Hospital nega ter sido usado à noite por apresentador da BBC suspeito de abusos

Ex-porteiro havia dito que Jimmy Savile recebia regularmente a chave da porta de entrada da Enfermaria Geral de Leeds

BBC Brasil |

BBC

Um hospital em Leeds, na Inglaterra, negou as declarações de um ex-porteiro, que disse que o local foi usado pelo apresentador Jimmy Savile para visitas noturnas acompanhado de meninas adolescentes.

AP
Apresentador Jimmy Savile posa para foto ao lado de uma estátua de cera (arquivo)

Savile, lenda da TV britânica que foi apresentador e DJ da BBC, é suspeito de uma série de crimes sexuais, incluindo contra menores de idade.

Leia mais: Lenda da TV britânica é acusado de ter estuprado adolescentes

Segundo Terry Pratt, ex-porteiro da Enfermaria Geral de Leeds, durante a década de 1980, Savile recebia regularmente a chave do hospital, aonde costumava chegar de madrugada e levar as meninas para a acomodação das enfermeiras. Saía de lá antes do amanhecer, disse Pratt.

''Ele ia até o sujeito da recepção que lhe dizia: 'eis aqui a chave, Jim, não deixe de me devolver'. Ele pegava a chave e se dirigia ao quarto das enfermeiras com as meninas'', contou Pratt.

Mas as alegações de Pratt foram negadas nesta quarta-feira em comunicado emitido por um porta-voz do hospital, que diz que o porteiro não trabalhava lá na época.

"Investigamos as alegações com outros membros da equipe que já trabalhavam na Enfermaria Geral de Leeds na época, e acreditamos que ele (Pratt) se equivocou em seus comentários", diz o comunicado. "O sr. Pratt parece se referir a um período dos anos 1980, antes de ele ter começado a trabalhar no hospital, nos anos 1990, e não tinha conhecimento em primeira mão."

Mais detalhes: Apresentador suspeito de pedofilia visitava hospitais com meninas

O texto agrega que seus porteiros "não tinham a chave para destrancar a acomodação das enfermeiras" e por isso não poderiam entregá-la a Savile. Agrega que o local "era vigiado 24 horas por dia, e o acesso era muito restrito, para proteger os funcionários que moravam ali".

Acusações

Morto no ano passado, aos 84 anos, Savile angariou uma legião de fãs à frente de programas que se converteram em atrações de grande êxito na TV britânica, como Jim'll Fix It e Top of The Pops. Hoje ele é alvo de centenas de suspeitas de abusos, que teriam sido cometidos ao longo de décadas.

Savile chegou a ser condecorado pela rainha Elizabeth 2ª por suas atividades beneficentes. Ele costumava realizar maratonas por todo o país, angariando fundos para hospitais e entidades assistenciais.

No início deste mês, Steven George, um ex-paciente de outra instituição, o Hospital de Broadmor, relatou que Savile tinha a chave do hospital e chegou até a receber um quarto próprio durante a década de 1970.

George, que era conhecido como Alison Pink na época, e que realizou uma operação de mudança de sexo posteriormente, disse que Savile era tratado como membro da equipe e que ele ''literalmente controlava o local''.

George conta ter sido abusado pelo apresentador na época, mas afirma que manteve segredo porque temeu que ninguém acreditaria.

A BBC abriu na segunda-feira um inquérito interno sobre a cultura e as práticas da corporação na época em que Savile realizou supostos delitos sexuais. Um outro inquérito da BBC está investigando a decisão de deixar de exibir em 2011 uma edição do programa jornalístico Newsnight sobre acusações contra Savile.

    Leia tudo sobre: jimmy savilebbcabuso sexual

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG