Presidente da Fundação da BBC defende 'reforma radical ' da instituição

Emissora enfrenta crise após denúncias de abuso sexual contra apresentador e notícia falsa veiculada pelo programa Newsnight

BBC Brasil |

BBC

Um dia depois de o diretor-geral da BBC, George Entwistle, renunciar , Chris Patten, presidente da Fundação da BBC (BBC Trust), órgão que governa a emissora, defendeu que a instituição precisa de uma "reforma total, estrutural e radical".

George Entwistle renunciou no sábado depois de o programa Newsnight ter admitido que uma de suas reportagens havia erroneamente envolvido um ex-tesoureiro do Partido Conservador em um caso de abuso sexual de crianças.

Patten disse que a BBC precisa garantir que seus programas sejam adequadamente administrados, e anunciou que um novo diretor-geral será escolhido dentro de algumas semanas.

Leia também:  Diretor da BBC se demite após falsa notícia sobre abuso sexual

AP
A sede da emissora BBC em Londres, na Inglaterra (11/11)

Segundo o presidente da BBC Trust, as negociações sobre quem será o novo diretor-geral da emissora começarão ainda neste domingo e, até que uma decisão seja tomada, o diretor-geral interino, Tim Davie, receberá total apoio para atuar no que for necessário.

Antes de renunciar, Entwistle havia pedido ao diretor da BBC Escócia, Ken MacQuarrie, que fizesse um relatório para explicar o que aconteceu com a investigação do Newsnight e os resultados dessa apuração devem ser anunciados ainda neste domingo.

No dia 2 de Novembro, o Newsnight levou ao ar um depoimento em que uma vítima de abuso sexual nos anos 80 acusava um "político conservador" de ser o autor desses abusos. O programa não divulgou o nome do político, mas logo as redes sociais começaram a acusar Lord McAlpine, tesoureiro do partido de Margaret Thatcher.

A vítima retirou a acusação uma semana depois, dizendo que havia se enganado sobre a identidade de seu algoz. O programa admitiu o erro e a BBC emitiu uma "desculpa sem reservas" pelo caso.

Renúncia

Entwistle renunciou após dizer que foi um "erro" transmitir o programa. "Diante do fato de que o diretor-geral também é o editor e, em última instância, o responsável por todo o conteúdo e também do fato de que o (programa) Newsnight exibiu uma reportagem com um nível jornalístico inaceitável, eu decidi que a atitude mais honrada a ser tomada era deixar meu cargo", disse, em sua carta de renúncia.

Patten defendeu a "reforma" na BBC durante entrevista a um programa da emissora. ''Se a pergunta é se a BBC precisa de una reforma total, estrutural e radical a resposta é sim", afirmou.

Sobre a renúncia de Entwistle, que ficou apenas 54 dias no cargo, ele comentou: "Ele era o editor-chefe de uma grande organização de notícias e acho que sentiu que deveria assumir a responsabilidade pelo péssimo jornalismo que desfigurou esse programa Newsnight (no dia 2 de Novembro)".

"Uma das ironias é que ele mesmo (Entwistle) foi um editor brilhantemente bem sucedido do Newsnight por algum tempo", completou Patten, qualificando Entwistle como um homem "bom", "honrado" e "corajoso".

Patten também afirmou ser muito cedo para se falar em acabar com o programa Newsnight. "Nós, obviamente, temos de entender como, no momento, ele (o programa) está sendo administrado e se as pessoas têm controle sobre seu conteúdo."

Entwistle foi criticado por não se informar sobre o programa antes que ele fosse ao ar. Também por não ter tomado conhecimento de uma mensagem no Twitter que anunciou que o Newsnight faria importantes revelações no dia 2 de novembro.

Patten disse que sabia sobre a mensagem no Twitter, mas que seria uma "interferência grotesca" se tivesse contactado o programa na ocasião. "Mas tarde, eu perguntei se o programa tinha sido editado corretamente, se estava sendo bem administrado e me asseguraram que sim", disse.

Caso Savile

Durante a gestão de Entwistle, o Newsnight e a BBC foram envolvidos em outro escândalo com a revelação de que o ex-apresentador da emissora Jimmy Savile é suspeito de ter abusado sexualmente de diversas crianças.

Saiba mais:  Denúncia de abuso sexual contra apresentador constrange BBC

Savile, morto em outubro do ano passado aos 84 anos, era uma lenda da TV britânica. Ele é suspeito de ter abusado de 300 jovens e crianças ao longo de cerca de 40 anos.

A BBC instaurou duas investigações internas após as acusações contra o apresentador serem reveladas em uma reportagem transmitida em outra emissora britânica, a ITV. Uma para apurar a cultura interna da empresa durante as décadas em que, segundo denúncias, os abusos foram cometidos. Outra (liderada por um ex-executivo da empresa rival Sky News), para entender por que o Newsnight desistiu de veicular uma reportagem com entrevistas com pessoas que dizem ter sofrido abusos nas mãos de Savile antes que o caso viesse à tona.

Restaurar a confiança

Para a secretária do Interior britânica, Theresa May, a decisão de Entwistle de renunciar foi acertada. "O que importa agora é como a BBC lidará com isso. A BBC tem um trabalho a fazer para restaurar a confiança (do público)", disse.

O ex-ministro trabalhista Kim Howells pediu a renúncia de Patten e da diretora de notícias da BBC, Helen Boaden. "Infelizmente há uma cultura no topo da BBC que está fora da realidade. Ela não está fazendo o que deveria ser feito - apoiar e encorajar um jornalismo investigativo de peso da mais alta qualidade."

    Leia tudo sobre: bbcreino unidonewsnightjimmy savileabuso sexual

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG