Reeleição de Obama impulsiona venda de armas nos EUA

Defensores do porte de armas temem que presidente americano proíba venda de armas semiautomáticas a civis

BBC Brasil |

BBC

A reeleição de Barack Obama teve um efeito imediato. Logo após os votos dos eleitores americanos terem sido contados, o setor de armas de fogo viu suas vendas aumentarem de forma fenomenal.

Vitória: Obama teve forte apoio de minorias e mulheres para conquistar reeleição

AP
Obama e a família comemoram vitória em Washington (07/11)

A tendência já podia ser observada desde meados de outubro, quando Obama disse, durante o segundo debate presidencial , que cogitava proibir a venda de armas de assalto (semiautomáticas) a civis e evitaria que armas de fogo chegassem às mãos de criminosos por meio de verificações de histórico criminal.

Muitos americanos, temendo perder seu direito garantido pela segunda emenda da Constituição, correram às lojas especializadas para abastecer seu arsenal.

As ações da Smith & Wesson, uma das maiores fabricantes de armas dos EUA, subiram em mais de 7%, enquanto que sua concorrente, Ruger, terminou o dia seguinte à reeleição do presidente democrata vendo um aumento de 3%. As vendas de rifles táticos e munições também dispararam, com os consumidores dando preferência às armas de assalto do tipo AR-15 e AK-47.

O direito ao porte de armas é um dos mais ferozmente defendido pelos americanos conservadores. A discussão ficou ainda mais em destaque com o recente aumento de massacres em massa aleatórios cometidos por cidadãos americanos com porte de artilharia pesada. Nos últimos cinco anos, já houve13 tragédias do tipo nos EUA.

"Acho que é preciso um certo controle para que alguns indivíduos, como aqueles com ficha criminal, não possam ter acesso a armas, mas sou extremamente contra um presidente mexer com direitos garantidos pela Constituição. Isso abre um precedente para que os presidentes possam limitar ou eliminar outros direitos constitucionais, como a liberdade de expressão ou religiosa", diz o engenheiro Fred Williams, que resolveu comprar um revolver logo depois de ficar sabendo que Obama teria um segundo mandado.

Violência:  Ataque no Colorado reacende debate sobre a política de armas nos EUA

Segundo publicações especializadas do setor de venda de armas de fogo, foi a menção de Obama a uma possível proibição de vendas de armas para civis que fez com que, em outubro, o número de verificações de histórico criminal tivesse um aumento de 18,4%, segundo dados do FBI. Esse índice é o principal indicador do desempenho do mercado de armas.

Temor

Em 1994, o então presidente Bill Clinton despertou a ira da National Rifle Association of America (NRA), um dos mais poderosos grupos de lobby em Washington que luta pela garantia ao direito dos cidadãos de portar arma, ao decretar a Proibição Federal a Armas de Assalto.

A lei federal tinha um prazo de validade de dez anos e proibia a fabricação de armas semiautomáticas, como o AK-47, para uso civil. Para a alegria da NRA, a proibição não foi renovada pelo republicano George W. Bush em 2004.

Mas agora grupos conservadores acham que o presidente americano vai se sentir mais livre para agir sem preocupação de desagradar alguns setores da população, já que nunca mais terá de participar de uma eleição.

"Se Obama nomear mais juízes da Suprema Corte, os proprietários de armas terão muito a temer", afirma a NRA, em referência a temores de que o líder americano indique juízes favoráveis a medidas de controle de armas.

Moda: Nos EUA, estilo em roupas para esconder armas

Mas os grupos ativistas pela proibição de venda de armas de fogo estão satisfeitos e esperançosos em relação aos próximos quatro anos de Obama na Casa Branca. Em um comunicado parabenizando o presidente americano pela reeleição, o grupo Brady Campaign to Prevent Gun Violence prometeu "trabalhar em nome dos americanos com o presidente e o Congresso para reduzir a violência causada por armas de fogo".

No entanto, é mais provável que nada mude e os americanos continuem a usufruir do direito ao porte de armas por, pelo menos, mais dois anos. Além da reeleição de Obama, as últimas eleições garantiram o controle da Câmara aos republicanos, o que pode dificultar a governabilidade de Obama até 2014, quando os americanos novamente renovarão o Congresso.

    Leia tudo sobre: obamaeleição nos euaporte de armassegunda emenda

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG