Nobel da Paz para União Europeia causa choque e surpresa em Bruxelas

Academia da Suécia disse que união promoveu reconciliação europeia. Premiação chega em momento de crise

BBC |

BBC

BBC
Presidente da Comissão Europeia José Manuel Barroso (E) e o precidente do Conselho Europeu Herman Van Rompuy durante coletiva de imprensa após o anúncio do prêmio

A decisão de dar à União Europeia o Prêmio Nobel da Paz teria sido unânime no painel de cinco integrantes – embora tenha sido uma grande surpresa.

Não só para analistas, que vinham especulando sobre as chances de blogueiros envolvidos na Primavera Árabe ou de grupos humanitários na Rússia.

A escolha chocou até o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso. Ele admitiu para jornalistas que, ao acordar, não esperava que o seu dia fosse ser tão bom.

O presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, afirmou estar orgulhoso, e que o prêmio reconhece o papel do bloco como o "maior pacificador na História".

O Nobel certamente não foi conquistado pela atuação da União Europeia no combate à atual crise na Zona do Euro.

Saiba quem são os últimos 20 vencedores do Nobel da Paz

Em vez disso, a comissão do Nobel preferiu destacar o papel da UE na promoção da paz ao longo das últimas seis décadas.

Concentrando-se no longo prazo, os integrantes ressaltaram a reconciliação entre as nações, após as duas guerras mundiais.

Fracasso diplomático
Também mencionaram a integração dos países do antigo bloco comunista e o papel da União no processo de estabilização dos Balcãs.

No entanto, não se falou no fracasso da diplomacia de Bruxelas e de outros países, que pouco fizeram para evitar que as guerras eclodissem.

Para aqueles que veem na Comissão Europeia uma instituição não-democrática, burocrática e até corrupta, a escolha chega a ser irritante.

E vale lembrar que a escolha foi feita na Noruega, um país que historicamente se recusa a entrar para o bloco, preferindo manter a soberania.

No comunicado escrito em Oslo há até uma menção aos problemas que estão sendo criados pela atual crise econômica.

De fato, há poucos dias, manifestantes na Grécia receberam a líder alemã – em visita oficial – com saudações nazistas.

Com a crise da Zona do Euro, a União Europeia parece viver um dos seus momentos de maior divisão e fragilidade.

Os sucessos da UE são claros, e a comissão os deixou evidentes.

Mesmo assim, o momento para destacá-los parece bastante estranho.

    Leia tudo sobre: Nobelnobel da paz 2012

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG