Palestinos pedem ajuda do Brasil para reconhecimento na ONU

Saeb Erekat diz que visita de Antonio Patriota ao Oriente Médio, que começa no domingo, é de 'extrema importância'

BBC Brasil |

BBC

Às vésperas da visita do chanceler brasileiro Antonio Patriota ao Oriente Médio, o principal negociador palestino, Saeb Erekat, pediu que o Brasil ajude os palestinos a obter reconhecimento como Estado não-membro das Nações Unidas.

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Antonio Patriota, deverá visitar Israel no próximo domingo (14) e na segunda feira (15) irá aos territórios palestinos, em sua primeira visita à região desde que assumiu o cargo.

"Esta visita é de extrema importância para nós, palestinos" disse Saeb Erekat à BBC Brasil, "principalmente, neste momento em que estamos nos preparando para pedir o reconhecimento da Assembleia Geral da ONU".

Leia também:  Palestinos vão buscar reconhecimento como Estado observador na ONU

Reuters
O ministro de Relações Exteriores do Brasil, Antonio Patriota, que visita o Oriente Médio a partir de domingo (arquivo)

No ano passado , já houve uma tentativa por parte do presidente palestino, Mahmoud Abbas, de obter o reconhecimento da ONU, por intermédio de um pedido dirigido ao Conselho de Segurança. No entanto, a reivindicação de reconhecimento como membro pleno das Nações Unidas fracassou por causa do veto americano.

Em novembro deste ano, os palestinos pretendem se dirigir à Assembleia Geral, na qual os Estados Unidos não têm direito de veto, e pedir um reconhecimento parcial, como Estado não-membro.

Com esse tipo de status, os palestinos terão acesso a várias agências das Nações Unidas e ao Tribunal Penal Internacional. De acordo com Erekat, o novo status servirá como meio para "salvar a solução de dois Estados".

Infográfico:  Saiba os principais fatos do conflito entre Israel e palestinos

"O governo israelense tem feito todos os esforços para destruir a solução de dois Estados, ampliando os assentamentos e criando uma realidade de apartheid", disse o negociador palestino, "Esperamos que o Brasil apoie nossa iniciativa e também exerça sua influencia, como líder regional, para que outros países da América do Sul a apoiem", acrescentou.

A embaixadora Ligia Maria Scherer, chefe do escritório de Representação do Brasil na Autoridade Nacional Palestina, reiterou o apoio do Brasil à admissão do Estado Palestino como "membro pleno" da ONU, conforme o discurso da presidente Dilma Rousseff na Assembleia Geral da ONU em setembro.

Durante a visita a Ramallah, o chanceler brasileiro deverá se encontrar com o presidente palestino, Mahmoud Abbas, com o chanceler Riyad Al Malki, com o primeiro-ministro Salam Fayyad além de Erekat.

Em Israel, Patriota também deverá se reunir com os principais líderes do país: o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, o presidente, Shimon Peres, e o chanceler, Avigdor Lieberman.

De acordo com o porta-voz do ministério das Relações Exteriores de Israel, Yigal Palmor, durante a visita, "serão discutidos assuntos bilaterais e regionais".

Para a embaixadora do Brasil em Israel, Maria Elisa Berenguer, "o relacionamento Brasil-Israel vem se intensificando cada vez mais, principalmente, desde a visita do presidente Lula ao país, em março de 2010".

A embaixadora disse à BBC Brasil que "o diálogo politico sobre as questões regionais é parte importante de nossa relação bilateral". "Nesse contexto, estamos preocupados com a falta de progresso nas negociações entre Israel e Palestina porque acreditamos que uma solução para essa questão é essencial para o bem-estar de ambos os povos", acrescentou.

    Leia tudo sobre: israelbrasilpalestinosestado palestinopatriotaoriente médio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG