aéreo israelense em Gaza (21/11)

Quando os foguetes israelenses atingiram o edifício alto no centro de Gaza onde algumas companhias de TV estão baseadas pareceu realmente estranho: é o mesmo prédio e o mesmo andar do qual eu cobri a guerra em Gaza em 2009 para a BBC. Seis jornalistas locais ficaram feridos, e um amigo meu perdeu uma perna. Poderia ter sido eu, pensei.

Gaza é um lugar pequeno, com somente 41 quilômetros de comprimento e de 6 a 12 quilômetros de largura, com mais de 1,5 milhão de pessoas vivendo lá. Até 2005, mais de 40% da Faixa de Gaza era ocupada por assentamentos israelenses. Somente de 5 mil a 6 mil colonos viviam lá, com 1,5 milhão de palestinos abarrotados na outra metade.

Agora Gaza está fechada por três lados. Por terra, pelo mar e pelo ar, isolada por Israel e também pelo Egito. Não há para onde ir nem nada para fazer. Se você tem sorte, tem um trabalho, mas mesmo se tiver, o salário é baixo e não há segurança.

Um setor que está em alta é o do crescimento populacional. Metade dos habitantes de Gaza são crianças, e a maioria brinca pelas ruas. A razão é que eles não têm mais nenhum lugar para brincar. Não há playgrounds, mas no verão você pode ao menos ir à praia. Não há uma orla, porém, e as pessoas não podem nadar por causa dos esgotos. Quanto eu quero dar um mergulho, vou para o sul ou para o norte, perto das fronteiras com o Egito ou com Israel.

E também há os barcos da Marinha israelense não muito longe dali, e eles têm atirado em barcos de pesca que navegam muito longe da costa, e às vezes atingem pessoas.

As ruas dos campos de refugiados, como Jabalia, que está vários quilômetros ao norte da cidade de Gaza, são outra questão. Não há parques, cinemas ou clubes - nada. Lazer? Esqueça. Que vida! Então, o que você vê são montes de jovens parados nas esquinas, conversando, fumando e com caras de desolação. Muitos têm uma educação decente, mas não têm empregos - e vivem só da esperança.

Nas fotos de Gaza pós-1948 (Independência de Israel), você pode ver grupos de homens parecidos com um olhar parecido em suas caras. Talvez sonhando em voltar ao lugar ao qual foram forçados a deixar?

Mas as preocupações diárias são mais mundanas. Haverá eletricidade hoje? Temos gás para cozinhar ou não? Muitas coisas básicas simplesmente não existem por lá. E mais - quando você ouve como os israelenses correm para os abrigos quando os mísseis são disparados de Gaza, você fica pensando: nós não temos abrigos. Altas autoridades talvez tenham, mas não nós.

Uma casa palestina em Gaza é normalmente feita de paredes de concreto com um telhado de ferro galvanizado. É bem quente no verão - não há ar condicionado e nem eletricidade para operá-lo se houvesse. No inverno, as paredes de concreto congelam e ficam bem frias - mas as casas em Gaza não têm aquecimento central. Quanto a aquecedores elétricos - veja o que eu disse sobre falta de energia.

Observar Gaza agora me leva de volta para a vida que eu enfrentei durante a operação "Chumbo Fundido" em 2009. Em Gaza você não precisa de sirenes, e os toques de recolher não são anunciados, mas simplesmente acontecem - as pessoas sabem que qualquer coisa que se mova se torna um alvo para os aviões não-tripulados e caças israelenses.

Antes da guerra de 2009, Gaza tinha algo de agricultura e indústria, produzindo e exportando verduras e legumes, morangos, flores e até mesmo móveis. Após a guerra, mais de 95% das empresas privadas tiveram que fechar suas portas.

Hoje, as necessidades diárias da Faixa de Gaza dependem de Israel - da manutenção de apenas uma passagem, Kirm Shalom. A outra rota para suprimentos é pelos túneis do Egito.

Tudo isso - o cerco, o embargo, os aviões não-tripulados, os bombardeios, a sensação de viver dia a dia em uma prisão - gera muita raiva e ódio, que alimentam o radicalismo que por sua vez molda a visão da geração jovem.

Eu não sei se esta geração se tornará mais politizada - nem todos os habitantes de Gaza são politizados hoje, e muitos não apoiam nem o Hamas nem o Fatah, apesar de eles não serem livres para dizer isso. Mas os jovens que eu conheço viveram com sangue derramado ao seu redor por muitos anos. Eles não sabem o que é uma vida normal - e eles são metade da população. O futuro não parece promissor para a minha cidade, com trégua ou sem trégua."

    Leia tudo sobre: ataquesagazagazapalestinosisraelhamas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG