Cantora lírica, nova primeira-dama leva imagem menos sisuda ao governo chinês

Saiba mais sobre Peng Liyuan, mulher de Xi Jinping, escolhido para assumir a Presidência da China em 2013

BBC Brasil |

BBC

Durante décadas, a cantora lírica Peng Liyuan tem aparecido na televisão estatal chinesa cantando canções tradicionais açucaradas que exaltam a maravilhosa ascensão da China. Agora, a soprano esta prestes a se tornar a primeira-dama do seu país.

Leia também:  Congresso confirma Xi Jinping como novo líder da China

Com dezenas de dançarinos se movimentando à sua volta, a glamourosa Peng apareceu pela última vez em cadeia nacional de televisão na China em janeiro. Ela participou do último ato de um evento de gala com temática militar que celebrou o Ano-Novo chinês.

"O que importa ao Partido é o povo, sempre", cantou Peng, vestindo um uniforme militar branco, para uma audiência efusiva que incluiu o presidente Hu Jintao e o marido da cantora, o futuro líder Xi Jinping .

AFP
Peng Liyuan, que será a primeira-dama da China em 2013

Peng é a primeira esposa de um político de alto escalão a se destacar desde Jiang Qing, mulher de Mao Tsé Tung. Esposas de líderes chineses como Deng Xiaoping, ou mesmo a atual primeira dama, ficaram nos bastidores. No exterior, Peng já está sendo comparada à ex-primeira dama francesa, Carla Bruni.

'Fada Peony'

É possível que, por ser uma celebridade, Liyuan contribua para que a liderança comunista chinesa ganhe uma imagem mais acessível.

"O Partido Comunista tinha uma imagem muito opaca e os líderes se comportavam como robôs que eram parte da máquina do Estado, sem qualquer charme pessoal", disse Li Yinhe, um sociólogo no centro de estudos Chinese Academy of Social Sciences, em Pequim. "Espera-se que Peng Liyuan traga algo diferente para a liderança".

No entanto, é provável que a mídia estatal chinesa envolva Peng em uma sólida rede de proteção. As questões mais simples sobre a carreira musical da cantora já despertam respostas vagas dos que trabalham na indústria musical chinesa.

Saiba mais: Entenda os desafios que aguardam a nova liderança chinesa

"É duro comentar sobre a música dela, por causa das complicações de sua situação atual", admitiu He Li, diretora do conselho de canções floclóricas da China. "Não queremos comentar muito sobre ela. Se você diz que ela é a melhor, outros vão fazer intrigas. Se você diz que ela não é boa, alguns podem reclamar. É difícil dizer qualquer coisa".

Apelidada de "Fada Peony", Peng Liyuan alistou-se no Exército para a Libertação do Povo cedo em sua carreira, construindo seu nome como uma artista aprovada pelo Partido Comunista, aparecendo frequentemente na TV estatal para cantar canções de propaganda com títulos como Planícies da Esperança e Povo do Nosso Vilarejo (em tradução livre).

"Provavelmente 90% das canções dela são elogios ao Partido Comunista e o resto celebra nossa vida maravilhosa", explicou o crítico de música Qi Youyi, em tom sarcástico.

'Guerreira cultural'

Agora, Peng aparece nos palcos apenas ocasionalmente, para apresentações em grandes shows de gala na TV estatal. E embora seu nome continue reconhecido, sua música é apreciada principalmente pelo público acima dos 40, disse He Li.

"Grande parte do público que gosta das canções dela nasceu numa era em que havia pouca variedade de gêneros artísticos e canais de TV, provavelmente apenas rádio", ela disse.

Peng Liyuan nem sempre teve boas relações com o Partido Comunista. Tanto sua família como a de seu marido foram perseguidas durante a Revolução Cultural. Em uma entrevista para a TV chinesa em 2004, Peng disse que seu pai foi categorizado como um "contra-revolucionário" porque alguns dos seus familiares haviam servido no Exército de Taiwan.

As adversidades não impediram que ela entrasse, com apenas 14 anos, na Universidade Shandong de Artes para estudar canto, especializando-se em canções tradicionais chinesas.

Peng Liyuan alistou-se no Exército de Libertação do Povo em 1980 para trabalhar como uma "guerreira das artes e cultura". A apresentação da soprano na estreia do programa de gala de ano novo na China Central Television (CCTV, ou Televisão Central da China) em 1983 fez dela uma celebridade nacional. Ao longo dos anos, ela fez apresentações em Nova York, Tóquio e Viena.

Papel futuro

Quando Peng Liyuan conheceu Xi Jinping, em 1986, ela já era uma cantora famosa. Ele, divorciado, era vice-prefeito de Xiamen City, na província sulista de Fujiano. Após apenas alguns meses de namoro, os dois se casaram, em setembro de 1987. A filha do casal, Xi Mingze, nasceu em 1992.

Muitos hoje se perguntam que tipo de papel Peng Liyuan poderá desempenhar no governo chinês. Ela já começou a diminuir seus compromissos profissionais, aparecendo com menos frequência na TV estatal. "Ela só aparece em apresentações políticas de grande porte e não canta canções novas", disse He Li.

Também não está claro se ela vai cumprir o papel tradicional de esposa de político, acompanhando seu marido em viagens ao exterior. Quando Xi Jinping visitou os Estados Unidos para reuniões importantes em fevereiro, Peng Liyuan não estava ao seu lado. Na ocasião, alguns sugeriram que Peng estava tentando evitar eclipsar seu marido.

É possível que Peng se envolva mais em causas beneficentes. Ela já atua como embaixadora da Organização Mundial da Saúde em campanhas sobre HIV-Aids e tuberculose. Ela também é embaixadora da Associação Chinesa de Controle de Tabaco.

É possível também que Peng queira desfrutar dos prazeres de viver em Zhongnanhai, a residência da alta liderança chinesa, no centro de Pequim. Em entrevista à revista estatal Global People em 2011, ela disse que gosta de fazer as tarefas corriqueiras do dia, como ir de bicicleta ao mercado e pechinchar.

    Leia tudo sobre: chinaxi jinpingpen liyuanpartido comunista chinês

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG